Archive for June, 2015

18jun2015---comitiva-formada-por-senadores-de-oposicao-no-brasil-foi-cercada-por-manifestantes-em-caracas-capital-da-venezuela-quando-estava-a-caminho-do-presidio-para-visitar-leopoldo-lopez-preso-por-1434669132064_300x300– E não é que deu certo mesmo essa viagem pra Venezuela, com avião da FAB? – pergunta o colega do DEM
– Eu te falei Senador. Era só colocar pressão e falar em “luta pela democracia” que a liberação viria bem rápido. Ironizou um dos tucanos a bordo
– Mas aposto que uma parte da mídia vai questionar o valor dessa nossa brincadeira! – profetizou o senador do PMDB

– Como está a nossa agenda? Teremos tempo para compras?
– Começaremos com fotos para a imprensa diretamente do aeroporto com esposas de presos políticos, de lá seguiremos para um presídio e fecharemos protocolando uma moção em nome do Brasil no Senado deles, pedindo a libertação dos políticos de oposição.
– Em nome do Brasil? Eles engoliram essa? Todos sabem que a Dilma, o PT e o restante da base aliada, contando também com parte do meu partido foram contra essa viagem e são contra esse tipo de intervenção em países independentes.
– Nós temos é que exercer nossa liderança regional, deixarmos de ser “bunda-moles” e ganhar uns pontinhos com os EUA!
– Acha mesmo que isso será notícia por lá?
– Receberemos certamente os parabéns do Obama e da Merkel. Acho até que devemos marcar a próxima “comitiva” para a Grécia. Austeridade é bom e eu gosto!

No aeroporto…
– Viu que fácil? Pousamos sem problemas. Ninguém nesse submundo barraria senadores do Brasil em visita oficial!
– Mas e se a população for contra nós?- Você não assiste o jornal, colega, não lê os jornais? A população daqui está acuada há anos; clama por um golpe de Estado que os liberte, precisa de uma intervenção americana e o mais breve possível! E isso sem o apoio da imprensa, que foi duramente caçada pelo governo, só no boca a boca. Ações e apoio populares invejáveis para a nossa direita brasileira.
– Sei não. Teve gente que divulgou que as eleições foram justas…

– Que beleza! As viúvas, digo, as esposas já estão nos aguardando. Vai ser bem rápido e poderemos talvez até nos encontrar com empresários ou banqueiros locais.
– Mas… aqui não é tudo estatal?
– Ah é…
– Os batedores também já estão aqui. Estamos blindados!

Já no ônibus
– Que absurdo de trânsito. Parece São Paulo! Vou atualizar meu twitter. Quem sabe o nome daqui?
– Caracas!
– Verdade… a capital da Venezuela é Caracas. Beleza. Deixa comigo!
– E esse movimento aí na frente, o que é?
– Parece uma manifestação. Deve ser de uma minoria, contratada pelo PT
– Eles estão armados? Tem enxadas ou foices? Morro de medo desses radicais.
– É bom olhar mesmo.
– Ai meu Deus, por que é que eu embarquei nessa loucura! E olha que eu faço parte da coalisão… Meu partido apoia o Governo
– Tarde demais, Senador.
– Tarde demais uma ova. Se cercarem o ônibus eu desço e declaro apoio incondicional ao governo deles, à esquerda brasileira. Conto o que é o meu partido e toda a história recente do PMDB
– Se eles te deixarem falar…

– Olha, estão se aproximando
– Motorista, desvia, déssssvia. – carregou no sotaque nordestino um dos tripulantes.
– Amigo, esta es la ruta principal hacia Caracas. No conosco a ninguna vía llamada Diez!
– Sabem quem somos! E estão batendo no veículo!
– Por que eu topei essa loucura, meu Deus, por quê?
– Calma que tudo se resolve. Vamos ligar pro Itamaraty!
– Eles têm bandeiras vermelhas.
– Liga pro Eduardo Cunha e pede pra ele chamar a imprensa!
– Mas a Globo está aqui no ônibus conosco, esqueceu?
– Só que o equipamento ficou no bagageiro. Vocês disseram que não havia perigo, que tudo estava sob controle. – esbravejou o repórter angustiado
– Filma com o celular. Se atirarem pedras é bom termos provas.
– Será que seremos presos?
– Ou linchados?
– Eu falei que o povo estava do lado do Maduro. São tontos. Iguais aos brasileiros. Ficam do lado de quem faz mal a eles. Povo burro!
– Calma. Vamos pedir para conversar com o líder deles e informar que estamos voltando. Esqueçamos a visita aos presos.
– Mas isso vai pegar muito mal. Viemos até aqui, em avião do governo, para voltar?
– A gente fala em boicote, faz carta pra ONU, reclamação oficial, exige retratação do governo daqui, força a presidente a falar com eles e obter um pedido formal de desculpas…
– Isso. Exagera no ocorrido, no nosso sofrimento, na missão de paz e “bota a boca no trombone” lá no Brasil.
– Se der certo, voltamos aqui na semana que vem e ainda seremos escoltados pelos Federais!
Eu não volto pra cá nem pra receber prêmio. Vocês estão é malucos.

por Celsão irônico

figura retirada daqui

P.S.: Este post não reflete a realidade, nem a nossa opinião. É uma obra de ficção com o intuito único de divertir (ou seja, não me processem!). Nós costumamos citar bastante a Venezuela em nossos posts; mas, para algo mais diretos sobre nossa opinião sobre a perseguição à Venezuela, clique aqui e aqui

P.S. 2: aqui uma opinião forte do Hugo Chávez sobre o Senado do Brasil

P.S. 3: copio abaixo (para finalizar) uma pesquisa divertida do site conversa afiada, sobre os reais objetivos do Senador Aécio Neves nessa excursão à Venezuela

O que Aécio foi fazer na Venezuela?

  • tentar vencer a eleição lá
  • se o Maduro sair, é ele que assume
  • procurar terreno para construir aeroporto
  • queria ir para o Rio, mas errou o voo
  • já que não deu no Brasil, vai tentar o impeachment lá

15155110E não é que depois dos rolezinhos com as “invasões” das classes baixas desejosas por aparecer em centros de compras da elite, como a rua Oscar Freire e o Shopping JK; e depois dos funkeiros “ostentação” e seus carrões, cordões e mídia, eis que surje mais um problema para a elite?

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad está revendo o zoneamento da cidade. E, com isso, bairros definidos na década de 70 como “estritamente residenciais” podem ganhar comércios, consultórios e até, pasmem, moradias populares!
“Meu Deus, como vamos fazer nossa caminhada, levar nosso Yorkshire Terrier para passear!” – dizem alguns.
“Estacionar minha Cayenne na padaria ao lado de um Chevette, de um carro mil! E se ele bater em mim? Vai querer me roubar! Nunca pensei que isto aconteceria aqui…” – provável frase de outro.

Não posso dizer que gosto de tudo o que foi feito até aqui pelo político.
A meta colocada (talvez a si mesmo) de 400km de faixas exclusivas para bicicletas (as ciclofaixas) criou bizarrices inimagináveis, como ciclofaixas interrompidas em pontos de ônibus e postes no meio das mesmas.
Sou a favor da priorização adotada em prol do transporte público e das bicicletas; mas é notório que não houve muito planejamento na escolha das vias e caminhos dos ciclistas.
Diferentemente do ocorrido com o zoneamento, já que várias chamadas públicas para discussão do Plano Diretor Municipal foram feitas, por exemplo, na TV. Nas subprefeituras, certamente o assunto zoneamento foi citado. E, se um minimercado é prioridade para os assalariados que trabalham para a elite, e não teriam tempo de comprar itens de necessidade ao chegarem duas horas depois em Guaianazes ou Interlagos, só seria visto com bons olhos pelos moradores se for um “Marché” ou “Pão de Açucar”;

Argumentar que aumentará a violência, ou trará drogas é pura piada de mau gosto.
Outros bairros nobres têm favelas na vizinhança e elas não são a razão da violência. Igualmente com as drogas: quem consome continuará consumindo, mas terá como provável vantagem o menor deslocamento até a “boca”.
O que a elite não deseja é ver os seus imóveis de vários milhões de reais, ou R$20mil o metro quadrado, da badalada Vila Leopoldina, desvalorizados com a construção de moradias populares.
E isso realmente acontecerá se os novos zoneamentos da cidade forem levados a cabo. A zona predominantemente residencial (ZPR) da Leopoldina passará a conter uma Zonas Especiais de Interesse Social (ou ZEIS).

Gostaria que a cidade convergisse para menores deslocamentos e maior qualidade de vida para a população. Se o zoneamento é a solução, ou se o é a tentativa de diminuição do número de veículos com as ciclofaixas, ou ainda a criação de parques e áreas públicas de lazer… não sei.
Mas… convenhamos no “cá entre nós”… as três medidas, são passos no caminho certo.

Sem querer tocar no tema do post anterior, mas já tocando. Nós paulistas, temos muito a evoluir socialmente. (post aqui)
Só não proponho, como o título propunha, a invasão de Alphaville (bairro “ilha” da elite paulistana), por ser de impossível locomoção com transporte público. Talvez este seja a única barreira que “salva” esta parcela elite da perigosa miscigenação de classes.
Se bem que para o MST, seria uma boa…

por
Celsão Irônico

figura e ideia do post retiradas daqui (valeu Caldo!)

P.S.: para quem quiser se informar mais, leia este post. A blogueira Raquel Rolnik, que o escreveu originalmente na Folha, explica o zoneamento. Aproveitando, aqui há um resumo sobre o assunto “Plano Diretor da cidade”, em posts excelentemente explicados pela Raquel em seu blog. 

P.S.2: outra notícia interessante da “revolta” da elite (aqui). 

P.S.3: Não menos importante, o plano diretor de São Paulo está disponível para download neste link.

bandeiraVocê mora em São Paulo?
Acha que estamos no melhor do Brasil, na nata da nata (ou crème dela crème, como diriam os mais “chic“), que temos os melhores restaurantes, melhores serviços, melhor vida noturna e, sobretudo, melhor “extrato” da população brasileira?

Eu não concordo!

Vivo em São Paulo desde que nasci e gosto da cidade (aqui uns podem dizer que sou estranho, pois gosto do Brasil); mas não acho que somos assim tão bons e tão moralmente inexpugnáveis ou perfeitos se comparados a outros brasileiros.
Motor do Brasil? Talvez. Mas as condições dado o ápice da exploração do café, conseguinte força política no cenário nacional e domínio regional (sobre Minas Gerais), trouxeram o dinheiro pra cá. Com ele vieram as indústrias, os bancos, os trabalhadores em busca de oportunidade…

O fato é que somos egoístas, hipócritas e críticos em demasia.
– Não damos lugar a aposentados e grávidas em coletivos. E mais, brigamos se alguém nos cobra isso. Existem inúmeros vídeos amadores com cenas lamentáveis;
– Somos os mais “espertos” no trânsito e também no transporte público: furamos fila, andamos na contramão, estacionamos em vagas demarcadas à prioridades;
– Moramos em ótimos empreendimentos, com opções ilimitadas de lazer; e temos os mais belos carrões, pela simples necessidade de “ostentar”;
– Criticamos com veemência se algum “desclassificado” tenta frequentar o mesmo espaço, mesmo este sendo público. Tal como parques e shoppings, para citar somente dois exemplos;
– Há preconceito aqui contra negros, mulheres, nordestinos, gays, pobres… Mesmo com massivas campanhas na mídia e movimentos e leis contra todos estes preconceitos;
– O carioca é folgado, o mineiro é caipira, inculto, o baiano é preguiçoso, aliás, todos os nordestinos são baianos (o que mais há por lá?), o sul também é uma “mega-região” que tem praias, mulheres bonitas e vinhos. Rótulos…
Mas, se alguém perguntar sobre o nosso rótulo… seremos trabalhadores, esforçados, perfeccionistas, incansáveis.

O que vejo é que poderíamos:
– Tornar o transporte público, melhor ainda, a vida mais humana. Quem teve a oportunidade de dirigir por cidades como Brasília, Blumenau ou Florianópolis, passou pela experiência de ser chamado de “Paulista!” ao cruzar uma faixa de pedestres sem frear para que os pedestres atravessassem. Nestas e em outras cidades brasileiras, é comum termos faixas sem semáforo, onde o motorista dá a preferência para o pedestre (por incrível que possa parecer);
– Passar a conhecer nossos vizinhos, colegas de trabalho e pessoas “invisíveis” do entorno. Não quero aqui pregar a bondade eterna, mas quem sabe o nome da faxineira da empresa ou do prédio? A mesma que passa pela sua mesa todo dia?
– Entender que uma pessoa que te serviu sem um sorriso ou derrubou seu café pode estar com problemas em casa, ou pode ter enfrentado um dia difícil. Como você, ela é humana! E também entender que as frases: “por que trabalha com público se está com essa cara?” e “foi ela que escolheu esse emprego”, podem não servir;
– Aceitar o trânsito, ou buscar alternativas para minimizar seus efeitos sobre nós, como música, tarefas próximas ao trabalho que modem o deslocamento para um horário alternativo, como aulas de Inglês, academia, prática de esportes. No trânsito, lembrar da maxima do “dia ruim” da outra pessoa;
– E, principalmente, reconhecer que somos imperfeitos, que muito do que foi listado é verdade, que o Carioca e o Baiano têm o mar e preferem, corretamente, balancear a vida privada com o trabalho, não se cobrar tanto. Enxergar que, atualmente, boa parte da “nova” indústria automotiva se instalou no Nordeste e Centro-Oeste. Ou seja, lá também haverá mão-de-obra especializada, lá também serão tomadas decisões, lá também há (e haverá mais) desenvolvimento.

Talvez o título seja exagerado, principalmente por comparar São Paulo e sua sociedade à pequenas cidades, de vida pacata e certo “atraso” cultural. Muitas delas seriam a meu ver, perfeitas para se viver.
Obviamente faço um mea culpa, por errar incontáveis vezes e “seguir a cartilha” que pichei.
E, sem dúvida, muitos outros cidadãos de outras cidades brasileiras (grandes e pequenas) ver-se-ão representados como “paulistas”. Não é um problema de onde se nasce, mas sim da maneira de encarar a vida.

por Celsão irônico

figura – montagem com base em figuras daqui e daqui

P.S.: esse post surgiu de uma agradável e construtiva conversa de bar
P.S.2: A Folha publicou uma pesquisa sobre o assunto: São Paulo x resto do Brasil. Para quem quiser ler sobre uma análise não-convencional feita no site Tijolaço (aqui)