Um socialista no âmago do capitalismo

Posted: August 21, 2015 in Comportamento, Sociedade
Tags: , , , , ,

DanPrice_2Surreal? Acho que não. Eu utilizaria a palavra inusitado.

Desde Abril deste ano, sociólogos, economistas e o empresariado americano discutem a “loucura” feita por Dan Price, fundador e CEO de uma empresa de processamento de compras com cartão de crédito.
Baseado em uma pesquisa sobre felicidade, o empresário decidiu aumentar e igualar os salários de todos os 120 funcionários de sua empresa em 70 mil dólares anuais.
O que daria aproximadamente 18.600 reais mensais, no câmbio de hoje, é mais que o triplo do salário mínimo da terra do Tio Sam ou “terra da prosperidade”; que paga 1600 dólares por mês para seus assalariados (pouco mais que R$5500).

O plano parte da premissa de que ele próprio reduzirá o seu salário a este patamar e que funcionários felizes produzirão mais. Mas obviamente, não agradou a todos: alguns dos funcionários mais experientes (e, provavelmente, com salários mais próximos do valor estabelecido) pediram demissão.

Três pontos a discutir aqui.

O primeiro é a desigualdade. Os Estados Unidos são conhecidos mundialmente pela disparidade entre os salários de funcionários iniciantes e diretores ou CEOs. O valor chega a 300 vezes e não é sequer tomado como normal pela maioria dos que estão no topo.
Não há necessidade de haverem pagamentos tão diferentes entre colegas de empresa ou entre funcionarios e seus chefes diretos. Isso seguramente causa mais problemas de relacionamento e cooperação no trabalho que traz beneces a empresa e ao ambiente capitalista competitivo.
A desigualdade pode haver mesmo sem existir miséria ou pobreza extrema!

O segundo é a imperfeição do modelo capitalista (e do próprio ser humano).
Por mais que a ideia seja original, criativa e bem-intencionada. O Sr. Price tem, a meu ver, uma bomba-relógio nas mãos; já que a empresa está no âmago do capitalismo, e considerando que o ser humano está longe da perfeição.
Para os empregados, o que trouxe alegria para muitos gerará revolta futura, quando um empregado se comparar ao colega “preguiçoso” que ganha o mesmo que ele. E concluirá que “não é justo”.
Ao mesmo tempo, na lógica capitalista, um salário alto permite altos gastos. E haverão certamente viagens, carros e jóias comprados sem planejamento, gerando dívidas e insatisfação. A insatisfação “ligará” a necessidade de ganhar mais, ou ativará a comparação com o colega de trabalho…

O terceiro é a meritocracia. Aquilo que nós, elite brasileira juramos que existe para encobrir nossos privilégios.
O Capitalismo tem na meritocracia a “arte de se enganar”. É nela que explica os porquês: o porquê você não recebeu aquela promoção, o porquê o seu carro é mais novo e potente que o do vizinho, o porquê as férias foram no Caribe.
Mas isso não existe. Sobretudo no capitalismo.
Conseguem imaginar um filho de lixeiro virar diretor de empresa? (“Ok! Lógico que é possível”) E um filho de diretor de empresa, nascido no mesmo dia, tornar-se lixeiro?
A ausência de evolução com mérito próprio no capitalismo faz com que as cenas acima sejam quase impossíveis. (assumo que a primeira é possível naqueles 0,0001%). A desigualdade é carregada de uma geração para as próximas, pois as condições iniciais de competição (capitalista) são diferentíssimas. Um filho de diretor, mesmo sendo um boçal, terá estudado em bons colégios e frequentado bons ‘círculos sociais”, terá um salário aceitável e terá acesso aos mesmos bens e às mesmas férias no Caribe. Um filho de lixeiro poderá fazer universidade, se lutar pra isso. E só!
(como leitura, indico um conto nosso – aqui)

De positivo, e essa medida tem muitos aspectos positivos, o CEO “socialista americano” conseguiu que muitos colegas e compatriotas ponderassem sobre a atual crise mundial, também presente em seu país, e o reaquecimento do mercado. De modo unânime, os capitalistas “de essência”, previram que a economia sofreria muito menos se os salários por lá fossem menos desiguais! Ou seja, se o modelo fosse o socialista…

por Celsão Correto

P.S.: texto “original” do New York Times aqui. E duas discussões: uma apontando as repercussões aqui e o que ele deveria ter feito antes aqui. (perdão, todas as três notícias acima estão em Inglês)

P.S.2: Um escritor/blogueiro que admiro e esreveu brilhantemente sobre meritocracia (ou a ausência de), Alex Castro, infelizmente não tem mais os textos de seu blog disponíveis na rede. Para ler um trecho de seu pensamento sobre o tema, clique aqui. O texto faz parte de uma análise mais profunda – aqui

figura: montagem com figura retirada daqui

Comments
  1. Robin says:

    Falta coerência no texto. O autor começa criticando a desigualdade social, depois critica o sr.Price que é um “capitalista” trazendo exatamente a igualdade salarial junto aos funcionários e termina o texto vangloriando o socialismo por trazer maiores “igualdades”. Difícil entender.
    Outro erro sério é dizer que o socialismo traz a igualdade salarial.
    O socialismo se define pela coerção do Estado no controle de todos os meios. Não tem nada a ver com a distribuição igualitária dos salários. Pergunta pra algum cubano ou venezuelano o que ele acha dessa “distribuição igualitária” dos salários.

    Like

    • oespblog says:

      Caro Robin,

      Tampouco entendi o que você não entendeu 🙂
      Não há crítica ao “capitalista” Price. Só ao sistema, que causa essas desigualdades.

      Se você for a Cuba ou a Venezuela e conversar com as pessoas esclarecidas (coisa incrível por estarem num país socialista), verá que seguramente há o desejo por “mais”, por ser inerente ao ser humano; mas sabem que “do outro lado” há maior desigualdade e sequer as necessidades básicas são supridas pelos salários “capitalistas”.
      Estar abaixo da linha da pobreza em Cuba é melhor que estar na mesma condição no Brasil ou Estados Unidos, acredite em mim!

      Sobre coerção do Estado. Tirando o neo-liberalismo, que assumo não conhecer aplicação atual prática, no seu sistema “perfeito” o Estado também intervém, quer seja regulando os juros, emprestando dinheiro para empresas privadas, incentivando exportações, incentivando segmentos específicos… O capitalismo ideal é tão utópico quanto o socialismo, anarquismo ou comunismo.

      Aliás, acho curioso o fato de comentar nossos posts, criticando sempre o viés esquerdista que temos. Somos mesmo de esquerda!

      Sorte e paz.

      Celso

      Like

  2. Robin says:

    kkkk…. mas quem disse q eu defendo o capitalismo? Eu so critico essas falta de corência no texto de voces.

    Quantos países “socialistas” temos hoje? A china já está mudando de lado a muito tempo e Cuba recentemente teve a embaixada americana aberta.

    Sabe quanto ganha um médico em Cuba? 26 dólares…. por dia? NÃO!! POR MÊS!!!
    e voce vem me dizer é preferível viver lá do que no Brasil? kkkkkkkkkkkkkk…..

    É…..daqui a pouco não vai sobrar exemplos pra voces nos darem de países ditos “socialistas”….

    a propósito… vai passar suas férias lá em cuba… leva teu laptop pra acessar a internet… só te lembro que internet lá é raríssimo e a maioria da população só tem acesso a alguns poucos sites….. mas voce deve saber disso ne? rsss

    Like

    • oespblog says:

      Estimado Robin,

      Já passei férias em Cuba. Escrevo com propriedade.
      E não escrevi que VIVER em Cuba é melhor que no Brasil, mas SER POBRE em Cuba é melhor. Está claro no texto.

      Encerro por aqui a discussão. Se quiser, continuamos no boteco.

      Celso

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s