A menina e a chanceler

Posted: July 30, 2015 in Outros, Política, Sociedade
Tags: , , , , ,

Reem_refugiada_PalestinaNa semana passada, um vídeo onde a chanceler alemã, Angela Merkel, dá uma resposta a uma menina, refugiada da Palestina, em um programa de debate com diversos jovens e adolescentes, ficou famoso no mundo inteiro.
clique AQUI

Eu escrevi sobre isso, algumas horas depois do ocorrido, em meu Facebook. Horas mais tarde, o fato já era notícia na maioria dos meios de comunicação do Brasil e do mundo.

A menina, de 13 anos, refugiada palestina na Alemanha, já carregando no rosto um ar de maturidade, mas com um brilho puro nos olhos, cheia de esperança e fé exteriorizadas na expressão facial cativante, diz, em alemão fluente, que sonha com um futuro menos amargo para sua vida, que quer frequentar a universidade e completa dizendo que é muito duro ver tantas pessoas “curtindo” a vida, e não poder curtir junto.

Angela Merkel, num estilo bem estereotipado do alemão, desprovida de sentimentos e de forma incrivelmente racional e direta diz: você é muito simpática, e nós queremos ajudar, mas a Alemanha não suporta milhares de refugiados palestinos e da África. Alguns terão que voltar!

A reação da garota?
Começa a chorar…

O choro dela, não é pela resposta dura. Não é por ela ter sido contrariada. Não é nada disso. O choro dela é por ver todos seus sonhos de futuro desmoronando. Chora por ver as únicas utopias que lhe fazem ainda ter algum tipo de fé na vida, sendo-lhe roubadas. Chora por ser confrontada com o fato de que o mundo dos adultos é muito mais severo e cruel que o mundo das crianças. Chora, por pensar no seu passado, de onde veio, no seu povo, e pensar na ideia de ter, tanto ela quanto outros, que voltar para o inferno de onde saíram.

Refugiada_Angela_01A Sra. Merkel ainda faz um carinho “bem doce” na menina. E diz: sua pergunta foi muito boa, não precisa chorar. WHAAAAT??????

Ainda bem que o moderador no fundo diz: Ela não está chorando por isso, mas pela resposta dura que recebeu e pelo confronto com a realidade.

No que Merkel responde: eu sei disso, mas mesmo assim eu quero fazer um carinho nela.

O que eu penso?
É claro que nem Alemanha, nem França, nem Brasil, nem EUA suportam dezenas de milhares de imigrantes e refugiados chegando em um pequeno intervalo de tempo. Nenhuma economia, nem território, nem infraestrutura, nem sistema de saúde e de educação, sustentam isso. É claro que é preciso ser racional e realista, e tentar delimitar até que ponto o país sustenta abrigar refugiados sem começar a entrar ele mesmo em um caos.

Mas, porém, contudo, todavia, há um caminho muito mais honesto, justo, ético e eficiente. É o caminho do prevenir, para não precisar remediar.

Um bom começo seria se esses países desenvolvidos, como Alemanha, Inglaterra, França, EUA, reparassem danos causados a países mais pobres e em desenvolvimento, devido a cartéis e pagamento de propina a empresários e políticos, feitos por suas grandes empresas e estimulados pelos seus Governos. Tais práticas fizeram/fazem parte de um conjunto de estratégias de desenvolvimento econômico em muitos países desenvolvidos, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, e que foi fortemente utilizada até um passado recente, mas ainda é recorrente nos dias de hoje. Essas ações causam rombos nos cofres públicos de países já pobres, e geram mais dinheiro para a economia de países já ricos.

Outro bom começo seria tentar reduzir a política de venda de armas para países em guerra. A Alemanha está entre os 5 maiores exportadores de armas do mundo, numa lista que é liderada por EUA em 1°, Rússia em 2°, seguidos por Alemanha, França, Inglaterra e China, que se alteram, ano a ano, entre a 3° e a 6° posições. Os maiores mercados de armas da Alemanha são África e Ásia, Sra Merkel! Continentes de onde veem a maior parte dos refugiados na Alemanha. Que coincidência, não? (Clique AQUI e AQUI para ler mais)
Além disso, dados oficiais apontam que cerca de 2/3 das exportações de armas da Alemanha vão para países fora da OTAN, muitas vezes governados por ditadores em regimes bárbaros, como Argélia, Catar e Arábia Saudita. (Leia mais AQUI)

Resumindo, o que ocorre é o seguinte: para a indústria bélica, não é interessante que as guerras acabem. Assim sendo, estas empresas criam estratégias para que a guerra continue, patrocinando políticas e ideologias, muitas vezes através das mídias e igrejas locais, que gerem mais desavenças e mais ódio, e que evitem movimentos e soluções que visem a paz.

Os Governos destes países ricos, que abrigam as empresas armamentistas, ajudam-nas, ou no mínimo, fazem vista grossa, afinal, quanto mais essas empresas lucrarem, mais impostos o Governo arrecada, mais dinheiro nos cofres do país, ajudando a garantir a boa qualidade de vida.

Enquanto isso, os povos de lá (dos países em guerra), desesperados, fogem e tentam se refugiar em países com a tal “boa qualidade de vida”. Mas estes países, que adquiriram parte desta qualidade de vida com a venda de armas, dizem: nós não podemos lhes abrigar, voltem para a guerra e para seus campos de refugiados.

Que amarga ironia, esta tal de ação e reação, não!?!

por Miguelito Formador

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s