Dentro ou fora, PMDB?

Posted: April 4, 2016 in Política
Tags: , , , , , ,

hhPor que o PMDB decidiu abandonar a coalisão com o governo?
Esta pode ser a pergunta que muitos se fizeram na semana passada. E a ela responderam com aquelas acusações já alardeadas por toda a mídia brasileira: por conta da corrupção, das investigações da Lava Jato, pedaladas, impeachment…

A pergunta que faço é outra:
Por que o PMDB ainda não abandonou o governo?
E dela seguem várias outras:
Por que não devolveu os seis ministérios que detém? Por que não deixou a vice-presidência? Por que segue na presidência das casas do Legislativo? Por que continuam “negociando” simultaneamente com partidos do governo e da oposição?

Diz-se que a política é a arte de convencer a outros, a arte de manipular o poder.
E, infelizmente, na minha opinião, o PMDB é o partido mais político dentre os partidos políticos: sempre está no poder, “compondo” a base ou “dando forças” para o governo. Não importa o lado, a ideologia partidária ou outras alianças.

Tanto que, no mês passado, recomeçou o seu “jogo” de busca pelo poder assim que se achou em risco já que compunha (e ainda compõe) o governo do PT; para quem não viu, líderes do PMDB se encontraram com lideranças do PSDB, franco opositor ao atual governo federal, em reunião ocorrida apenas horas após um encontro com o ex-presidente Lula (aqui e aqui notícias relacionando os dois encontros).
Me enoja isso. Não o jogo político, que faz parte de um regime presidencialista baseado em três poderes; mas a hipocrisia, a falta de posicionamento e caráter do partido e de seus líderes. Eduardo Cunha e Renan Calheiros, citando dois dos proeminentes peemedebistas, flertam com o PSDB simplesmente para permanecer no poder!
Michel Temer, o vice-presidente, finge-se de morto esperando que o cargo-mor do Poder Executivo Brasileiro caia em seu colo. Não aparece nem para apoiar o governo em meio a crise política, nem para criticá-lo, opondo-se a ele.

Depois das reuniões e de saber que estaria “coberto”, que teria a nova “consorte” PSDB ao deixar a esposa PT, o PMDB ainda fez joguinho em sua convenção nacional; esperando decerto a reação da imprensa e da opinião pública. E… já que a maioria está mesmo na onda da crucificação… decidiu em ato simbólico e repleto de cobertura midiática deixar o governo, abandoná-lo, romper, desembarcar!
Mas… que raio de rompimento é esse em que não se deixa a casa da ex-esposa? Continua-se a usar o mesmo banheiro, a mesma cozinha, o mesmo barco! Não se desembarca mantendo-se no barco!

Sinto que estamos em maus lençóis.
Qualquer ser sensato já percebeu que o PMDB não tem cara e não é opção política viável.
Para ilustrar, destaco uma declaração do ministro do STF, Luis Roberto Barroso, que sem saber que estava sendo gravado, disparou um “Meu Deusdo do céu! Essa é a nossa alternative de poder.” (aqui)

Bem…
Eu diria que as cenas dos próximos capítulos serão de causar arrepios. Os hipócritas do PMDB (também qualificáveis como urubus) seguirão no poder, oscilando entre os dois lados, como numa balança.
O processo de cassação do Eduardo Cunha será postergado indefinidamente. O do Renan sequer será lembrado.
E, se acaso houver o impeachment, todo o “clamor popular” contra a corrupção será devidamente abafado pelos que já estão no controle de CPIs e Comissões de Ética. Teremos uma enorme pizza para dividir, e ainda um novo político, ex-juiz, concorrendo ao cargo de deputado federal por Curitiba.

Mas, sendo sincero, espero estar errado!

por Celsão revoltado

P.S.: figura retirada daqui

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s