Não é mais por R$0,20

Posted: January 7, 2015 in Outros, Sociedade
Tags: , , , , , ,

figura_post_tarifaNem por R$0,50 ou R$0,40. Agora é contra a corrupção!

Ano novinho em folha começando e aumentos nas passagens de ônibus urbano no Rio e em São Paulo em vigor. No Rio foram quarenta centavos a partir de sábado, dia três, e em São Paulo são cinqüenta de acréscimo desde terça-feira.

Diferentemente das piadas de “agora sou a favor pois facilitou o troco”, acredito (e espero) que as manifestações voltem a ocorrer.
Não pela utópica e impraticável tarifa zero numa cidade como São Paulo, mas pela falta de transparência no setor de transportes.
O Movimento Passe Livre (MPL) já marcou a primeira grande manifestação em São Paulo, que deve ocorrer nesta sexta-feira, dia 09/01/2015.

Pra quem não sabe, o MPL pediu à prefeitura a planilha dos gastos com as empresas prestadoras do serviço de transporte coletivo na capital (que são poucas, e já no comando há muito tempo). Houve até uma CPI na câmara municipal que visava investigar o sistema atual de licitação e prestação de serviços, mas ninguém logrou abrir a “caixa de Pandora” dos custos (ou lucros) das empresas.
Mais absurdo que não rever contratos é continuar pagando empresas prestadoras por cidadão transportado. Notoriamente há sucateamento dos ônibus, num círculo vicioso inevitável, pois busca-se uma maior ocupação (leia-se lotação), o que leva ao abandono do transporte público por aqueles que têm alternative, e a consequente redução do número de veículos por conta da baixa ocupação…
Notícia aqui sobre a conclusão da CPI municipal e aqui sobre uma discussão interessante do modelo de concessão municipal, no site do MPL.
Aliás, o excelente artigo no site do MPL defende que transportar passageiros tem custo fixo, ou quase fixo, e usa exemplos de empresas aéreas (cujo custo do voo não muda com poltronas vazias), corridas de táxi (que tem um preço pela distância e trajeto e independe do número de pessoas transportadas), entre outros.

Independente dessa teoria, todo estudante de economia ou administração sabe, desde o início do curso, que o preço se forma a partir do custo colocando o lucro ou margem; ou de um valor de venda mínimo para que a operação seja viável economicamente. Em nosso caso, valor do contrato da prefeitura com a empresa prestadora criaria esse valor mínimo, ou máximo “pagável” do ponto de vista da prefeitura.

Então bastaria que esse contrato fosse fiscalizado e revisto rigorosamente num momento como esse, de discussão sobre aumento de tarifa, para que se ratificasse o aumento proposto ou servisse de base para negá-lo.
Sem o detalhamento de quanto se paga e como são feitos os cálculos pelas empresas prestadoras, impossível corroborar com o aumento!
E pior ainda… não consigo imaginar como a prefeitura fiscaliza os trajetos, número de ônibus nas ruas (ou por trajeto), dimensionamento para horários de pico e finais de semana…

Ora, pra mim, o “buraco é mais embaixo”!
Há um esquema de corrupção que complica e maqueia propositalmente a tarifa de ônibus e metrô na capital. Contratos não renovados seguem vigentes, uma única família possui mais da metade da frota paulistana. Nem mesmo o mais romântico dos pensadores diria se tratar de preguiça dos governantes ou despreparo da secretaria…

por Celsão revoltado

figura: montagem de figuras extraídas aqui e aqui com fundo do portal UOL.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s