Archive for June, 2013

Brasil-e-Alemanha-bandeirasPor saberem que vivo na Alemanha, quase todos meus conhecidos já me fizeram a seguinte pergunta: Você sofre muito preconceito na Alemanha?

Essa é uma pergunta que parece simples de se responder: Sim ou não! Quem dera fosse assim…..

A verdade é que o assunto é complexo, e depende de várias variáveis.

Todo mundo cria estereótipos em suas próprias cabeças. Estes estereótipos são auxiliados pelas mídias tendenciosas, pelos materiais didáticos muitas vezes falhos, pelos preconceitos transmitidos através do DNA intelectual familiar, entre outros. Por exemplo: A maioria das pessoas do mundo, quando pensam no Brasil, pensam em futebol, praia, floresta, samba e em mulata pelada e de bunda grande, ahhh e agora lembram também do Michel Teló. Esses são os principais estereótipos sobre o Brasil (será que são só estereótipos? Enfim…).

Da mesma forma, o brasileiro cria estereótipos sobre outros povos. Sobre os alemães, eu destacaria alguns: bebem muita cerveja e estão sempre vestidos com calcas de couro com suspensório (Lederhose), comem linguiça o dia inteiro, falam “hemorroidas ardem, aftas idem”, são frios e fechados, são ignorantes, e….. são nazistas preconceituosos.

Muitos destes estereótipos se refletem na realidade. O alemão come sim muita linguiça, e toma muita cerveja. Muitos deles são frios e fechados, mais que os brasileiros, numa média, mas isso também faz com que sejam mais sinceros e mais confiáveis.
Mas o alemão não anda de calca de couro com suspensório, não fala “hemorroidas ardem”, não são nazistas.

O fato é que o povo alemão tem um trauma com seu passado. Imagine que seu avô deu calote em metade da cidade na década de 1960 e isso deixa o nome da sua família sujo até hoje. Você terá vergonha de falar de seu avô, certo? Muito provavelmente. A história e estudos comportamentais das gerações dizem que você terá uma tendência forte de fazer o contrário de seu avô, por ter vergonha deste tipo de comportamento.
A idéia aqui é tipo essa. O povo alemão tem vergonha do passado, não gosta de falar sobre a segunda guerra mundial, e tenta diariamente limpar sua imagem. Não tenho dados, mas já ouvi diversos alemães dizendo que o povo alemão é o povo que mais faz doações para o mundo. Consigo imaginar que isso seja verdade.

Li uma artigo fantástico outro dia, o qual indico fortemente para leitura, onde uma professora negra de Salvador conta sobre sua experiência na Alemanha. O título é “Como lidar com o Racismo?”, e pode ser encontrado no blog “Pragmatismo Político”.
Ela relata várias observações feitas por ela. Um relato achei especialmente interessante: Ela estava num trem, e percebeu que um passageiro estava incomodado com a presença dela. Até que o passageiro fez um comentário racista. Ela se levantou para dizer algo, mas não deu tempo, pois todos os outros passageiros se levantaram em sua defesa, brigaram com o cara, exigiram que ele se desculpasse, e como ele não o fez, chamaram a polícia para ele. E daí ela diz que os alemães têm muito senso de justiça e a certeza de que um problema social é um problema de cada um deles.
Ela também diz que o racismo existe na Alemanha, mas é muito debatido, e fortemente atacado na mídia, nas escolas. Além disso, a Alemanha normalmente é um dos pioneiros a aprovar leis de progresso social, igualdade de direitos, e eliminação de preconceitos.

Eu costumo dizer que é difícil saber se há mais racismo na Alemanha que no Brasil. Mas uma coisa é fato: Aqui, o racismo/preconceito/xenofobia quando ocorre, é claramente exposto, e vem de uma parcela pequena da população. A maior parte da população não é preconceituosa, e essas pessoas se policiam diariamente buscando não pensar e muito menos falar ou agir de forma preconceituosa.
Já no Brasil, há uma hipocrisia que funciona como chantilly por cima do lixo. Os estudos científicos são fartos nesse ponto. É comprovado que o brasileiro é preconceituoso, machista, racista, homofóbico, mas nunca assume. Todo mundo no Brasil conhece um amigo que é preconceituoso, mas ninguém se auto-declara preconceituoso. Ou seja, em algum dos dois lados existe alguém mentindo, e eu suponho que seja no lado de quem defende a si mesmo.

Desta forma, eu me arrisco a dizer que no Brasil há mais racismo e preconceito que aqui, mas aí estão escondidos no meio da hipocrisia, estão escondidos nas sutis ações cotidianas, nos gestos, nas falas, nas piadas (e aqui o assunto é grave), no meio profissional, no atendimento nos estabelecimentos públicos, estão disfarçados em ditados, no folclore, na literatura, no cinema, no material didático, e dessa forma, para os menos sintonizados e menos críticos, isso passa despercebido, dando a impressão que no Brasil é tudo mil maravilhas.

Mas tem neonazista na Alemanha não é? Claro que tem! Mas é difícil ver um. Posso passar alguns meses sem ver alguém que tenho certeza ser um neonazista. Em certas regiões há mais, em outras menos, mas em geral são uma parcela mínima da sociedade. E sim, existem muitos casos de ataques de neonazistas contra negros, indianos, asiáticos, homossexuais, muçulmanos, etc. Mas peguemos quantas pessoas morrem por ataques nazistas na Alemanha, e quantas mulheres morrem por machismo no Brasil. Analisando estes números, eu diria que deve ser umas 1000 vezes pior ser mulher no Brasil, que ser estrangeiro na Alemanha.

Mas a discriminação não existe só pelos neonazistas. Existem aqueles que discriminam por discriminar. Essa xenofobia existe em quase todos os lugares. O brasileiro gosta de dizer que no Brasil não há. Não há, pois o brasileiro adora gringo, somos muito hospitaleiros e adoramos aumentar nosso círculo de amizades, além de possuirmos um forte complexo de vira-lata que sempre acha o Brasil uma b@st@, e por isso acha que tudo de fora é melhor, e por isso babam ovo para estrangeiro. Mas pensemos internamente no Brasil. Nas regiões Sul e Sudeste, ao verem alguém fazendo algo errado, dizem que é serviço de baiano. Em São Paulo, qualquer nordestino, ou é baiano, ou é Paraíba (quando é para insultar de forma pesada). Em toda a turma de amigos em São Paulo, é impossível não encontrar uma meia dúzia que dizem que a criminalidade de São Paulo existe por culpa dos Paraíbas que imigraram sem qualificação e agora ganham pouco, ou são desempregados e acabam marginalizando o estado lindo deles. O Paulista entende que o fato de terem uma economia muito forte e por isso pagarem muito imposto absoluto, o Brasil inteiro mama nas tetas deles. Imigre para São Paulo e reclame do trânsito, rapidinho encontrará um paulistano nasalado que mora num apartamennnnto da Bela Cinnnntra para te dizer: mêuuuu, não tá satisfeito, volta para Minas Gerais e vai comer pão de queijo e tomar pinga.
Acho que a discriminação que sofre o nordestino no Sudeste e/ou no Sul, ou a discriminação que sofre um mineiro ou um capixaba, em São Paulo, é maior que a discriminação que um brasileiro sofre na Alemanha.

Então, minha resposta para você que me pergunta se aqui há preconceito, eu diria: Sim, mas bem menos que no Brasil, em quase todos os sentidos.

por Miguelito Formador

images_02A presidente deu um passo interessante nessa tarde ao pronunciar-se sobre a reforma política.

A “proposta” ou “ideia plantada” propõe um plebiscito popular para uma Constituinte Específica que aprovaria alterações à Constituição, buscando uma reforma política.

Mais que rápido, a oposição criticou a proposta. O argumento usado é a impropriedade de se usar um plebiscito para tal fim. Para eles, constitucionalmente, as mudanças somente podem acontecer se propostas forem apresentadas às duas casas, Câmara e Senado, votadas e sancionadas pela presidente.

Juristas também criticaram a proposta da votação popular; não só por ignorar o Poder Legislativo, meio existente para aprovação ou alteração de leis, mas também pela perigosa “abertura” que uma Nova Constituição traria. Um fato interessante aventado por eles é o fato de que os deputados e senadores que lá estão não terem sido eleitos para tal ofício. Uma Assembleia Constituinte é eleita para trabalhar exclusivamente numa Constituição.

 

Na minha opinião, a reforma política é justa e necessária. E os modos de a fazê-la são e serão complicados. Qual o melhor meio de se fazer isso? Não sei responder.

Talvez o plebiscito seja o início, o aval popular que a presidente anseie. Falta definir como será feita a mudança, qual a ideia da Constituinte Exclusiva, se serão realizadas novas eleições para as cadeiras dos “reformadores” ou se serão escolhidos parlamentares já em exercício.

 

Os organizadores do projeto “Ficha Limpa” e a OAB já têm uma proposta. Nela, a eleição primeiramente escolhe partidos e depois os candidatos, já pré-relacionados em uma lista. Não me agradou. Prefiro as propostas que pregam o voto distrital, permitindo candidatos sem partido e eliminando os candidatos “puxadores” de voto, que carregam muitos outros via legenda. Um ponto positivo da proposta chamada “Eleições Limpas” está na proibição do financiamento de campanhas através de empresas. Limitado a R$700, somente pessoas físicas poderiam financiar campanhas; outros recursos só poderiam ser tomados do dinheiro público, através do já existente fundo partidário.

 

Voltando ao pronunciamento da presidente, digo que ela acertou em propor corajosamente a reforma e em convocar o povo. E você, o que acha?

 

por Celsão correto

link para a proposta “Eleições Limpas” – aqui. Site para coleta de assinaturas aqui.

link para o discurso da Dilma – aqui

Figura retirada daqui

Planalto Central

Planalto Central

O Gigante foi acordado.

O Brasil surpreendeu a todos com uma demonstração ao mundo de que sua democracia, e seu nível de patriotismo são exuberantes. Fomos às ruas, marchamos, enfrentamos balas de borracha e por fim derrotamos a polícia fascista e a repressão em SP.  Vencemos, reduzimos o preço das passagens que estes políticos que nos exploram nos fazem pagar.

Eu não fui à rua protestar. Não por ser contrário, pois teria ido se as condições físicas atuais me permitissem, protestaria sim, e com certeza agregaria pessoas à reforma política tão necessária para o país. É um workshop político onde partidos políticos não são bem-vindos, O que é um paradoxo para um manifestação democrática. Todas as causas estão presentes, inclusive a extrema direita, o movimento social brasileiro foi às ruas. O MPL foi o estopim de um levante que contaminou uma parte considerável do país. Há muitas causas, inclusive as antidemocráticas e conservadoras, e nenhum partido.

É fato que o MPL foi vitaminado pelos acontecimentos, a ação imbecil da PM e o oportunismo de uma parcela conservadora da sociedade fez crescer a causa de um transporte mais barato para o trabalhador da periferia. Causa justa. Causa que nunca antes na história deste país foi preocupação da classe média que foi ás ruas e exigiu um direito do pobre, mesmo sabendo que este subsídio sairia do bolso do contribuinte.

A sociedade brasileira não será como antes, a classe média conservadora paulista foi indutora de uma revolta política e com isso mostrou ao pobre que este tem direitos, mudou a sua conduta, pois é essa mesma classe média que sempre negou direitos aos pobres avalizando a conduta dos mais ricos.

A dita parcela pensante da sociedade abriu uma caixa de pandora ao deixar o peso dos impostos subir-lhe à cabeça e estourar de raiva ao ver tantos pobres melhorando de vida. Uma revolução conservadora cuja estratégia seria conseguir comprar o apoio do pobre por R$0,20 e com isso vencer Dilma, nas eleições ou derrubá-la antes. Dilma balança. A classe média enfim conseguiu colocar o povo contra o governo.

Quais os motivos para uma classe média tão revoltada? Impostos altos, segurança, trânsito… Sim o serviços são ruins isso é fato. A corrupção é disseminada isto também é fato. O Estado é repleto de corrupção. Obras, legislativo, justiça, polícia, MP, FUNAI… prefeituras e câmaras no Brasil inteiro. Está por todos os lados. Isto é causado por falhas das Instituições do Estado, sobretudo aquelas que não são eleitas pelo povo. Quem garante a impunidade permitindo que a lei não seja igual perante a todos? Quem não processa o empresário corruptor e criminaliza o movimento social?

Algo precisa mudar, isso é fato.

Quais seriam os caminhos pra encampar esta mudança? Existem vários. Todos passam pela reforma política. Porém, a classe média preferiu o caminho revolucionário, demonstrou o tamanho do seu repúdio às práticas da classe política e mostrou ao pobre que ele pode exigir seus direitos, fez algo mais, mostrou ao pobre que ele pode ser superior ao aparato repressivo do Estado.

A classe média, acabou acreditando na ideologia de que é possível não ter ideologias e com isso agiu de forma contrária aos fundamentos conservadores. E ainda não percebeu o que fez.

A classe média, sobretudo paulista, chorou orgulhosa, tão orgulhosa como em 64 quando 500 mil foram às ruas contra a corrupção e o comunismo, O Brasil acordou!! Muitos sentiram esse orgulho de ser brasileiro pela primeira vez na vida, coisa que o pobre nunca perde.

Alguns dizem que a revolta da classe média é contra os políticos.

Porém a própria revolta é política, todos somos políticos, fazemos política quando compartilhamos um meme numa rede social. Xingar políticos de forma generalizada equipara-se a xingar o espelho. Política é algo tão natural quanto o ódio.

Quebrou-se a prefeitura, física e financeiramente, por uma revolta contra a política partidária. A revolta é contra os políticos ligados a partidos. Apenas estes. Não é contra juiz corrupto, o procurador corrupto, o policial corrupto e principalmente não é contra os empresários corruptores.

O Estado é ineficiente e corrupto como um todo. Porque a culpa é única e exclusivamente de uma instituição da sociedade, o partido político?

Sendo o partido uma instituição da sociedade qualquer um pode filiar-se e participar de discussões. A classe média julga que eles não prestam e não vale à pena tomá-los de assalto de forma democrática, fazendo-se ouvir dentro dos partidos.

Ou poderia criar um novo, tá aí a REDE da Marina como prova disso. Mas não foi isso que aconteceu. A classe média não quer se envolver com política. Vota pra salvar o mundo do PT e acha isso um saco.

Ela espera que o Estado incompetente e corrupto torne-se eficiente sem que ela própria participe do processo. Espera que um salvador da pátria apareça no cenário, já escolheram um, e resolva tudo. Um conservador que consiga antes de tudo colocar o pobre em seu lugar, que transforme investimentos sociais em segurança pública, contenha os movimentos sociais que a própria classe média acordou.

O verdadeiro gigante acordou e isso não é nada bom do ponto de vista conservador. Historicamente criminalizado no Brasil, o movimento social ganhou força com as manifestações e a classe média conservadora espera usar a PM no futuro pós-PT, como sempre fez, pra colocar o movimento social onde estava antes do levante.

Dizia Einstein que uma mente quando expande nunca volta ao seu tamanho original. No rescaldo das manifestações os grandes derrotados serão os conservadores, pois acordaram o gigante que a elite fez dormir por mais de um século, e não há bala de borracha que consiga fazê-lo voltar ao sono.
””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””
Texto escrito e enviado pelo nosso leitor Erick Nogueira

por Miguelito Formador

RevogadoPois é…

O governador e o prefeito de São Paulo anunciaram que o aumento de R$0,20 foi revogado. E ainda foram além, abriram as portas aos integrantes do MPL (Movimento Passe Livre) para que estes participem do Conselho Municipal. Querem dividir com a sociedade parte da responsabilidade pela tarifa do transporte e buscar idéias e sugestões antes que o aumento volte.

Primeira etapa cumprida, eu diria. Ao menos para os iniciadores das manifestações, motivados pelo aumento do transporte. Mas… e agora?

Boa parte dos manifestantes, queira o MPL ou não, está “de carona” com eles, revelando alguma outra (ou várias outras) insatisfações, seja contra o governo, a violência na cidade, os gastos abusivos para a Copa, etc… Se por um lado a presença destes “novos revoltados” ajudou a dar volume ao protesto inicial, agora eles provavelmente se tornarão “órfãos” e deverão organizar as suas próprias passeatas, lideranças, estratégia.

Assisti ao programa Roda Viva na última segunda-feira e confesso que me surpreendi com a articulação dos líderes entrevistados e algumas idéias para o “depois”, como o passe para uso mensal, que já existe em outros países, por exemplo.

Será que os demais cidadãos que “saíram do Facebook” conseguirão se articular a fim de levar a cabo outras manifestações? Torço para que sim, para o bem da Nação.

por Celsão correto

P.S.: A TV Cultura disponibiliza os programas na íntegra pela Internet. O programa citado no post está aqui

HADDAD_DILMA_ALCKMIN

HADDAD_DILMA_ALCKMIN

O seguinte texto foi postado por Rene Guedes em seu perfil do Facebook. Nós da administração do blog fizemos algumas mínimas alterações para permanecermos ainda mais focados no contexto político das atuais revoltas. O texto original de Rene Guedes pode ser acessado em seu facebook clicando AQUI.

“”””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””

O Resultado e os impactos Políticos dessa semana, ouso dizer histórica, para os principais agentes políticos no xadrez político brasileiro são:

Alckmin: Reforça sua imagem de durão que tanta agrada as classes médias assustadas. Para essa gente ele vai obviamente lucrar. Para o restante da sociedade, que sabe dos métodos e programas czaristas do governador, fica a certeza de quem é certamente o grande inimigo das causas populares e dos movimentos sociais

Haddad: Manobrou MUITO mal a crise. Deu ouvidos ao governador e embarcou, num primeiro momento, na criminalização do movimento. Foi a grande decepção e ao meu ver o grande perdedor político dessa semana. De esperança de um PT mais arejado e longe do pragmatismo que tomou de assalto o partido nos últimos anos, o prefeito se converteu na grande decepção de uma legião de progressistas que viam nele uma liderança ascendente e um contraponto ao terror medieval do Governador. E, de quebra, uma possível liderança do partido para vôos mais altos (presidência em 2022???). Percebeu somente agora o equívoco de sua posição inicial, mas ainda tem seu discurso cercado de termos tão caros à plutocracia (orçamento, investimentos, equilíbrio das finanças públicas) que pouco ou nada sensibilizam os movimentos sociais

o PT: O partido vive hoje uma crise de identidade sem precedentes. Afastou-se de suas bandeiras históricas, ou quase todas elas. Cedeu aos evangélicos, aos ruralistas e a mídia corporativista (que sobe, dia a dia, o discurso virulento contra o próprio partido). O estilo “gerente” executivo da Dilma aprofundou esta distância com os movimentos populares, gênese da fundação do partido. A legenda hoje apanha como nunca à esquerda e à direita e não consegue encontrar um discurso propositivo e atual que possa sustentar politicamente sua posição atual que preza pela “governabilidade”… Essa “responsabilidade republicana” que o PT abraçou contaminou a alma do partido, e muitos petistas acreditam que só uma derrota fragorosa do partido possa salvá-lo de si mesmo…

Dilma: ao mostrar cada vez mais uma política desenvolvimentista aguda, sem diálogo e nenhuma aproximação com os movimentos sociais, ela, Dilma, desenvolveu um estilo duro, centralizador, de empurrar com a barriga questões “menores” e cedendo ao pragmatismo mais horroroso da “governabilidade”, esse mantra estúpido que só ganha terreno em países como o Brasil, que ainda não se separou de fato de suas amarras físicas e psicológicas da ditadura… Acredito sinceramente que ela, dentro dos contornos de sua estratégia, É BASTANTE bem intencionada, mas o seu desprezo pela política criou um modelo de gestão que não é sustentável. As políticas econômicas e sociais continuam, porém a falta de interlocução com o povo faz aos poucos com que o povo não a identifique como um símbolo de união e luta por uma sociedade mais justa, igualitária e democrática. Resumindo, ela se encontra num beco sem saída: se apoiar o movimento perde o apoio do empresariado e da mídia, caso se oponha ao movimento, perde popularidade e será taxada somente como mais uma governante que pouco se importa com direitos humanos, com a integridade de seu povo e com a constituição. Então o que ela faz? Mantém-se em silêncio! Mas isso não pode ser para sempre, ninguém gosta de silêncio eterno!

Oposição: Tenta faturar politicamente com a crise, sem entender direito que posição tomar, contanto que ela promova mais e mais constrangimento ao governo federal. Conta com o apoio da mídia para este fim. Uma parcela grande dos manifestantes, por ignorância política, faz este jogo e entregam sortidas declarações e ações que possam ser faturadas por Aécios e Questais . Não vejo, contudo, pelo vácuo de lideranças nos setores políticos conservadores, ninguém carismático e inteligente para arregimentar este estado de torpor cívico. Para este fim, teremos os verdugos midiáticos de sempre: Os Jabores, Mervais, Catanhedes… esses promoverão em seus artigos e aparições televisivas todo o torpor escandaloso e radical que cai tão bem aos ouvidos da classe média…essa, tal qual sua eterna musa, Regina Duarte, sempre assustada…

“”””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””

por Miguelito Formador

figura retirada do site

protesto-mpl-sp-2Não sei o que foi.

Se foram os inúmeros vídeos “caseiros” mostrando os gritos de “vem pra rua”, se foi perceber a verdadeira participação apartidária e crítica de muitos, se foi a persistência do povo que, mesmo após serem rechaçados pela polícia, remarcaram os protestos para os dias posteriores, se foi a negação inicial da imprensa quanto à manifestação em si, chamando-a de vandalismo… Só sei que estou gostando dessa “nova onda” de protestos no Brasil.

Pra quem viveu os “caras pintadas” durante o processo de impeachment do presidente Fernando Collor e sabe que a maioria daqueles jovens ia pra Paulista pra cabular aula e paquerar, esses protestos são inéditos e empolgantes. Parece realmente que “tiramos a bunda do sofá”, ou “saímos do Facebook”, como dizem as faixas carregadas pelos manifestantes.

Até a mídia, que inicialmente chamava de baderneiros e vândalos, sentiu na pele o abuso por parte da polícia, presenciou os pedidos de não-violência e o caráter pacífico por parte da organização e teve de “dar o braço a torcer”, assumindo parte dos erros cometidos. Obviamente, alguns meios focam nas pixações e depredações, minimizando a legitimidade da maioria. Mas oras, é impossível que, dentre dez mil pessoas, não haja arruaceiros.

E não é somente pelos vinte centavos… Como já aventado por muitos, foi uma gota d’água que transbordou o cheio copo dos problemas sociais e políticos de São Paulo e do Brasil. Qualidade do transporte, violência nas cidades, abuso de gastos com a(s) Copa(s) são assuntos que revoltaram e incitaram a “galera” a se manifestar.

Avanços serão observados no decorrer da semana. O governo já agendou uma conversa com os manifestantes, a polícia militar divulgou que mudará a atitude e não mais prenderá pessoas portando vinagre, por exemplo. E haverá mais manifestações, com câmeras digitais ligadas e atentas, para que diversas versões possam ser divulgadas e avaliadas.

Quem sabe não vejo ainda realizado o meu sonho anarquista mais delirante. A invasão da Rede Globo em pleno Jornal Nacional.

 

por Celso revoltado

P.S.: pra quem acha ainda que os protestos são puramente vandalismo, vejam os vídeos e depoimentos desse link, coletados por um blogueiro.

figura retirada daqui

futizqperspEstava passando pelos canais da TV hoje a noite e felizmente cheguei num programa sobre futebol na TV Cultura.

Lá estava Walter Casagrande e, além de futebol, foi apresentado o livro “Futbolistas de Izquierdas” de Quique Peinado, que tem a capa interessantíssima com a cor vermelha e a imagem de Sócrates/Che. O livro contém episódios, clubes e jogadores-personagens  esquerdistas e lutas contra ditaduras.

Um vídeo-trailer sobre as o livro pode ser visto no youtube aqui. Um destaque para a chamada “Democracia Corintiana” da década de 80, na qual participaram o próprio Casagrande e Sócrates.

Este movimento, onde todos no clube decidiam sobre tudo, desde contratações a concentrações e datas das viagens, através de votação simples (sem diferenciação entre diretores, jogadores e funcionários), ultrapassava as fronteiras do futebol com mensagens como “eu quero votar pra presidente” em camisetas e faixas, durante o período final da Ditadura Militar. Além disso, houve participação ativa dos atletas na campanha nacional “Diretas Já!”

Voltando ao programa de TV, Casagrande admitiu ser “esquerda” e “petista”, mas ressaltou estar atualmente mais ligado à pessoas que ao partido, por questões ideológicas.

Puxando outro assunto, que julgo ser relevante, o “doutor” Sócrates insistia em pedir mais politização dos nossos craques; pois, pregava ele, jogadores de futebol no Brasil têm muito espaço na mídia e poderiam usar essa exposição de forma inteligente, ao invés de somente alimentar o consumismo sem limites.

por Celsão correto

P.S.: o livro ainda não está traduzido para outras línguas, mas pela repercussão que vem causando, pode ser que apareça em breve.

P.S.2: ao menos o vídeo-trailer tem trechos em Português 🙂

imagem retirada do site da editora do livro – aqui

Democracia, liberdade, direito de privacidade. Uma ova!!!

Democracia, liberdade, direito de privacidade. Uma ova!!!

Replicando um texto sucinto, mas assertivo.

Big Brother Obama

Jornal Público, 07/06/2013

 A Administração Obama fez tábua rasa do velho princípio traçado no século XVIII por Benjamin Franklin que advertia: “Aqueles que abrem mão da liberdade essencial por um pouco de segurança temporária não merecem nem liberdade nem segurança.”
Em nome do combate ao terrorismo, um tribunal especial autorizou a Agência de Segurança Interna a aceder às chamadas telefónicas de qualquer cidadão.

Não se discute o putativo alcance desta medida para se obter informações sobre os contatos de prováveis terroristas. O que se discute é se essa probabilidade justifica que um direito elementar dos cidadãos, a sua privacidade, seja violado. Ou se vale a pena constranger a liberdade básica que confere a cada um o direito de falar com quem entender em nome de uma pretensa política de segurança.

Esta pulsão securitária que trata todos como suspeitos é, ao que se sabe, uma herança de George Bush. Esperava-se que Obama, em coerência com o seu discurso, a revogasse. Não revogou. A sua aura de político diferente voltou a degradar-se.

…….

Comentário 1 do blog: Se fosse Hugo Chávez, ou Fidel Castro, a mídia e a classe média já teriam caído em cima chamando esta ação de ditadura, terrorista, comunistas demonizados, e coisas do tipo não é?
Comentário 2 do blog: Onde estão os tão aclamados direitos e liberdades do cidadão, condimentos básicos e triviais da tal Democracia que tanto se enaltece no mundo contemporâneo. Em tempo: Em breve um post que tratará deste termo democracia, e sua função como parte integrante do controle de massa e bestificação das sociedades.
Comentário 3 do blog: Nos últimos anos, várias informações secretas, não só americanas, mas de vários países, grandes empresas, bancos, etc, têm vindo à tona, principalmente após as divulgações do Wikileaks. Só continua alienado, achando que várias questões absurdas são teoria da conspiração, quem realmente quer se manter alienado. Para evoluir e crescer intelectualmente e como indivíduo, tem que ter vontade e humildade, isso já basta.

por Miguelito Formador

->Figura retirada do link

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Mas afinal, o que são os direitos humanos universais? Alguém sabe?

Assista a esse sucinto e esclarecedor vídeo de apenas 9 minutos feito pela “United for Human Rights”, clicando AQUI.

Para acessar a cartilha da Declaração Universal dos Direitos Humanos, e conhecer quais são os 30 direitos fundamentais do ser humano, estipulados pela ONU, clique AQUI.

Para ler uma crítica ao desrespeito aos Direitos Humanos, clique AQUI.

por Miguel Formador

Às  vezes me pego pensando em coisas que me parecem surreais.

Parece-me surreal saber que ainda nos dias de hoje, existem milhões de pessoas exercendo trabalho escravo em vários cantos do mundo.
Parece-me surreal saber que milhares de mulheres morrem anualmente pelo mundo à fora, por causa de agressões oriundas de comportamento machista e discriminatório contra o sexo feminino.
Parece-me surreal alguém ainda pensar que os negros são inferiores aos brancos.
Parece-me surreal discriminar um ser humano, ou tentar impedi-lo de gozar de direitos que são assegurados a todos os seres humanos, somente pela “escolha”/”natureza” de sua sexualidade.

Parece-me surreal a existência de milhões de crianças que não vão às escolas, pois precisam trabalhar o dia inteiro para ajudar os pais, ou talvez por não terem pais, ou talvez por não existir uma escola a uma distância menor que 300 km de sua casa, e estão assim, sucumbidas a uma vida marginalizada, de migalhas.
Parece-me surreal que religiões que já existem a milhares de anos, ainda não evoluíram ao mínimo ponto de recriminar duramente quando um sacerdote abusa sexualmente de uma criança.
Parece-me surreal pensar que tantas pessoas desfrutam de luxos que não são necessários para uma vida digna, justa e saudável, enquanto outras tantas milhões de pessoas pelo mundo não tem sequer água para beber, muito menos o que comer, quem dirá então ter uma cama, um teto, acesso à saúde, a um sabonete, pasta de dentes, a um prato e talheres, coisas que nunca viram na vida.

Parece-me surreal pensar que enquanto escrevo este texto, uma grande parcela do mundo está pensando, neste exato momento, em como gastar suas fortunas, comprando casacos de pele, ou comprando o maior iate do mundo, ou comprando o lançamento da Ferrari para o filhinho que passou no vestibular, ou viajando com toda a família de primeira classe luxo para uma paraíso artificial construído na  Turquia, ou Egito, ou Tailândia, que mais parecem fortalezas dentro de zonas de guerra; enquanto milhares de crianças estão caídas nos chãos da África sem conseguirem sequer se mover, neste exato momento, pois já não possuem mais qualquer energia, devido a falta de nutrientes e de água no corpo, expostas ao Sol de 50 graus, e com os urubus rodeando esperando que elas sucumbam.

Parece-me surreal que, enquanto escrevo este texto, todas atrocidades que citei acima, e várias tantas outras que não mencionei para não prolongar ainda mais o texto, estão acontecendo neste exato momento. Sacerdotes estuprando crianças e mulheres, homossexuais sendo espancados até a morte, torturados, ou simplesmente sendo privados de seus direitos legais, como o de contraírem matrimônio. Índios sendo expulsos de suas terras para a entrada de grandes empresas do agronegócio, de extração de madeira, ou de mineração.

Após  um longo caminho traçado durante nossa história, muitas lutas, muito sofrimento, muito progresso, muita evolução, e muito diálogo, muito estudo, muita técnica e muita reflexão, após o aprendizado sequencial com os erros já cometidos pelas sociedades no passado, ainda numa mistura de solidariedade, direito legal, bom senso, humanismo, respeito, ética, AMOR, foram definidos os direitos universais para todo o ser humano. E aí, surgem ainda hoje em dia, grupos de pessoas, de mentalidade pré-histórica, atrasadas, pouco evoluídas, que tem a prepotência de querer balbuciar pela revogação ou não cumprimento destes mesmos direitos universais, à partir de seus próprios julgamentos e preconceitos sem qualquer embasamento lógico ou racional.

por Miguelito Filosófico

Em tempo: Entenda o que são dos Direitos Humanos clicando AQUI

->Figura retirada da página