Archive for May, 2015

rn188844_0Na semana passada, fomos surpreendidos (ou nem tanto) com uma declaração infeliz de um vereador paraense.
O principal erro do ilustríssimo Sr. Odilon Rocha de Sanção foi ser sincero (a seu modo), considerando que a população, já anestesiada com desmandos e abusos, encontrasse normal a declaração escancarada de corrupção no meio político; “Se não for corrupto, mal se sustenta!” – disse ele.
O político sequer considerou que a cidade de parauapebas, onde legisla, tem renda per capita de R$400; que trabalha quando muito duas vezes por semana; que seus vencimentos ultrapassam os R$10 mil ou 17 salários mínimos considerando despesas com combustível, viagens e telefones; sem contar a nomeação de acessores, que costumam render gordas quantias nos ermos do coronelismo do norte-nordeste brasileiro…
“Se for para eu sobreviver apenas com esse salário, com certeza absoluta eu não passaria o padrão de vida que eu levo hoje” – completou ele.
É triste, é pesado ler isso!
Sobretudo num país como o nosso, onde poucos levam a sério a disparidade de condições dos mais ricos comparados aos mais necessitados. Os “de cima” criticam programas sociais e duvidam das reais necessidades e intenções dos “de baixo”, enquanto estes últimos criam antipatias.

Perseguimos aqui e aqui, os médicos, que reclamaram de um piso bem semelhante, por terem muitas outras oportunidades na constante demanda e carente atualidade brasileira. E analisamos aqui alguns salários brasileiros, comparando-os com o resto do mundo.

Ou seja, se o vereador tivesse algum conhecimento de mundo, ou a decência de buscar informação, saberia que está na estreita faixa dos felizes 1% mais ricos do Globo, dado o salário recebido na Câmara de Parauapebas. Desconsiderando outras funções assalariadas que venha a exercer.
Falar em sobreviver é descabido e absurdo. É desconhecer desde a condição humana, passando pela própria comunidade que o elegeu, pelo entorno onde vive e trabalha e chegando à etmologia da palavra. É um insulto!

fotopg5boxMDNa mesma seara está a notícia recente atribuída à Câmara de Blumenau, município catarinense com histórica imigração européia. Os vereadores estudam proposta de aumentar o número de cadeiras em quase 50%, aumentando a casa de 15 para 23 componentes e o gasto público com pagamento de folha de R$400 mil para R$612 mil.
Igualmente abusiva, a medida não para por aí; os gastos aumentariam além das despesas com pessoal, carros, celulares… um novo prédio deverá ser construído, já que o imóvel alugado foi projetado para os atuais 16 gabinetes! (notícia aqui)

Um alento para a população de Blumenau está no protesto de empresários locais, que publicaram frases em outdoors, “provocando” os legisladores, que agora reavaliam a medida. Uma audiência pública sobre este tema foi marcada (provavelmente as pressas) para essa semana.

É inconcebível para mim que haja na lei a possibilidade de definir o próprio salário.
É como se fôssemos contratados para definir nós mesmos o que fazer… Cada um faria o que melhor lhe aprouvesse e no prazo determinado pelas necessidades pessoais. Deixar nas mãos de políticos as definições de salários e benefícios é pedir para que haja problema.

No fim, creio que nem uma drástica reforma política, nem o fim do político profissional, resolveriam tudo. Estes resquícios de “Gerson”, certamente passariam como “brinde” ou “praga” por algumas gerações; até que fossem vistos como imorais ou penalizados exemplarmente.

por Celsão revoltado

figuras retiradas daqui (onde pode ser lida a notícia sobre o nobre vereador Odilon) e daqui. Há um filme sobre a campanha contra o aumento do número de cadeiras em Blumenau aqui.

discurso“Ainda há muito espaço para criar gado no Brazil”
A frase foi dita numa conversa corriqueira, sobre preços, crise e situação do Brasil. Antes da afirmação do colega, eu havia dito que o gado já se tornara uma “praga”, que requeria muito espaço e que era contra a expansão da criação em prol de duas ou três empresas que lucram atualmente com a pecuária.
“Viajei para Chapecó esses dias, e daqui até lá há um sem-fim de terras inexploradas” (estávamos em Criciúma)
“Mas será que vale mesmo a pena usar essa terra toda para criar boi ou plantar soja? Queremos ser puramente exportadores de alimentos?” – perguntei.
Antes disso já havíamos falado sobre a difícil situação de mercado de empresas de autopeças e dos fornecedores de máquinas para estes; concluímos juntos, para minha surpresa, que fosse qual fosse o partido no governo, a situação não seria outra.

Eis que fomos interrompidos, por um dos participantes daquele almoço, interpelando uma mulher que passava entre as mesas, perguntando-a sobre a verba da obra do CAEP (foi uma sigla que não entendi, significando um centro de detenção provisória para menores).
Por não conhecer o assunto e estarmos numa mesa com outras seis pessoas, não me foquei aos detalhes, mas me atentei à frase seguinte.
“Devia é matar os delinquentes ao invés de prender!”
E outras como; “Viram que há menores aqui que já mataram oito, dez pessoas?” ou “Os vagabundos gostam da cadeia, pois são bem tratados, tem comida, local para dormir…”
A mulher alegou que não acreditava na melhora do cenário através da diminuição da maioridade penal, fazendo visível cara de descontentamento às afirmações de violência e descaso.
“Mas é muito dinheiro empregado nosso numa causa perdida. Não há recuperação!” – afirmava com veemência o mais “problemático” dos companheiros de mesa.
“E se os menores trabalhassem?” Tal frase criou um frenesi entre os presentes, que concordaram em ocupar presos adultos e juvenis. Lavoura, estradas e até as minas locais foram citados como exemplo.
Eu não sou contra, embora acredite que os menores possam ser treinados ou preparados profissionalmente. Sequer consegui colocar meu argumento. A senhora pagou e saiu, enquanto nosso interlocutor efusivo, falava sobre os prodígios dos EUA.

“Viram como a Colômbia está crescendo? É graças à intervenção americana lá. Eles estão acabando com as FARC, com a violência e há crescimento.”
Meu lado mais esquerdo coçou e, enquanto começava a montar na cabeça alguns argumentos, ele seguia.
“A Venezuela está uma bagunça. O Maduro e o PT acabaram com o país!”
Achei divertido a correlação, mas ainda tinha dúvidas se a pessoa tinha conhecimento ou só raiva.
“Por exemplo, os EUA poderiam ter invadido Cuba e acabado com a ditadura e o comunismo de lá se quisessem. Se eles entrassem na Venezuela, resolveriam o problema. E a Venezuela tem algo que os Estados Unidos querem: petróleo!”
Hein?!? Resolveriam o problema ou derrubariam o governo tomariam o petróleo que não é deles?
“Na Síria e Líbia, a situação está bem ruim, depois que o Kadafi caiu…”
“Mas quem colocou o Kadafi e outros ditadores africanos no poder?” atravessei perguntando, para tentar entender onde os argumentos nos levariam.
“Os Estados Unidos!”
“Ufa!”, pensei comigo mesmo aliviado e sorri restaurando a calma. “Não preciso mais levar o cara a sério…”
E, enquanto ele seguia explicando aos demais os excessos do ditador, que montou uma tenda numa conferência da ONU e só colocou mulheres como guardas, apareceu fardado e armado (segundo ele) na reunião principal, montei na mente uma série de perguntas cujas respostas não seriam tão diretas e não trariam sorrisos tão fáceis.

– O que faz a ditadura do Kadafi melhor que a ditadura cubana?
– Você tem ideia dos números sociais dos países do norte da África? Como IDH, educação, liberdades como cidadãos.
– Acha mesmo que os EUA intervêm num país ou governo em prol da liberdade, ou da população?

Respeito as pessoas de direita, que acreditam no capitalismo “romântico”, onde o desenvolvimento traz automaticamente uma “melhora geral”, pois coloca o dinheiro nas esferas superiores e estas “necessitam” das outras esferas para prestar serviços, quer sejam diretos (empregados, segurança) ou indiretos (o consumo emprega em lojas, restaurantes, shoppings)
Mas não consigo respeitar os que criticam a corrupção, mas assumem que fariam o mesmo se tivessem o poder; argumentam contra a distribuição de renda simplesmente porque os pobres agora têm smartphones ou carro zero e acessam os mesmos espaços antes restritos, como Cabo Frio ou Shopping JK.
Não dá pra analisar um assunto sob duas óticas distintas, usando sempre os argumentos mais interessantes naquele momento.

O almoço terminou e cada um seguiu o seu caminho. Por não sermos próximos, fiquei satisfeito por ter “segurado minha onda”, mas não resisti em “plantar” minha opinião no papo seguinte, durante a carona pro aeroporto, com um dos presentes.
Só recebi afirmativas concordando comigo…

por Celsão irônico

figura retirada daqui

revolução_francesa_esquerda_direitaHoje é meu aniversário.
Eu sou um cara de esquerda.

Fico pensando, quantas pessoas deixarão de me parabenizar por esse motivo. Fico pensando em quantos “amigos” já tive, e já não tenho mais, pelo simples fato de eu ser de esquerda, e por não esconder minhas ideias e ideologias. Fico pensando, inclusive, nos parentes que fizeram parte de minha caminhada, ás vezes me pegaram no colo, e hoje não irão me escrever, nem telefonar, e possivelmente, nem querem me olhar, por eu ser como sou, surpreendentemente (para eles), diferente da maioria dos do meu sangue.

No meio desta reflexão, fico pensando o que algumas pessoas entendem como “ser de esquerda”. Será que pensam realmente que comunistas comem criancinhas? Qual a motivação para discriminar, esnobar, menosprezar, desrespeitar, não tolerar, ou até mesmo, odiar alguém de esquerda? Realmente, isso não faz o menor sentido para mim, mas isso deve se dever, muito provavelmente, pela forma como eu conceituo a afirmação “ser de esquerda”. Vou explicar.

Ser de esquerda não significa: ser marxista, ser socialista, ser comunista, ser rebelde, ser ser ser…… Ser de esquerda significa simplesmente, ser de esquerda. E dentro da ideia de ser de esquerda, há uma infinidade de variantes, possibilidades, flexibilidades, ideologias. Assim como o há dentro do conceito “ser de direita”.

Para entender a complexidade disso, é preciso primeiramente entender de onde originam-se os termos “esquerda e direita”?
Bom, há diferentes levantamentos históricos que apontam para as possíveis origens. Aquele com o qual tive contato e mais me pareceu relevante e profissional é o seguinte: Na França, durante a Revolução Francesa, a Assembleia Nacional se dividia em partidários do Rei de um lado, e apoiadores da revolução do outro. Não é coincidência que os revolucionários estavam à esquerda, e os monarcas à direita.

Desde então, o conceito ideológico de “esquerda” indica uma pessoa que tende a ser contra o status quo, uma pessoa que luta por mais direitos ao povo, uma pessoa que se coloca contra a opressão, uma pessoa que levanta bandeiras iguais ou semelhantes à da Revolução Francesa (Liberdade, Igualdade, Fraternidade).

Por que então definir alguém de esquerda como “socialista”, sendo que o termo tem origem mais antiga que a vida de Karl Marx?

Eu poderia aqui, inclusive, questionar os conhecimentos e preconceitos de quem considera algo “ruim” quando uma outra pessoa se diz admirador das teorias de Karl Marx. Inclusive, outro erro grotesco recorrente, é achar que o regime implantado por Stalin na Rússia, após a morte de Lenin em 1924, com o domínio militar dos arredores daquele país (URSS), ou o sistema vigente na Coréia do Norte, tem sincronia relevante com o trabalho intelectual feito por Marx. A complexidade teórica dos trabalhos de Marx, vai muito além do que qualquer sistema buscou implementar no mundo, e, em muitos aspectos, bem diferente. É o mesmo que criticar Adam Smith pelo fato dos EUA serem o país que mais geram guerras no mundo desde a segunda guerra mundial. Que culpa tem a teoria de Smith (capitalista)? Um simplismo lamentável, que enfraquece e deteriora o debate, gerando, ao invés de agregação de valor, um emburrecimento.

Mas mesmo assim, ser de esquerda, não é ser marxista, necessariamente. Até pode-se dizer, num geral, que ser marxista é ser de esquerda, mas não o contrário. Regra de conjuntos (lembram da matemática? A pertence a B, mas B não pertence a A.)

O conceito “esquerda”, inclusive, é um conceito mutável, variável, de acordo com a cultura, com o “tempo”, com o “espaço” em que se vive.

Por exemplo, há 50 anos no Brasil, eram de esquerda aqueles que lutavam pelos direitos dos mais pobres. Mas poucos de esquerda lutavam pelos direitos civis dos homossexuais. Há 150 anos no Brasil, dificilmente alguém de esquerda estaria lutando pelo fim da escravidão, pois a mentalidade da época, num geral, era atrasada para esse debate, a escravidão era algo completamente normal. Hoje em dia, até gente de direita, num geral, é contra a escravidão (apesar de bem criticarem os aumentos dos direitos trabalhistas e do salário mínimo de seus empregados).

Até mesmo num mesmo “tempo”, a aplicação do conceito “esquerda” pode variar dentro do “espaço”. Em Israel, poderíamos dizer que ativistas que lutam pelo fim do massacre contra a Palestina, e que protestam pelo respeito à vida dos muçulmanos palestinos, são pessoas de esquerda. Ou seja, em Israel, defender os direitos do muçulmanos, e se posicionar a favor dos mesmos, é ser de esquerda.
Já no Afeganistão, ser contra o Talibã, contra todo e qualquer tipo de radicalismo muçulmano, e se posicionar requerendo mais direitos aos católicos e adeptos de outras religiões naquele país, é ser de esquerda.
Portanto, defender muçulmanos pode ser uma ação de esquerda ou não, dependendo do espaço/cultura em questão.

Assim, se quisermos tentar generalizar algo, podemos dizer que ser de esquerda é: defender ideais e atitudes que visem diminuir as injustiças do mundo, que visem trazer direitos, liberdades e responsabilidades iguais a TODOS os seres humanos, independente de sua orientação sexual, cor de pele, religião, cultura, gênero, idade. É lutar por toda e qualquer minoria oprimida dentro de uma cultura naquele “espaço x tempo”. Ser de esquerda é não aceitar barbaridades, sendo elas uma vez identificadas. Ser de esquerda, é, antes de mais nada, sonhar com um mundo cada vez melhor para nós, e para os outros, entendendo limitações de perspectiva de “certo e errado” num determinado “espaço x tempo”.

Dentro destas perspectivas abordadas, penso naqueles que têm qualquer tipo de impressão ou sentimento ruim/negativo contra “pessoas de esquerda”. Há algumas explicações lógicas para esses sentimentos.

1)      Não concordar com as utopias que descrevi acima: Isso implicaria claramente na conclusão de que essa pessoa é desprovida de bondade e amor para com o próximo em seu coração. Portanto, se tem sentimentos ruins contra mim (ou alguém de esquerda), faz sentido, pois somos opostos no coração.

2)      Consideram ingênuos quem possui tais utopias: Bom, mesmo que fossemos ingênuos, seria ingenuidade motivo para dispensarmos más impressões e sentimentos ruins para com a pessoa? Seria, o fato de sonhar “ingenuamente” com um mundo melhor, um motivo para desgostar de alguém? Mesmo que na prática nossas ideologias fossem impraticáveis, não bastaria conhecer os sonhos e o bom coração de alguém para admirar-lhe, ou ao menos, respeitar-lhe?
E…. sabendo que há poucas verdades absolutas no mundo, e que estamos, num geral, buscando evoluir e aprendendo novas verdades, o que seria um erro mais grave: possuir boas e justas ideias, e, mesmo sabendo difícil, tentar buscar formas de aplicar-lhes na vida real; ou dar de ombros e simplesmente viver de acordo com a realidade existente, e aceitando o mal, inclusive, vivendo de parte dele para ganhar sua vida?

3)      Um desconhecimento completo do que o termo esquerda significa: se esse o caso, penso que lendo este meu texto, e possuindo um pinguinho de humildade, já seria suficiente para eliminar o ponto 3 de sua vida.

Mais explicações coerentes não consigo enxergar para explicar tais sentimentos.

Fico feliz por estar aumentando, diariamente, o número de pessoas pelas quais tenho carinho e sou retribuído, mundo a fora. E claro, lamento por aqueles que se foram, deliberadamente, de minha vida, ou aqueles que eu mesmo tive que retirar, por estarem presentes no ponto “1)” descrito acima, pois de pessoas perversas, realmente, eu busco me distanciar.

por Miguelito Formador

figura daqui