Archive for July, 2015

Reem_refugiada_PalestinaNa semana passada, um vídeo onde a chanceler alemã, Angela Merkel, dá uma resposta a uma menina, refugiada da Palestina, em um programa de debate com diversos jovens e adolescentes, ficou famoso no mundo inteiro.
clique AQUI

Eu escrevi sobre isso, algumas horas depois do ocorrido, em meu Facebook. Horas mais tarde, o fato já era notícia na maioria dos meios de comunicação do Brasil e do mundo.

A menina, de 13 anos, refugiada palestina na Alemanha, já carregando no rosto um ar de maturidade, mas com um brilho puro nos olhos, cheia de esperança e fé exteriorizadas na expressão facial cativante, diz, em alemão fluente, que sonha com um futuro menos amargo para sua vida, que quer frequentar a universidade e completa dizendo que é muito duro ver tantas pessoas “curtindo” a vida, e não poder curtir junto.

Angela Merkel, num estilo bem estereotipado do alemão, desprovida de sentimentos e de forma incrivelmente racional e direta diz: você é muito simpática, e nós queremos ajudar, mas a Alemanha não suporta milhares de refugiados palestinos e da África. Alguns terão que voltar!

A reação da garota?
Começa a chorar…

O choro dela, não é pela resposta dura. Não é por ela ter sido contrariada. Não é nada disso. O choro dela é por ver todos seus sonhos de futuro desmoronando. Chora por ver as únicas utopias que lhe fazem ainda ter algum tipo de fé na vida, sendo-lhe roubadas. Chora por ser confrontada com o fato de que o mundo dos adultos é muito mais severo e cruel que o mundo das crianças. Chora, por pensar no seu passado, de onde veio, no seu povo, e pensar na ideia de ter, tanto ela quanto outros, que voltar para o inferno de onde saíram.

Refugiada_Angela_01A Sra. Merkel ainda faz um carinho “bem doce” na menina. E diz: sua pergunta foi muito boa, não precisa chorar. WHAAAAT??????

Ainda bem que o moderador no fundo diz: Ela não está chorando por isso, mas pela resposta dura que recebeu e pelo confronto com a realidade.

No que Merkel responde: eu sei disso, mas mesmo assim eu quero fazer um carinho nela.

O que eu penso?
É claro que nem Alemanha, nem França, nem Brasil, nem EUA suportam dezenas de milhares de imigrantes e refugiados chegando em um pequeno intervalo de tempo. Nenhuma economia, nem território, nem infraestrutura, nem sistema de saúde e de educação, sustentam isso. É claro que é preciso ser racional e realista, e tentar delimitar até que ponto o país sustenta abrigar refugiados sem começar a entrar ele mesmo em um caos.

Mas, porém, contudo, todavia, há um caminho muito mais honesto, justo, ético e eficiente. É o caminho do prevenir, para não precisar remediar.

Um bom começo seria se esses países desenvolvidos, como Alemanha, Inglaterra, França, EUA, reparassem danos causados a países mais pobres e em desenvolvimento, devido a cartéis e pagamento de propina a empresários e políticos, feitos por suas grandes empresas e estimulados pelos seus Governos. Tais práticas fizeram/fazem parte de um conjunto de estratégias de desenvolvimento econômico em muitos países desenvolvidos, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, e que foi fortemente utilizada até um passado recente, mas ainda é recorrente nos dias de hoje. Essas ações causam rombos nos cofres públicos de países já pobres, e geram mais dinheiro para a economia de países já ricos.

Outro bom começo seria tentar reduzir a política de venda de armas para países em guerra. A Alemanha está entre os 5 maiores exportadores de armas do mundo, numa lista que é liderada por EUA em 1°, Rússia em 2°, seguidos por Alemanha, França, Inglaterra e China, que se alteram, ano a ano, entre a 3° e a 6° posições. Os maiores mercados de armas da Alemanha são África e Ásia, Sra Merkel! Continentes de onde veem a maior parte dos refugiados na Alemanha. Que coincidência, não? (Clique AQUI e AQUI para ler mais)
Além disso, dados oficiais apontam que cerca de 2/3 das exportações de armas da Alemanha vão para países fora da OTAN, muitas vezes governados por ditadores em regimes bárbaros, como Argélia, Catar e Arábia Saudita. (Leia mais AQUI)

Resumindo, o que ocorre é o seguinte: para a indústria bélica, não é interessante que as guerras acabem. Assim sendo, estas empresas criam estratégias para que a guerra continue, patrocinando políticas e ideologias, muitas vezes através das mídias e igrejas locais, que gerem mais desavenças e mais ódio, e que evitem movimentos e soluções que visem a paz.

Os Governos destes países ricos, que abrigam as empresas armamentistas, ajudam-nas, ou no mínimo, fazem vista grossa, afinal, quanto mais essas empresas lucrarem, mais impostos o Governo arrecada, mais dinheiro nos cofres do país, ajudando a garantir a boa qualidade de vida.

Enquanto isso, os povos de lá (dos países em guerra), desesperados, fogem e tentam se refugiar em países com a tal “boa qualidade de vida”. Mas estes países, que adquiriram parte desta qualidade de vida com a venda de armas, dizem: nós não podemos lhes abrigar, voltem para a guerra e para seus campos de refugiados.

Que amarga ironia, esta tal de ação e reação, não!?!

por Miguelito Formador

eduardo_cunha_em_house_of_cards_2Imagine um reino.
Imagine que nesse reino houvesse um conselho e que o chefe do tal conselho fosse popular, inteligente e apoiado por boa parte de seus colegas.
Agora imaginemos que o rei tenha perdido o apoio dos seus súditos, por diferentes motivos; dentre eles falta de apoio do seu próprio conselho para aprovar leis necessárias e urgentes.
A crise no reino aumenta pois o chefe do conselho contratou bobos da corte para espalhar mentiras e supervalorizar problemas existentes; minando ainda mais qualquer tratativa do rei perante seu povo, vassalos e conselheiros.
Com a situação difamatória supostamente sob controle, o conselheiro chefe passa ele próprio a criticar o monarca e a defender investigações mais duras aos problemas conhecidos, sugerindo também outros possíveis problemas a investigar.

Criemos também um cenário onde o chefe do conselho faça conchavos e aprove tudo o que quer; e, caso não consiga, possa desavergonhadamente, repetir a votação até que o resultado lhe agrade. Sem importar com o que pensam súditos e vassalos.
Com as inevitáveis críticas começando a criar corpo, o conselheiro chefe decide conversar com toda a população, uma vez que tem poder pra isso. Na mensagem, exalta os seus feitos maquiando-os; diz, por exemplo, que tem ajudado o rei nas reformas necessárias, cita que a independência do conselho corre perigo e chama pra si a responsabilidade de trabalhar duro para o bem dos súditos.

Ampliemos agora o universo deste reino inserindo um juri, que foi constituido e designado para apurar denúncias contra o rei e seus vassalos.
O juri cumpre bem o seu papel, investigando e acusando poderosos partidários, mas também opositores do rei. Há apoio de todos, até dos bobos da corte.
Daí surge o inesperado na trama: o juri descobre irregularidades do chefe do conselho e o acusa de receber posses e castelos ilegalmente.
De modo repentino o líder do juri é descredenciado, as testemunhas difamadas e o defensor delas ameaçado de morte. “Que absurdo! Alegar sem provas e num juri formado pelo conselho que o próprio chefe é um bandido!” – bradam os apoiadores. “Eu exijo uma retratação do juri, pois um chefe de conselho deveria ser tratado de uma forma real!” – conclama o pretenso ditador.
___________________________________________________________________________________________

1429885700charge-eduardo-cunha-capaVivemos a história todos os dias.
E infelizmente os conflitos políticos e picuinhas do Legislativo remam contra as urgências atuais da Nação.

O que Cunha vem fazendo parece ter saído de um roteiro de filme.
Independente dos casos de corrupção a investigar, das CPIs a abrir, é importante que os processos sejam concluídos lícita- e transparentemente.
Que venha uma nova investigação após a conclusão da primeira. E, caso não reste nenhum representante para defender o interesse popular, que novas eleições sejam convocadas, sem os candidatos cassados ou impugnados.
Intervir através de “pau mandado”, buscando alterar o curso de um trabalho sério feito por órgãos (ainda) sérios é um inegável absurdo. E não foi somente contra o doleiro delator, que agiu um deputado peemedebista nos últimos dias; o mesmo deputado chamou para depor a advogada de outros réus delatores… para fazê-la revelar segredos da profissão garantidos por lei? Falar sobre conteúdos que não podem ser revelados? Ou somente para desviar o foco da sequência das investigações? (leia notícias aqui e aqui)
Exigir retratação do juiz do caso ou acusar uma testemunha de mentir é leviandade. Não há poder no Legislativo para julgar; para isso existe o Judiciário. E sendo no STJ ou não, todas as denúncias são passíveis de esclarecimento.

O pronunciamento não foi uma preocupação pelo coletivo. Foi propaganda de quem quer ser primeiro ministro. De quem planeja se aproveitar do período de crise e incertezas para sobrepujar os demais ocupantes de uma casa que tem a mais conservadora bancada dos últimos anos.

Não adianta dizer que o Congresso tem trabalhado e produzido “muito mais” se a produtividade não reflete na sociedade.
De nada adiantou, na minha visão, discutir e aprovar a reforma política, se o financiamento de empresas segue possível. Todo o financiamento direcionado de empreiteiras (pra citar um exemplo) continuará ocorrendo.
E, pior ainda, de que vale colocar em pauta um assunto se o mesmo seguirá em “votação contínua” até que o resultado desejado apareça? (post nosso aqui)
Seria mais fácil (e mais barato para o país), nomear o Sr. Eduardo Cunha “Legislador Oficial do Estado” e pronto!

por Celsão revoltado

figuras retiradas daqui e daqui.
quem quiser assistir o pronunciamento do deputado Eduardo Cunha – aqui com texto ou aqui no youtube.

recorrer-multaNessa semana, entrou em vigor uma das medidas mais impopulares do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad.
Pra quem não viu, nunca esteve em São Paulo ou não teve o “azar” de trafegar nas vias marginais num dia de trânsito intenso, as velocidades limites, que antes eram 90 e 70km/h, passaram a ser 70, 60 e até 50km/h, dependendo do trecho.

Porém, nem o mais crente, alienado ou inocente motorista paulista acredita nos argumentos de redução de acidentes, aumento de segurança ou tendência mundial. A razão direta e de difícil contestação é o aumento de arrecadação em forma de multas, numa “indústria” que fatura cada vez mais.
Desconheço os dados concretos, mas usando o bom senso, posso supor que o “investimento” em radares e novas sinalizações necessárias para as mudanças supera em muitas vezes o valor aplicado em asfalto, reparos diversos e educação no trânsito.
Retomando e repelindo os argumentos dos especialistas do governo municipal, é sabido que a grande maioria dos acidentes indicados (cerca de 70 mortes no último ano) foi de ambulantes, que se aproveitam do tráfego lento para vender alimentos, carregadores de celulares e outras bugigangas.
O outro fator, segurança nas vias, aumentaria proporcionalmente com a redução da circulação de motos e pedestres. As motos já são proibidas de circular na pista expressa desde 2010 e os pedestres, quase sempre vendedores e moradores de rua, não deveriam fazer parte do ambiente.
Falando finalmente em tendência mundial, comparar a metrópole com cidades menores, com boa distribuição urbana e transporte público eficiente é insensatez, no mínimo!

Acredito que o governo, nas suas três esferas, não conheça ou finja não conhecer, algumas leis básicas de economia, como a curva de Laffer.
Curva-de-Laffer-Brasil-300x175Esse economista e alguns outros, como Keynes, argumentaram sobre os limites factíveis de valores arrecadados com impostos e taxas. A esquerda da curva, com carga de impostos próxima a zero, o total arrecadado é injusto para o governo, que deve prover diversos serviços públicos; quanto mais nos aproximamos da direita da curva, passando pelo máximo da parábola, voltamos a observar arrecadação ínfima, pois depois do ponto de máximo da curva, a sonegação aumenta. Empresários avaliam mais detalhadamente os riscos antes de contratar empregados e serviços, por exemplo; depois do ponto de máximo, mesmo aumentando a carga tributária, não há aumento de arrecadação.
Um governo perfeito, acha esse ponto máximo e convence os cidadãos a “aplicarem” seus impostos nos serviços públicos prestados a eles e aos demais moradores daquela região ou país.
O gráfico acima (disponível aqui) mostra a curva do ano de 2014 no Brasil.

Acredito que no Brasil já passamos deste ponto máximo de arrecadação (uma vez que os últimos recordes são observados quando o governo desonera setores e contribuintes), não sobra outra alternativa para arrecadar mais para saúde, transporte, educação, moradias populares que… “roubar”!
E “roubar” nesse caso é buscar outras formas de “tomar” o dinheiro do contribuinte. Que modo seria mais “corretamente perfeito” que aplicar multas indiscriminadamente; não para educar, nem para punir, mas para aumentar o volume dos cofres públicos. (nem entrarei no mérito da corrupção nesse post)

Voltando ao nosso Haddad e ao nosso martírio de caminhar a 70km/h numa via expressa em que 100km/h seriam cabíveis, o que mais dizer?
Talvez ele queira incluir ciclovias em toda a extensão das marginais… talvez sugira o emplacamento das bicicletas após as mesmas se popularizarem… no fim talvez tivéssemos também IPVA para elas.

por Celsão Irônico

figura inicial retirada daqui

P.S.: a tal “indústria da multa” de São Paulo, em 2008, já multava um motorista a cada seis segundos (aqui)

Eduardo_Cunha_Votacao_MaioridadeRecentemente, pela primeira vez de forma tão escancarada na história do Congresso, houve duas votações consecutivas para um mesmo projeto.
Uma “democracia autocrata”, pelo visto.

Num dia, a redução da maioridade penal é rejeitada. No outro, o presidente da câmara resolve, por livre e espontâneo autoritarismo, mexer num detalhezinho do projeto e colocá-lo em votação de novo. Se perdesse, provavelmente teria outra votação no dia seguinte, e assim consecutivamente, até que fosse aprovado.
Essa manobra foi criticado por quase todos os órgãos e entidades da justiça, incluindo OAB, AMB, e ministros “conservadores” do STF, como Joaquim Barbosa e Marco Aurélio Mello.

Nestas 24 horas, certamente, rolou um suborninho ali, outro aqui, dinheiro fácil na mão de um e de outro (corrupção), trocas de promessas, e coisa e tal, para fazer com que alguns deputados, em 24 horas, mudassem de opinião. Outro fator que contribuiu para a mudança repentina dos votos de alguns deputados foi a pressão, as ofensas e ameaças que sofreram vindas de seus eleitores, que se indignaram ao saber que o “deputado deles” votou contra a redução da maioridade penal, fazendo com que eles mudassem o voto no dia seguinte. (Mencionamos este episódio em outro post nosso AQUI)

Mas, você conservador e/ou mal informado que não conhece os dados da violência no Brasil (sobre a violência no Brasil, clique AQUI), muito menos se importa com a posição da ONU, UNICEF, OAB, AMB, Anistia Internacional, STF, e tantos outros órgãos sobre o assunto, tá dando a mínima para a corrupção nessas horas, pois o seu objetivo maior está mais perto de ser real: colocar o moleque na cadeia junto com os doutores do crime, para sofrer! O seu gosto por vingança está milhares de vezes acima na escala de prioridade, que o seu repúdio por corrupção. (Para entender melhor alguns dados e fatos sobre maioridade penal no Brasil e no mundo, leia nosso post AQUI)

Tomei conhecimento de uma votação feita numa TV de Ubá, perguntando se os ouvintes eram a favor da redução. Dos 64 votantes, TODOS eles disseram SIM. Ou seja, estão felizes com a vitória de Eduardo Cunha e devem até alimentar simpatia por ele, o homem que manda atualmente no Brasil.

Aí tem gente que se espanta com o Congresso. Se dizem espantados com tanta corrupção, e dizem hipocritamente que o problema não é com o PT, mas a corrupção num geral, sei… Se espantam em como um homem, envolvido em 11 de cada 10 grandes esquemas de corrupção, um fanático religioso, intolerante, que luta contra toda e qualquer causa progressista, só propõe projetos a favor de empresas e ricos e contra os pobres, gays, negros, mulheres, e minorias num geral; chega a ser Presidente da Câmara.

Não se espantem, pessoal. Eduardo Cunha, e os outros mais de 300 deputados conservadores e esdrúxulos que sentam na Câmara, foram sim, eleitos POR VOCÊS! Os mesmos que votam SIM em enquetes sobre a redução da maioridade penal. Os mesmos que votam NÃO em enquetes sobre o casamento igualitário/homoafetivo. Votam SIM pelo legalização do porte de armas. Votam NÃO para enviar nota de repúdio aos EUA devido à espionagem. Votam NÃO ao decidir se os recursos do pré-sal devem ir integralmente para a educação.

E parem de brandar por “eles não me representam”. Sim, eles representam sim, e estão sincronizados com mais da metade da população brasileira. Vocês votaram neles, pois eles representam suas ideias, seus anseios, seu egoísmo. A diferença destes deputados, e seus eleitores, é que os deputados têm o poder de influenciarem e “fod..” nossas vidas.

Em paralelo a isso, na surdina, o Senado votou reajuste dos salários de servidores do judiciário, no valor médio de 59,5% o que representará um impacto de 25,7 bilhões de reais em nossa economia. Sabem quem foi contra o reajuste, mas acabou perdendo? O PT….. As notícias dizem (vitória do Senado representa derrota para o Governo!). Para o Governo??? Ou para os cofres públicos e para o povo pobre e oprimido?
(obs.: não que eu seja explicitamente contra o aumento salarial dos servidores do judiciário. Mas o Governo está cortando gastos para reestruturar a economia, desemprego aumentando em consequência disso, salários congelados e uma série de outros efeitos colaterais. Daí, neste momento de “limpeza”, aprova-se aumento de R$ 26 bilhões nos gastos públicos, com aumento salarial para gente que já ganha, num geral, mais de 7 mil reais, incluindo aí juízes que já ganham salários altíssimos?)

Mas eu sei, já já vocês estão nas ruas de novo, pedindo o impeachment da Dilma e fora PT.

* Sobre a dupla votação da redução da maioridade penal, AQUI
* OAB diz que Cunha rasgou a Constituição. AQUI
* Veja como votou cada Deputado. AQUI

* Conheça os deputados que mudaram seus votos. AQUI
* Sobre o reajuste salarial do judiciário, aprovado pelo Senado, clique AQUI

por Miguelito Nervoltado

figura daqui

Guerra_as_DrogasA violência no Brasil anda assustando a população brasileira, assim como os turistas.
O problema da violência transcende Governos, e vem assolando nosso país desde a ditadura militar, e ano após ano numa escalada progressiva.
(clique AQUI e leia nosso artigo onde refletimos sobre a relação entre “real aumento da violência” X “nossas sensações de insegurança, influenciadas pela mídia”).

Mas o que gera a violência?
Podemos apontar vários fatores: Pobreza, desigualdade social, sistema educacional degenerado, uma mídia que incentiva sentimentos como ódio, desejos e inveja; fatores culturais (há culturas mais pacíficas, outras mais agressivas), etc.
E claro, a presença e força do tráfico de drogas nesta sociedade. E é neste ponto que quero me detalhar.

No Brasil, todos sabemos, temos um enorme problema com drogas. Temos muitos viciados, e o tráfico é fortíssimo. Traficantes mandam em bairros e comunidades inteiras. O combate ao tráfico parece ter se intensificado nos últimos anos, como exemplo, temos as ações policiais com a ajuda do exército no Rio de Janeiro, fazendo uma “limpeza” em algumas comunidades.
Ajudou? Bom, não parece. O número de usuários de crack aumenta a cada dia, traficantes do Rio saíram “corridos” de lá e migraram para outras cidades, onde então o problema das drogas piorou, e no Rio, outros assumiram seus lugares.

Mas afinal, é eficiente combater o traficante? Como fazer isso? O traficante está lá, isolado no morro, sem amigos, sem influência? Ou será que ele, muitas vezes, possui forte rede de contatos e influência, incluindo grandes empresários, policiais, políticos e até juízes?
Penso que, em muitos casos, a segunda opção seja a mais realista.
Então, como o poder público vai lutar contra o tráfico, se o tráfico está entrelaçado com instituições públicas e privadas?

Michael Levine, que foi durante 25 anos agente da DEA (Agência de combate às drogas dos EUA), revela em seus livros, que a CIA tem conexões diretas com o tráfico na Colômbia, México, Bolívia. Há aí uma história de troca de favores e benefícios mútuos entre CIA e as drogas na América Latina, que já atravessa várias décadas.

Michael Levine, hoje com 75 anos, vem publicando documentos oficiais sigilosos, vídeos gravados por ele em reuniões secretas, e livros há cerca de 20 anos. Podemos compará-lo a Snowden, porém do submundo das drogas.
Os livros mais famosos de Levine são: “Deep Cover” e “The Big White Lie” (com tradução em português: A grande mentira branca).

Levine diz que a guerra contra as drogas é ineficiente, pois, para diversas instituições e empresas poderosas, é desinteressante que o tráfico acabe. Ele e outros estudiosos apontam para outra variável óbvia: o tráfico é lucrativo, portanto, combater aquilo que dá dinheiro fácil, é desperdício de energia. Você prende ou mata um traficante, tem uma fila de outros 100 esperando para assumir seu lugar.

Afinal, como então combater as drogas?
Levine e intelectuais apontam possibilidades. Primeiramente, não se deve focar no traficante, mas sim no usuário. O traficante só existe, pois tem mercado, ou seja, há quem compre. Se for possível trabalhar a sociedade para que haja menos necessidade de consumo de drogas, o traficante perde a força, o tráfico perde o sentido.
Mas como causar essa mudança na sociedade?

Bom, primeiro temos que nos livrar de pensamentos preconceituosos, ortodoxos, ultrapassados, nos livrar da hipocrisia de discursos dogmáticos e conservadores, para podermos aceitar possíveis realidades e soluções.

Li um artigo de Johann Hari, autor do livro “Chasing the scream: the first and last days of the war on drugs”, que poderíamos traduzir como “perseguindo o grito: o primeiro e último dias da guerra contra as drogas”, que viaja pelo mundo fazendo uma série de entrevistas, tanto com cidadãos comuns, como com representantes de ONGs contra as drogas, comunidades que enfrentam tais problemas, e também com governos que revelaram suas experiências.

Johann traça algumas reflexões e estudos sobre o vício. Seus estudos apontam que, o vício químico existe, mas é fator pequeno frente ao vício psicológico. Ele mostra estudos feitos tanto com ratos, quanto com seres humanos, que apontam uma tendência clara de que, em condições de vida saudáveis, felizes, com lazer, com as necessidades básicas vitais satisfeitas, tanto seres humanos, quanto ratos tendem automaticamente a não precisar mais de drogas e a preferir a sobriedade.

Johann menciona Portugal, que tinha um problema gravíssimo com Heroína até o ano 2000, cerca de 1% da população estava viciada. O Governo português tentou por vários os anos a guerra contra as drogas, sem sucesso. Então resolveram inovar. Descriminalizaram as drogas e fizeram um rigoroso programa público de educação, conscientização e recuperação dos drogados. O resultado: 50% de redução do consumo de heroína em poucos anos.

Algo parecido acontece no Uruguai, onde o ex-presidente, Pepe Mujica, descriminalizou a maconha fazem 2 anos. Estatísticas já comecem a apontar resultados positivos naquele país.
Ao ser confrontado em entrevista, com a pergunta “mas o senhor tem certeza que dará certo?”, Mujica respondeu: “Lógico que não tenho certeza. Mas eu tenho certeza que o que tentamos antes nunca deu certo, por isso, é preciso tentar algo novo. Se não der certo, mudamos para outra tentativa. O que não se pode é ficar parado repetindo erros!”.
Parece simples não? Mas não é! Afinal o conservadorismo e o medo do novo nos impedem de sermos inovadores, de aceitarmos mudanças, de revermos nossos valores. Aí, ações racionais e promissoras, são hostilizados pela sociedade.

Há outros países com legislações mais flexíveis e que buscam caminhos progressistas para o combate às drogas, como Alemanha, Holanda, Suécia, Noruega, entre tantos outros.

Por isso vemos que há uma conexão clara entre as drogas e as faltas de oportunidade de viver uma vida saudável e feliz. Ou seja, numa sociedade deteriorada, às margens da pobreza, desigualdade social, preconceitos, racismo, violência, mídia do medo, políticos do descaso, é evidente que há um espaço enorme para o crescimento do consumo de drogas.

Qual seria a solução?
Observando os trabalhos de Levine, Johann, e tantos outros vastos trabalhos existentes mundo a fora, e observando as experiências bem sucedidas de alguns governos, podemos chegar a conclusões que apontam para possíveis boas soluções:

  • Parar de focar no tráfico, no combate da violência com violência. Passar a focar na sociedade e na melhoria da vida dos usuários.
  • Gerar condições de vida que reduzam a necessidade da entrada das drogas na vida das pessoas: erradicação da pobreza, diminuição radical da desigualdade social, melhorar o sistema de saúde, investir em arte e cultura.
  • Melhorar a qualidade da educação em todos os sentidos, e claro, com informação crítica e que conscientize sobre o tráfico de drogas e sobre os danos do uso das mesmas.
  • Descriminalizar ao menos drogas leves, para que o Governo, a Justiça e órgãos públicos, tenham maior controle do consumo da droga e possam ter maior acesso aos usuários, para assim realizarem trabalhos e tratamentos com os mesmos.
    De tabela, enfraquece-se o tráfico, diminuindo a arrecadação destes.

Muito do exposto acima é burocrático, exige mudanças na Constituição Federal, e enfrentará resistência conservadora.
Mas há como iniciar ações rápidas e locais, independentes do Governo Federal. Levine menciona seu livro Fight Back, onde ele aponta ações da própria sociedade e das comunidades para reduzir os problemas com o tráfico.

Ajudar ONGs já existentes, e apoiar o surgimento de novas. Realizar constantemente audiências públicas, com participação da Justiça, promotoria, polícias civil e militar, ONGs, prefeitura, autoridades da saúde e da educação, e representantes de comunidades; e debater possibilidade de melhoria do saneamento básico, da limpeza pública, de ampliar a geração de emprego e aumento salarial, possibilitar a criação de mais áreas e possibilidades de lazer, mais eventos culturais e artísticos, um acompanhamento médico e psicológico, de perto, dos jovens, e tudo mais que lhes traga mais interesse pela vida e perspectivas de felicidade e futuro.


* Para ler entrevista com Michael Levine, com links para seus vídeos e documentos, clique AQUI
* Para ler o artigo de Johann Hari, clique AQUI

por Miguelito Formador

figura daqui

Minha amiga e nossa leitora, Jéssica Pereira, escreveu um texto brilhante. Apesar de muito crítico, o texto consegue ser suave e capaz de nos tocar no cerne dos sentimentos: a alma.

Reproduzimos então o texto aqui na íntegra:

por Miguelito Filosófico

figura daqui


por Jéssica Pereira

Meritocracia_CriancaVocê nasceu, cresceu, seus pais trabalharam, você estudou, e hoje tem um emprego.

Espero que este emprego lhe pague mais que um salário mínimo, talvez três, ou quatro, e que além de pagar o aluguel, você possa pagar um jantar pra sua namorada.

Espero que sua namorada tenha um emprego.
E que vocês juntos decidam se casar.

Espero que vocês se casem. E com o suor que cai em vossos rostos, consigam se livrar do aluguel.

Espero que ao comprar uma casa, vocês tenham filhos. E que juntando os salários que você e sua esposa ganham, vocês sejam capazes de incluir seus filhos no plano de saúde. O inverno chegou e as crianças ficam doentes com mais facilidade. E nós sabemos que o SUS não presta.

Espero que seus filhos cresçam com saúde e entrem na escola. Mas que seus salários sejam suficientes para pagar uma escola e dar educação de qualidade, porque o ensino público não presta.

Espero que seu filho se forme e ingresse na universidade. Mas numa universidade privada, porque o ensino básico público não presta e não sei o que lhe faz pensar que a faculdade pública é diferente.

Espero que seu filho deixe a vaga da faculdade pública pra mim, porque meu pai é pedreiro no interior, e ganharia só um salário se não me deixasse sozinha o dia inteiro pra colocar comida na mesa da nossa casa. Eu sou uma criança e não posso trabalhar, é crime.

Espero encontrar alguém que me dê amor em qualquer esquina, porque discurso de ódio eu escuto sair da televisão. Tô crescendo “abandonada”. Meus pais me deixam sozinha, porque precisam me sustentar. Mas sou criança, e choro quando vejo mães com seus filhos de mãos dadas, enquanto a minha corta o cabelo da madame do bairro nobre.

Passei o inverno com pneumonia, o ensino da minha escola é ruim, e o meio que vivo não colabora. Eu sou pobre.

Enxugaram meus recursos básicos e vão torcer pra que eu não mate o teu filho. Na verdade, vão torcer pra que eu mate. É pra isso que alguém vai na mídia e te convence que prisão é a solução. Você tem grana pra pagar por saúde e por educação pro seu filho, o meu pai não. É pra isso que ele trabalha, porque ele sabe que eu, criança, tenho um futuro pela frente. O meu pai acredita em mim.

Lhe fazem – de mim – sentir medo, enquanto lhe arrancam todo dinheiro.

Mas espero que seu filho tenha um emprego, e que este emprego lhe pague mais que um salário mínimo, talvez três, ou quatro, e que além de pagar o aluguel, ele possa pagar um jantar pra namorada.

* Jéssica possui um blog filosófico-poético, que também não deixa de ter seu conteúdo intimista e crítico. Para interessados, segue o link AQUI

Hitler_maioria_FascismoOs episódios recentes de racismo, machismo, fascismo, ignorância, falta de educação, ausência completa de bom senso e respeito ao próximo, elevam meu grau de preocupação com o futuro do Brasil. Há uma grande parcela da sociedade brasileira que está doente, mentalmente doente. Histeria, ódio, irracionalidade, causados pela doença da estupidez.
(Quem quiser ler mais sobre a burrice e estupidez como doença, segue um artigo da filosofa Márcia Tiburi: AQUI)

O ódio que a mídia e líderes radicais de direita geram, e que muitos ajudam a disseminar (isso pode incluir você, então reflita) mesmo que de forma modesta e branda, é um trem desgovernado: depois que embalar, não é mais possível parar.

Se o pior acontecer, e este ódio se institucionalizar de vez em forma de Governo (já começou, com Cunha na presidência do Legislativo e com um Congresso extremamente conservador e repleto de radicais de direita), não chorem suas mágoas depois.

Aquele que diz ser contra o ódio, mas está sincronizado ideologicamente com quase tudo aquilo que os fascistas também defendem (contra bolsa família, contra mais médicos, querem o PT fora, acham que Dilma quebrou o país, contra cotas, a favor da redução da maioridade, contra aproximações com Cuba e Venezuela, se calam quando o Congresso mantem as doações privadas a campanhas eleitorais ou fazem uma mesma votação duas vezes em 24 horas para inverter um resultado do dia anterior, etc), é cúmplice da alavancada da insanidade.
A você, um lembrete: você não será poupado por estes fascistas quando eles tiverem o Poder ilimitado. Afinal, fascistas não irão reconhecer que você defende algumas das mesmas causas que ele; pelo contrário, ele irá somente reconhecer que você não defende algumas de suas causas, e então, irá te perseguir.

Quem também faz vista grossa, não se manifesta, tenta se manter numa falsa, e/ou hipócrita, e/ou covarde neutralidade (em cima do muro), não deve se enganar, pois também não será digno de misericórdia.
Além disso, é sempre bom lembrar: o silêncio dos bons deixa com que a voz dos maus prevaleça e cresça. Portanto, você, com pinta de neutro, é conivente e cúmplice, infelizmente.

Aos fatos:

  1. Adesivos de montagem pornográfica com a Presidente Dilma sendo distribuídos para serem colados nos tanques de gasolina dos carros. Nem vou me aprofundar neste assunto, nem vou descrever detalhes do adesivo (pois todo mundo o viu, o que dispensa minha narração), pois é tão, mas tão baixo, que sinto vergonha de falar sobre isso. Quem chegou a colá-lo no carro, precisa ser internado numa clínica psiquiátrica, pois está sofrendo de sérios problemas mentais, e não é só burrice não. E não estou falando isso para ofender, ou para mostrar meu desprezo (apesar de merecido), estou falando sério, a pessoa tem sérios problemas e precisa de tratamento.
  2. Maju Coutinho, jornalista da Globo responsável pela previsão do tempo no Jornal Nacional, recebeu diversos ataques racistas e machistas na internet. Entre os comentários, estavam os seguintes: “só conseguiu emprego no JN por causa das cotas, preta macaca” e “não tenho TV colorida para ficar olhando essa preta, não”, além da palavra “vagabunda”, diversas vezes. Ao que parece, a maioria dos perfis que fizeram os ataques, são perfis falsos/fakes, o que para mim, não muda em nada o ocorrido, pois a única diferença entre um perfil fake e um verdadeiro, é que o fake representa alguém covarde, incapaz de se mostrar e expor o que pensa. Para ler mais sobre os ataques, clique AQUI
  3. Deputados do DEM, PR, PSDB, que decidiram ser contra a posição de seus partidos e votaram “contra” a redução da maioridade penal, sentiram por algumas horas, pela primeira vez em suas vidas, a insanidade do ódio. Até então blindados de tais agressões, provavelmente por pertencerem a partidos conservadores, receberam em seus twiters e Facebooks uma série de ataques maliciosos, machistas e sexistas (para as deputadas mulheres), ofensas, ameaças, e tudo mais. Esses deputados se disseram horrorizados, e manifestaram entender melhor agora o que sofrem políticos progressistas.Mara Gabrilli (PSDB-SP), Clarissa Garotinho (PR-RJ) e Professora Dorinha (DEM-TO) foram algumas das vítimas, escreveu o deputado Jean Wyllys. Segundo ele, as três se referiram às injúrias sexistas e às acusações de que eram “comunistas” e “vendidas ao PT”.
    Entre os que sofreram os ataques, muitos mudaram seus votos 24 horas depois (como foi o caso do deputado Celso Maldaner do PMDB, clique AQUI). A maioria nega a relação entre os ataques e a mudança do voto. Mas cá entre nós, o medo físico, e/ou o medo de perder eleitorado, certamente influenciaram a mudança de muitos deles. Também o ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa, longe de ser um progressista de esquerda, se posicionou contra a redução, e sofreu a ira dos fascistas, muitas vezes acompanhada de ataques racistas.
  4. Durante a comitiva da presidente Dilma nos EUA, uma repórter da Globo fez uma pergunta maliciosa, como de costume, para ser respondida por Dilma: “Senhora presidente, como lidar com a contradição de que o Brasil se vê como uma potência global, mas os EUA veem o Brasil somente como uma potência regional?”
    Obama, que percebeu a maldade da pergunta, se antecipou e disse: “Com licença, mas na parte que toca aos EUA eu preciso responder. Os EUA não veem o Brasil como uma potência regional, mas sim global. Eu poderia dar vários exemplos, mas vou lembrar somente que o Brasil é um dos países mais importantes e respeitados entre os G20, e além disso, o combate às mudanças climáticas e a diminuição da destruição do meio ambiente, só é possível tendo o Brasil como nosso líder.”
  5. E por fim, e talvez o melhor exemplo de como esse ódio fascista é completamente insano, doente e irracional. Durante a mesma visita da presidente Dilma a Obama, um jovem brasileiro, fã de Jair Bolsonaro, se infiltrou na comitiva de Dilma, e filmando começou a gritar e xingar a presidente. Vejam a notícia da Folha, onde também é possível acessar o tal vídeo (AQUI). Entre as ofensas, estavam as palavras: ladra, terrorista, assassina, comunista de merda e vagabunda.

 

por Miguelito Nervoltado

figura retirada do facebook, compartilhada por diversos perfis

Colorido_conquista_homossexuaisMuitos de vocês leitores não sabem, mas eu e Celsão temos um acordo democrático: antes da publicação de qualquer artigo nosso, o outro tem que ler, tecer comentários, críticas, e depois aprovar (ou não) para que o outro possa postar. É uma das regras que criamos para melhorar a qualidade de nossos escritos, e evitar que nem um, nem o outro, num deslize, corra o risco de publicar algo que esteja contra os valores e a base ética do outro.

Pois bem, Celsão postou anteontem, no dia 01.07.2015, um artigo sobre os coloridos do facebook em homenagem à conquista dos homossexuais nos EUA (para acessar o post, clique AQUI). Como de costume, li o texto antes de sua publicação, e repliquei ao Celsão por e-mail, fazendo críticas construtivas, e mostrando meus receios quanto ao post. Concordamos então que ele publicaria o texto, e que eu deveria usar o e-mail que lhe enviei para fazer um “post resposta”.

Assim sendo, segue abaixo o e-mail enviado ao Celsão.


Mano, bom dia.

Estamos diante de um assunto complexo, pois está dividido de forma que, de um lado encontram-se posições profundamente progressistas e humanistas, e do outro, a futilidade da sociedade modista e escrava do senso comum.

Os modistas, muitos deles racistas e homofóbicos na prática, colorem suas fotos por ser moda, ou por terem amigos gays que eles gostariam que vissem seu apoio: hipócrita.

Os progressistas e humanistas, em sua maioria colorem suas fotos por verem o país mais poderoso do mundo, de tendência conservadora, extremamente religioso e ortodoxo, e que exerce demasiada influência cultural e ideológica sobre o povo brasileiro, dando um passo democrático e de justiça.

Ora, mas para esses, por que é mais importante os EUA darem um passo, que o Uruguai?
Pois simplesmente é!
Uma coisa é o que idealizamos como mundo ideal, outra coisa é o mundo que existe.

O professor Lopes, meu amigo e meu oráculo, queria um mundo sem igrejas. Assim, ele assume posturas críticas ao Papa e a qualquer membro representante de qualquer igreja, independente do que aconteça. Isso se deve à manipulação ideológica e intelectual que as igrejas exerceram e exercem sobre os povos durante toda a história da humanidade, e por serem elas as maiores responsáveis por guerras e holocaustos no mundo. 
Eu, aprendiz dele, tento passar-lhe meu raciocínio, que, atualmente, pensar em extinguir igrejas é uma utopia impraticável. Por isso, assumindo que o Papa VAI existir, então, melhor que seja um que teça palavras menos radicais e preconceituosas sobre homossexuais, melhor que seja um que ataque o capitalismo e o sistema financeiro, que critique o acúmulo de renda sem controle, e que diga que o problema da pobreza pode ser resolvido entre os homens, e não precise de Deus para tapar o buraco dos pobres.
Ele diz achar meu raciocínio interessante.

Analogamente, se é para haver uma nação imperialista, que domina militar- cultural- e economicamente o mundo, então que essa nação dê cada vez mais exemplos de evolução democrática, nem que seja internamente.

Imagine quantas centenas de milhares, ou milhões de pessoas não foram beneficiadas com esse passo do Governo Americano?!?! Pegando o exemplo onde você, e tantos críticos mencionam o fato de no Brasil já termos desde 2013 o casamento homoafetivo legalizado pelo judiciário, eu preciso te lembrar da simbologia: uma coisa é o pouco conhecido e pouco popular STF se adiantar ao Governo (Legislativo e Executivo) e bater o martelo provisoriamente. Outra coisa é o Presidente da República se pronunciar em nome de toda nação, oficializando uma conquista tanto legalmente quanto ideologicamente. Há aí um abismo, e esse abismo é a distância que existe entre um procedimento burocrático legal e um reconhecimento legal que venha acompanhado de toda a simbologia, coragem e visibilidade que o assunto merece. A simbologia, neste caso, é tão importante quanto a própria conquista, pois somente elas juntas podem levantar a bandeira da conquista. 

Penso que a conquista dos gays americanos deve ser comemorada sim. Tanto por eles, quanto por todos nós. Até porque, mesmo na superpotência há minorias (principalmente lá?), e vitórias como estas devem sempre ser comemoradas.

O seu post é bacana, mas meu medo é o mesmo medo de quase sempre: quem ler, entenderá a crítica seletiva e profunda, ou lerá de forma conservadora e reacionária? Afinal, a maioria das declarações contrárias e críticas à comemoração deste episódio, vieram de reacionários, fascistas, direitistas, e gente que tentou desqualificar essa comemoração, normalmente dizendo que haviam causas mais importantes esperando por nossa comoção, como a fome no mundo (lógico, as pessoas que usaram esses argumentos são classe média ou elite, eleitores de Aécio, e contrários ao Bolsa Família, assim como qualquer programa e ação governamental que visem distribuir renda e trazer dignidade ao povo carente).

Por isso, tenho medo de tais posts. Mas, não acho seu post extremo, nem reacionário. Acho inteligente, e a crítica, se lida da maneira correta, é muito válida. A crítica ao imperialismo e ao quanto algo que acontece nos EUA nos comove, mostrando que somos terreiro destes e precisamos sempre de seu “alvará”, também é super válida e certeira.

Mas….. o meu medo, como de costume, é dos olhos dos leitores, e se estão preparados para “lerem com os olhos certos”, e te entenderem.


por Miguelito Formador

post rarounDeu vontade de manter somente a publicação do colega Raroun como post aqui; tal a sua simplicidade em dar o recado, seu poder de síntese.

Concordamos com a extensão dos direitos civis à comunidade LGBT e com a união legalizada de pessoas do mesmo sexo; Afinal, são pessoas que pagam seus impostos e têm os mesmos deveres de todo cidadão; nada mais justo disfrutar dos mesmos direitos.

Só me espantei, verdadeiramente, com a indisfarçável sincronia entre a aprovação do casamento na terra do Tio Sam (ou “Terra Santa” para os mais alienados) e as cores no Facebook.
Legal. Vamos mostrar que estamos de acordo com o casamento gay, com os direitos civis, que somos contra essa (e outras) discriminações! Nós mesmos colorimos a nossa foto!
Mas… precisava ser após os EUA? Muitos países Europeus possui legislações deste tipo há anos! E a nossa vizinha Argentina garantiu a igualdade de direitos civis a casais do mesmo sexo em 2010 (aqui). E, mesmo nós, tupiniquins e atrasados juridicamente, já extendemos (ao menos) esse direito, já “libertamos” esse grito há algum tempo (achei aqui notícia da aprovação pelo STF no longíncuo 2011)

Essas “ondas” de imitação americana é que me preocupam e entristecem.
Daria para seguir o modelo de desenvolvimento da Coréia, baseado na educação.
Daria para copiar a política de exploração de riquezas naturais do Chile, que privatizou parte da extração, mas guarda uma porcentagem em reservas por saber que as minas de cobre não são eternas.
Daria para se basear no modelo de pequenos financiamentos da Índia, para incentivar pequenos empresários e proprietários de terras, incentivando a agricultura familiar e a pequena propriedade rural.
Daria para buscar no mundo outras referências, menos imperialistas, centralizadoras, nações menos armamentistas e menos racistas (e os Estados Unidos o são, mesmo tendo um presidente negro); nossa referência deveria ser um país mais igualitário!

Sem mais demagogias e delongas, espero de todos os que colorem as fotos não o faça simplesmente por “estar na moda”. Que pratiquem de verdade o exercício da tolerância.

por Celsão correto.

figura retirada do Facebook