Atentados em Paris: ação e reação

Posted: November 22, 2015 in Outros, Política
Tags: , , , , , , ,

Síria_FrançaA Roda Viva da história vai girando, causando perplexidade e assombro nos incautos. Para quem conhece – só um pouquinho – a história do Oriente Médio, o cenário atual, o mais complexo das últimas décadas, não causa assim tanta estranheza, ainda que grupos como o ISIS verdadeiramente nos assustem.

Ora, a região vem sofrendo com as intervenções políticas e militares desde o colapso do Império Otomano. Num breve resumo, assistimos:

– O 1º ministro Mossadegh foi derrubado do Irã, em 1954, por nacionalizar a indústria do petróleo. Sua queda deu poderes ilimitados ao monarca Reza Pahlavi, que erigiu um regime corrupto, anti-nacional e tirânico. Em 1979 ele foi deposto por Khomeini, que liderou a revolução Islâmica
– Nasser, presidente Egípcio e pai do Pan-Arabismo, também sofreu sabotagens das potências ocidentais. Viu o canal de suez ser invadido em 1956 por Franceses, Ingleses e Israelenses quando decidiu nacionalizar o canal. Se seguiu um bloqueio político e econômico que o forçou a buscar assistência técnica com os Soviéticos. Após a derrota em 67, na guerra dos 6 dias, viu seu poder minguar até que a morte o encontrou, em 70. Foi substituído por Sadat, militar de carreira, que levou a cabo a guerra de 73 contra Israel. Foi assassinado em 81 após, em tese, ter obtido um acordo com os Israelenses em 78. Seu assassinato possibilitou a subida de Mubarak, um dos mais corruptos líderes políticos da região, que mergulhou o Egito no caos e na pobreza. O Egito se tornou peça chave da geopolítica ocidental na região. A pobreza possibilitou o fomento de grupos fundamentalistas, que arrebanhavam jovens cansados da pobreza e da falta de perspectivas. A irmandade muçulmana venceu as eleições de 2012, após a queda de Mubarak, mas foi destronada poucos meses depois por um golpe militar.
– O Baathismo Sírio e Iraquiano, secularista, nacionalista e de tendências socialistas, inspirado na revolução modernizadora Turca, levada a cabo por Ataturk, manteve durante décadas as pressões internas de grupos distintos, em busca de unidade e lealdade ao poder central. Os Americanos destruíram o Iraque, levando-o para uma guerra sem sentido com Irã (1980-1988), e, falido pelos empréstimos contraídos durante a década passada (insuflado pelos americanos e sauditas), comete o erro de invadir o Kwait em 1993. O estado Iraquiano virtualmente acaba com a invasão americana de 2004.
– E temos assistido, no presente atual, o flagelo Sírio.

Ou seja, o ocidente minou e sabotou as experiências nacionalistas e seculares na região e fomentou (direta ou indiretamente) o surgimento de grupos fundamentalistas (como o ISIS) que arregimentam jovens cansados da pobreza e desacreditados da política.

Veja o caso Palestino. Arafat, filho político de Nasser, foi, durante sua vida, quase uma obsessão da política externa Israelense, que o tratava como terrorista. E quando este cria a gênese do estado palestino, chamado de “autoridade”, Israel torna o seu governo algo virtualmente impossível. Com a queda da OLP, surge o movimento do Hamas, religioso e fundamentalista. O Fatah, herdeiro da OLP e laico na sua essência, continua recebendo ataques israelenses.

Além disso, a Arábia Saudita, cuja família real governa o país com mão de ferro, violando várias leis internacionais de direitos humanos, é a virtual financiadora desses grupos radicais, além de inimiga de primeira ordem do Irã, Xiita e Persa. Aliás, a Arábia Saudita se converteu no GRANDE ALIADO do ocidente na Região.

Falem o que quiserem do Irã, mas ele sempre se portou com um agente geopolítico previsível, constituindo uma teocracia complexa e contraditória, mas previsível, e até certo ponto, responsável. Mesmo seu apoio ao Hezbollah é compressível, considerando que o Irã vive quase um cerco geopolítico e militar desde a revolução islâmica, em 79.

O Ocidente praticamente LEVOU O ORIENTE MÉDIO para o estágio atual de violência e caos, terreno fértil para o fanatismo religioso que despreza o diferente, resultado da frustração e do ódio de décadas e décadas de atrasos, interferências e interrupções dos processos históricos nacionais.

O ISIS é a resposta caótica e violenta da história.

Uma hora a conta chegaria. Chegou.


Este texto é de autoria de Rene Guedes, e foi publicado originalmente em seu facebook.

Clique AQUI para assistir um excelente vídeo sobre a história do Oriente Médio. E AQUI para entender quem, como e porque financiam os grupos rebeldes da Síria. O primeiro vídeo tem somente 10 minutos, e o segundo 14 minutos. Ambos cabem muito bem como complemento e como forma de ilustração ao texto de Rene.
Figura retirada do primeiro vídeo indicado acima.

por Miguelito Formador

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s