Madiba 100 anos

Posted: July 19, 2018 in Outros, Sociedade
Tags: , , , , , , ,

“Que as nossas escolhas reflitam nossa esperança, não nosso medo!”

A frase acima é de Nelson “Madiba” Mandela, que se estivesse vivo, teria completado 100 anos ontem.
O líder sul-africano, falecido há cinco anos e afastado da vida pública há mais de dez, ainda é citado como exemplo de tolerância, cidadania, resiliência, relevamento e abnegação em prol de um bem maior.
São tantos os adjetivos cabíveis à pessoa, que me sinto “incomodado” cada vez que me arrisco escrever sobre ele.

Por exemplo, escrevemos na ocasião de sua morte (aqui – é, o blog já existia em 2013!) e também nos espantamos com o que ele “aprontou” no hino da Africa do Sul (aqui).

À ocasião das celebrações dos 100 anos, achei a trilha sonora do filme “Mandela: O Caminho para a Liberdade” ou “Long Walk to Freedom” em seu título original e a compartilho. Aqui o link do Google e aqui para os que usam Spotify.
Uma música da trilha me chamou a atenção ontem: Ordinary Love do U2.

Todos sabem que o U2 é um grupo engajado em temas humanísticos. Fez concertos em prol da libertação de Madiba, os fez após a libertação, compartilhavam as mesmas preocupações com o povo pobre sul africano e com outros temas, como direitos humanos e racismo.
A canção Ordinary Love foi feita especialmente para o filme.  A história conta que o grupo recebeu algumas cartas escritas por Madiba a Winnie (sua esposa) e as transformou em poesia…

I can’t fight you anymore
It’s you I’m fighting for

Eu não posso mais lutar contra você
É por você que eu luto

Em minha tradução livre e interpretação mais livre ainda do verso, não haviam mais forças para lutar contra os brancos, contra a Africa do Sul encontrada por Mandela no momento em que saiu da prisão.
É também por eles (brancos, Nação) que Mandela lutava.
O bem maior de Nação unificada e livre de preconceitos, almejado por Madiba, o fez perdoar os algozes e agressores.

We can’t fall any further
If we can’t feel ordinary love
And we cannot reach any higher
If we can’t deal with ordinary love

Não podemos nos apaixonar mais
Se não pudermos sentir um amor comum
A não podemos chegar mais longe
Se não pudermos lidar com um amor comum

Dispa-se da raiva e dos preceitos que você carrega. Não há como ir além, superar-se como indivíduo, como sociedade, como país, quando sequer um amor simples pode ser sentido, ou quando há dificuldades de aceitar esse amor.

Are we tough enough
For ordinary love?

Somos fortes o suficiente
Para um amor simples?

Conseguiríamos deixar um pouco o EU e buscar o NÓS?

Que tenhamos esse desprendimento, que consigamos seguir os ensinamentos de Madiba, que busquemos e cultivemos esse amor simples.
Enfim, que as nossas escolhas reflitam nossa esperança, não nosso medo

por Celsão correto

figuras retiradas daqui e daqui. Representam a capa do single do U2 aqui citado e uma imagem do videoclip da música.

P.S.: por último, mas não menos importante, há outro texto sobra Madiba também escrito nesse blog logo após sua morte. Nele, analisamos o vislumbramento de muitos com as atitudes do líder negro e a sua posição política. Uma das acusações enfrentadas por Madiba foi comunismo (post aqui)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s