Posts Tagged ‘Ditadura’

Dilma_Cabisbaixa
Privar o Palácio Alvorada de comida (comida para Dilma).
Restringir os voos de Dilma.
Proibir a TV pública de usar a palavra Presidenta.

Para qualquer pessoa com um mínimo de sanidade mental e honestidade intelectual, SÓ isso já é suficiente para entender que o Brasil está vivendo um golpe de Estado, com características presentes em qualquer ditadura da história.

E olha que nem mencionei o processo de impeachment, que ocorreu sem legalidade constitucional, pois faltaram os princípios geradores de Impeachment. Nem mencionei as conversas de Jucá, Sarney, Calheiros, etc, onde confessam tirar a Dilma para se livrarem da Lava-Jato, tampouco mencionei que, também nessas conversas gravadas, o Ministro da Transparência (órgão máximo anti-corrupção), Fabiano Silveira, dá dicas a Renan Calheiros de como driblar a Lava-Jato.

Não mencionei que a Transparência Internacional, maior organização do mundo no combate à corrupção, rompeu relações com o Brasil e o governo Temer, após o escândalo envolvendo o Ministro Fabiano Silveira. (Aqui)

Olha que não mencionei que documentos do Wikileaks e de Snowden (NSA) revelam SEM CHANCE DE REFUTAÇÃO, que Michel Temer serviu de informante para inteligência americana CONTRA os interesses nacionais do Brasil, o que configura o crime mais grave contra a soberania da nação.

Nem mencionei que, entre os ministros de Temer, não há 1 negro nem 1 mulher, e que mais de 70% dos ministros sofrem atualmente processos judiciais por corrupção e outros crimes até mais graves (esse corpo do Governo JAMAIS venceria uma eleição, e só é possível assim, tirando um presidente eleito democraticamente pelo voto, e se apoderando do Estado sem a menor legitimidade do povo)…..

Não mencionei que TODOS os ministérios extintos pelo Governo Temer, são ministérios que servem aos já poucos direitos de minorias, e/ou que servem à cultura e educação do povo. E que os cortes públicos que estão ocorrendo, todos eles, somente impactam o bolso e as vidas do povo pobre, já tão sofrido…. enquanto isso, servidores do judiciário e cargos políticos como os parlamentares, têm “gordo” aumento salarial aprovado pela Câmara em MEIO Á CRISE e a CORTES DE GASTOS PÚBLICOS.

Nem mencionei que José Serra, Ministro das Relações Exteriores, já anuncia medidas claras para abrir a exploração de nosso Petróleo para o capital estrangeiro, e já “abana o rabo” para a privatização total ou parcial da Petrobrás (os recursos advindos do Petróleo representa”va”m o nosso sonho de um país realmente melhor, e emancipado.

Eu nem mencionei….. Ah, nem mencionei um monte de coisa.

Mesmo que você não acredite, com toda essa boa/má-fé sua, que não houve golpe de Estado, pelo menos, o mínimo que você deveria aceitar e entender, é que o maior golpe está sendo dado contra o POVO brasileiro e em nossa soberania enquanto Nação.

* Assistam ao vídeo, de apenas 3 minutos, inspirador deste texto. Comentários de política com Bob Fernandes (Aqui)

por Miguelito Formador

figura daqui

Síria_FrançaA Roda Viva da história vai girando, causando perplexidade e assombro nos incautos. Para quem conhece – só um pouquinho – a história do Oriente Médio, o cenário atual, o mais complexo das últimas décadas, não causa assim tanta estranheza, ainda que grupos como o ISIS verdadeiramente nos assustem.

Ora, a região vem sofrendo com as intervenções políticas e militares desde o colapso do Império Otomano. Num breve resumo, assistimos:

– O 1º ministro Mossadegh foi derrubado do Irã, em 1954, por nacionalizar a indústria do petróleo. Sua queda deu poderes ilimitados ao monarca Reza Pahlavi, que erigiu um regime corrupto, anti-nacional e tirânico. Em 1979 ele foi deposto por Khomeini, que liderou a revolução Islâmica
– Nasser, presidente Egípcio e pai do Pan-Arabismo, também sofreu sabotagens das potências ocidentais. Viu o canal de suez ser invadido em 1956 por Franceses, Ingleses e Israelenses quando decidiu nacionalizar o canal. Se seguiu um bloqueio político e econômico que o forçou a buscar assistência técnica com os Soviéticos. Após a derrota em 67, na guerra dos 6 dias, viu seu poder minguar até que a morte o encontrou, em 70. Foi substituído por Sadat, militar de carreira, que levou a cabo a guerra de 73 contra Israel. Foi assassinado em 81 após, em tese, ter obtido um acordo com os Israelenses em 78. Seu assassinato possibilitou a subida de Mubarak, um dos mais corruptos líderes políticos da região, que mergulhou o Egito no caos e na pobreza. O Egito se tornou peça chave da geopolítica ocidental na região. A pobreza possibilitou o fomento de grupos fundamentalistas, que arrebanhavam jovens cansados da pobreza e da falta de perspectivas. A irmandade muçulmana venceu as eleições de 2012, após a queda de Mubarak, mas foi destronada poucos meses depois por um golpe militar.
– O Baathismo Sírio e Iraquiano, secularista, nacionalista e de tendências socialistas, inspirado na revolução modernizadora Turca, levada a cabo por Ataturk, manteve durante décadas as pressões internas de grupos distintos, em busca de unidade e lealdade ao poder central. Os Americanos destruíram o Iraque, levando-o para uma guerra sem sentido com Irã (1980-1988), e, falido pelos empréstimos contraídos durante a década passada (insuflado pelos americanos e sauditas), comete o erro de invadir o Kwait em 1993. O estado Iraquiano virtualmente acaba com a invasão americana de 2004.
– E temos assistido, no presente atual, o flagelo Sírio.

Ou seja, o ocidente minou e sabotou as experiências nacionalistas e seculares na região e fomentou (direta ou indiretamente) o surgimento de grupos fundamentalistas (como o ISIS) que arregimentam jovens cansados da pobreza e desacreditados da política.

Veja o caso Palestino. Arafat, filho político de Nasser, foi, durante sua vida, quase uma obsessão da política externa Israelense, que o tratava como terrorista. E quando este cria a gênese do estado palestino, chamado de “autoridade”, Israel torna o seu governo algo virtualmente impossível. Com a queda da OLP, surge o movimento do Hamas, religioso e fundamentalista. O Fatah, herdeiro da OLP e laico na sua essência, continua recebendo ataques israelenses.

Além disso, a Arábia Saudita, cuja família real governa o país com mão de ferro, violando várias leis internacionais de direitos humanos, é a virtual financiadora desses grupos radicais, além de inimiga de primeira ordem do Irã, Xiita e Persa. Aliás, a Arábia Saudita se converteu no GRANDE ALIADO do ocidente na Região.

Falem o que quiserem do Irã, mas ele sempre se portou com um agente geopolítico previsível, constituindo uma teocracia complexa e contraditória, mas previsível, e até certo ponto, responsável. Mesmo seu apoio ao Hezbollah é compressível, considerando que o Irã vive quase um cerco geopolítico e militar desde a revolução islâmica, em 79.

O Ocidente praticamente LEVOU O ORIENTE MÉDIO para o estágio atual de violência e caos, terreno fértil para o fanatismo religioso que despreza o diferente, resultado da frustração e do ódio de décadas e décadas de atrasos, interferências e interrupções dos processos históricos nacionais.

O ISIS é a resposta caótica e violenta da história.

Uma hora a conta chegaria. Chegou.


Este texto é de autoria de Rene Guedes, e foi publicado originalmente em seu facebook.

Clique AQUI para assistir um excelente vídeo sobre a história do Oriente Médio. E AQUI para entender quem, como e porque financiam os grupos rebeldes da Síria. O primeiro vídeo tem somente 10 minutos, e o segundo 14 minutos. Ambos cabem muito bem como complemento e como forma de ilustração ao texto de Rene.
Figura retirada do primeiro vídeo indicado acima.

por Miguelito Formador

FestaXPobrezaO Brasil parece estar chocado com a informação de que a escola de samba do Rio de Janeiro, Beija-Flor de Nilópolis, foi patrocinada pelo ditador da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, com a quantia de R$10 milhões.

O que eu não entendo é o seguinte: por que tanto espanto?

Nós, adultos, já passamos da fase de nos eximirmos de culpa com a desculpa de falsa inocência ou desconhecimento dos fatos.

Olhem para aqueles carros alegóricos do Carnaval da Sapucaí. Quanto vocês imaginam que custa o projeto e construção de um carro destes? E as fantasias? (sei que muita gente “compra” a própria fantasia, mas isso não é regra, pois muitas fantasias a própria escola “banca”).

Óbvio que, para construir um desfile com chances de vitória, necessita-se de fortunas. E por mais que os participantes, integrantes, organizadores, façam suas próprias doações, isso está longe de cobrir as despesas. Ou seja, de onde vem o dinheiro? Do céu?

Não gente. O dinheiro vem de patrocínios, muitas vezes, de grandes empresas. E qual a grande diferença de ser patrocinado por um ditador da Guiné, ou pela Coca-Cola, ou McDonalds, ou Nike, ou Apple, ou Samsung, ou Alstom, ou Itaú, ou Burger King, ou Shell, ou Volkswagen, ou Kalashnikov?

A diferença é que, se o dinheiro vem diretamente do ditador, então fica clara a conexão deste dinheiro com a barbárie. Agora, se o dinheiro vem de uma grande empresa de petróleo, armas, indústria alimentícia, vestuário, tecnologia, bancos, é primeiro necessário pesquisarmos (mas a minoria se interessa por pesquisar, ler, se informar) para então percebermos como essas empresas fazem negócios sujos pelo mundo, desde um simples cartel com pagamento de propina a políticos e empresários, até a exploração de trabalho escravo, assassinatos, contaminação química em países de legislações degeneradas ou pouco desenvolvidas.

Mas no fim, é a mesma coisa.

E é ainda mais inocente pensarmos somente no desfile das Escolas de Samba, e esquecermos do resto das alegorias existentes no mundo, que servem para satisfazer nossas ostentações.
No futebol não é diferente, ou então, como é possível comprar jogadores por algumas dezenas de milhões de dólares? Como é possível sustentar um time que paga, em média, 200 mil dólares de salário por jogador por mês!? Já pensaram o que significa ganhar 200 mil dólares por  mês? Existe alguém no mundo que precisa ganhar isso para ser feliz? Qual a parcela de influência disso na desigualdade social e na fome do mundo?
Ou seja, é gente ganhando dinheiro demais, desnecessariamente, e muitas vezes, dinheiro sujo.

Escolas de Samba, futebol, BBB, prêmio do Oscar, prêmio Grammy, basquete na NBA, festa de réveillon da Globo, propagandas distribuídas em novelas globais e em filmes, e “circus” como os programas do Luciano H. e da Regina C.. Até que ponto tais eventos, esportes, programas, ultrapassam o limite de proporcionar diversão e alegria, e invadem a esfera da busca ilimitada por dinheiro, gerando barbáries mundo afora?

Fala-se muito de “Pão e Circo” quando o assunto é política. Mas o verdadeira tática de “dominação” pão e circo, aparece no nosso dia a dia, e ela só existe, pois há demanda/consumo, ou seja, VOCÊ, EU, NÓS, aceitamos, consumimos, e assim, corroboramos.

Se passarmos a ser mais exigentes e seletivos com nossos lazeres, a oferta também começa a melhorar em qualidade.
Novamente, parece que o segredo e solução está somente em um lugar: VOCÊ!

por Miguelito Nervoltado

P.S.: Complementando o texto, segue um excelente video e análise dos fatos pelo Bob Fernandes (aqui) e a declaração do sambista mais famoso da escola sobre o financiamento (aqui)

figura retirada daqui

Bate bola, jogo rápido: Aulinha de história, bem simples.

Tancredo_NevesTodo brasileiro sabe que Aécio é neto, por parte de mãe, de Tancredo Neves. Tancredo foi deputado, senador, ministro de Getúlio Vargas, primeiro ministro de Jango e governador de Minas Gerais no período militar; presidente eleito indiretamente após grande pressão popular do “Diretas Já”! Faleceu na véspera de sua posse, e virou um símbolo de luta contra a ditadura militar. (Leia mais AQUI).

Mas, a história de Tancredo, apesar de ter sido ele realmente um político talentosíssimo e super importante para o Brasil, sempre omite alguns detalhes. Faz-se parecer que Tancredo foi um guerreiro contra a Ditadura Militar, um líder da luta pela democracia. Ora bolas, sabemos que no período militar, qualquer pessoa, artista, intelectual ou político que se opusesse deliberadamente ao regime, era exilado ou preso, torturado e muitas vezes morto pelos militares. Mas, antagonicamente a isso, Tancredo continuou a construir sua carreira política neste período. Isso só foi possível devido ao seu comportamento pacífico e obediente ao sistema (aos militares).

Além disso, Tancredo participou da primeira tentativa de golpe em Jango. (Clique AQUI para ler mais sobre o episódio).

Lembremos também que ele foi eleito indiretamente, ou seja, por votação parlamentar, e não por votação da sociedade. Tancredo foi escolhido por um colégio eleitoral do Congresso vigente na época, Congresso esse, majoritariamente “simpático” ao regime militar, uma vez que os não simpáticos não permaneciam no Congresso e sofriam as penalizações mencionadas acima.

Assim sendo, podemos falar que Tancredo foi tudo, menos herói da luta pela democracia.


Bom, este é um lado da família de Aécio. Mas também há o outro lado, o qual parece que Aécio gosta de tentar omitir em suas biografias.

Aécio_CunhaAécio da Cunha, pai de Aécio, foi deputado Federal pelo ARENA, e pelo PDS. (Leia mais AQUI).

Mas, o que isso significa?

Alguém se lembra do partido ARENA?
Aliança Renovadora Nacional (ARENA) foi um partido político brasileiro criado em 1965 com a finalidade de dar SUSTENTAÇÃO política ao governo militar instituído a partir do Golpe de Estado no Brasil em 1964.

Á partir de 1979, a ARENA foi rebatizada de Partido Democrático Social (PDS). Mais tarde, um grupo de políticos do PDS abandonou o partido e formou a “Frente Liberal”, a qual, depois, tornou-se o Partido da Frente Liberal (PFL), atual DEM. (Clique AQUI e leia mais sobre a história da ARENA).

ARENA, PDS, PFL, DEM = nomes diferentes para o mesmo partido, mesmas ideologias, partido de ultradireita, fascista e sustentáculo do período militar, hoje saudosos desse período. E, onde o pai do Aécio fez sua carreira política, e onde Aécio começou sua carreira, trabalhando como secretário.

Além de ter sido criado e ter trabalhado nesse cenário de vínculos com a ditadura militar e todas as ideologias que ela carrega, ainda lembremo-nos do fato de que o DEM já há décadas é o fiel escudeiro do PSDB, ajudando claramente na guinada do PSDB para a direita reacionária.

O outro avô de Aécio Neves, agora por parte de pai, foi Tristão Ferreira da Cunha, político conservador, que assinou o Manifesto dos Mineiros contra Getúlio Vargas. Tanto Tristão da Cunha quanto Aécio da Cunha (seu filho), participaram do golpe militar em 1964 e receberam dinheiro dos EUA para organizar o mesmo.

Bolsonaro, um dos deputados mais votados do Brasil, é o principal representante no Congresso do saudosismo ao período militar e de ideais ultra conservadores, racistas, homofóbicos, machistas, de extrema direita. Bolsonaro apoia, coerentemente, Aécio nessas eleições.

Caso você não tenha conseguido captar o que estou querendo passar, vou ser mais claro: há uma conexão direta entre os militares do período militar e o projeto de governo do candidato Aécio. A conexão é a ideologia ultradireita, anti-povo, a favor da elite empresarial e completamente voltado para os interesses estrangeiros no Brasil, em detrimento dos interesses de nosso próprio povo. Há outras características parecidas também, como a tendência à censura da mídia e de cidadãos.

Para ler mais sobre esta parte da história de Aécio, omissa em suas biografias, clique AQUI.

por Miguelito Formador

figuras retiradas daqui e daqui

Capture_50_anos_ditaduraNeste dia 31 de Março, relembrou-se os 50 anos do golpe militar no Brasil (espero que nenhum jornalista tenha usado os verbos comemorar ou celebrar para a data).
Tal golpe, imposto pelos militares ao então presidente João Goulart, tinha objetivos e implicações anti-comunistas e apoio da elite, da mídia (pertencente obviamente à elite) e dos EUA, que se viam ameaçados por um provável surgimento de uma grande república socialista na América do Sul.
Pessoalmente acho lastimável o caso. Não pelo golpe em si, muitas vezes inevitável numa Nação; mas pela permanência dos militares no governo por duas décadas, bloqueando a democracia, ferramenta importante para os menos favorecidos; também pela estagnação da economia (mesmo com avanços, o balanço final mostra que a inflação anual dobrou no período); e principalmente pela violência ocorrida contra aqueles que se opuseram, fato condenável qualquer que seja a opinião política.
Pois bem, 21 anos de ditadura, cassações, cerceamento de direitos, lutas, prisões, torturas, mortes, repressão, inflação, eleições depois… a tal “ditabranda” segue quase incógnita para boa parte dos brasileiros, inclusive os que viveram parte de suas vidas sob este período. Afinal, a grande maioria de nós, brasileiros, nasceu depois de 1964…

Por um lado, os militares e apoiadores da época, criadores da Marcha da Família com Deus (nossa opinião aqui), dizem que o que chamamos ditadura foi “suave” ao ser comparada com outros exemplos da America Latina, como Chile e Cuba onde houveram inicialmente mortes e apropriações; os militares e a elite pregam também que ela foi “necessária”, dado o momento histórico no Continente e as ameaças insurgentes (verdadeiras ou não) no Brasil naquela década.
Do outro lado, militantes da esquerda, intelectuais, professores e até mesmo a igreja católica (que havia apoiado inicialmente o golpe), sofrendo com a repressão e sentindo os efeitos pós-golpe, apoiam a comissão da verdade, criada pela presidente Dilma e insistem para que a memória do ocorrido permaneça viva, para que os cidadãos conheçam a verdadeira estória do período ditatorial brasileiro.

Aproveitei essa enxurrada de informação e a excelente coletânea de depoimentos, recortes e entrevistas do UOL, para me informar melhor sobre o tema.
Deixo pra vocês três sugestões de leitura e um jogo pra reflexão…
A primeira leitura é curta: são frases de um militar que viveu 1964 (aqui)
A segunda é um apanhado de relatos de torturados durante o regime militar (é forte, mas verdadeiro! aqui)
E a terceira é uma entrevista feita com José Serra, que viveu o período e era próximo do presidente Jango; mais “em cima do muro”, ele faz uma análise interessante da situação do Brasil à época e tece comentários sobre o Golpe, com frases como: “Quem começou a violência no Brasil foi quem deu o golpe”/ “Entregaram o país inadimplente, quebrado. E perdemos duas gerações promissoras de políticos” / “Restaurar a Marcha da Família é uma piada” (aqui)

O jogo, também do UOL, pode ser acessado aqui.
Nele, respondendo a perguntas, o internauta é conduzido a situações da época e ao desfecho de si próprio no regime militar. Ao final das perguntas, vídeos bem elaborados resumem a “situação final”, pelas respostas escolhidas.
E não só isso; trechos de discursos, fotos e vídeos podem ser acessados durante o jogo…
Convido-os a fazer o teste/jogo não só com as respostas “verdadeiras”, mas repeti-lo com outras respostas, vislumbrando outros desfechos.

por Celsão correto.

figura: montagem a partir do UOL, onde parentes de mortos e desaparecidos mostram fotos.

P.S.: a coletânea do UOL sobre o tema realmente impressiona, há relatos de militantes e entrevistas com políticos como Fernando Gabeira (que participou da luta armada), FHC (com sua trajetória sem prisões e torturas, embora militando e criticando as torturas e prisões), Suplicy (que pertencia a uma família da elite paulista, sendo militante da esquerda), Cristovam Buarque (que analisa os desdobramentos com enfoque na educação), Frei Betto (com a visão da igreja Católica pró e depois contra), etc…
P.S.2: interessante também é o vídeo do Bob Fernandes sobre o tema, no youtube

Egypt_death_sentencesBaseados em especulações e preconceitos, e sem o menor embasamento científico, chove na mídia, no facebook, nas mesas de bares, ataques às “ditaduras” da Venezuela e de Cuba.
A imagem na cabeça vazia dos preconceituosos é que Fidel, Chávez, Maduro, seriam sanguinários, odiados pela população, ditadores que torturam, matam, não respeitam quaisquer direitos humanos.

Enquanto isso, ironicamente e assustadoramente, ninguém fala de Israel, Arábia Saudita, Omã, Emirados Árabes, Turquia, ou, atualmente, Egito. Já pararam para se perguntar “por que o mundo se preocupa tanto com Venezuela e Cuba, e tão pouco com esses outros países?”

Se você é um desses, sente-se e reflita sobre a questão.
Olhem o que está acontecendo neste momento no Egito, onde há um governo que ascendeu recentemente com um golpe militar aplicado contra o governo anterior, o qual havia sido eleito democraticamente. Este atual governo, assim como Arábia Saudita, Israel, entre outros, é apoiado pelo ocidente (Europa + EUA). Esta semana, 529 pessoas (todos opositores políticos ao governo e que reivindicam o restabelecimento do governo eleito democraticamente) foram condenados à morte!

Imaginemos se fosse Cuba ou Venezuela condenando 500 à morte numa bolada só! EUA invadiriam a ilha no mesmo instante, com todo o apoio da maioria das sociedades do mundo, e o facebook soltaria fogos em comemoração. Afinal, já chegou a hora de dar um basta nesta ditadura comunista onde come-se (no sentido gastronômico) criancinhas, e mandar para o inferno esse Fidel (onde Hugo Chávez lhes espera), Maduro e suas famílias, lugar de onde eles nunca deveriam ter saído, esses monstros!

Para assinar à petição do Avaaz que será enviada ao Governo egípcio pedindo para que esta decisão não seja executada, clique AQUI

A ONU diz que a decisão viola Leis Internacionais, por condenar à morte 529 pessoas em 2 dias de “julgamento”, sem respeitar, portanto, os direitos constitucionais de qualquer cidadão a um julgamento equitativo. Clique AQUI

Para ler a reportagem no site da Anistia Internacional, clique AQUI

por Miguelito Nervoltado

figura daqui

blog - 1654274_418552624947542_785865338_n

É incrível como interesses individuais podem ser colocados a frente do interesse comum/social.
É incrível também como a desinformação das mídias sociais intensifica o julgamento raso e rápido e o apoio a campanhas esdrúxulas de tão absurdas.
Recebi há algumas semanas uma figura-poster falando sobre a Marcha da Família (figura ao lado). Achei tão non sense, que duvidei de sua veracidade.

Mas… alguns dias e pesquisas depois, comprovei que é real!
A marcha que “deu início” ao período de ditadura militar no Brasil, pós renúncia de Jânio e governo do “comunista” João Goulart será reeditada em várias cidades do Brasil, seguindo o mesmo percurso de 50 anos atrás!
Porém, comprovei também pra minha tristeza, que seus organizadores desconhecem (ou ignoram propositalmente) os impactos deste período (a Ditadura Militar) no país.

Defendo a liberdade de expressão. Defendi aqui os protestos de Junho, os “rolezinhos”, defendo a abertura também àqueles que pedem a legalização do aborto, da diminuição da maioridade penal…
Falando em política, acho salutar, inclusive, que haja direita no país e que ela se manifeste abertamente; penso que precisamos disso, de alternativas aos discursos monotônicos centro-esquerda que dão as cartas ultimamente.
Mas daí a maquiar a verdade, falando de “intervenção militar provisória” e “limpeza nos três poderes” sem plano efetivo é babaquice!
Como faríamos para efetivamente governar sem políticos, legislar sem deputados, ou julgar sem ministros do Supremo? Por pior que essas instituições possam estar aos olhos de muitos, são os meios que temos hoje para fazer e cumprir as leis.
Queremos um ditador, governando através de decretos, independente da aprovação da Câmara e do Senado? Seria uma solução, certamente. Mas… não seria esse o modelo criticado pela direita e pelo mundo dito “democrático”? Não seriam Cuba e Venezuela criticadas exatamente por terem uma ditadura?

Reiterando: defendo a marcha como forma de protesto, legítimo de quem tem opiniões diversas e quer se expressar. Defendo também alguns pontos da direita, como a soberania nacional. Mas defendo com mais afinco uma maior transparência da imprensa e proponho que os “marcheiros” (seguindo a onda de nomear os que apoiam determinado movimento) avaliem as prováveis consequências do ato que estão a divulgar e apoiar.

Pra finalizar e complementar a informação, sugiro que vejam o vídeo veiculado pela Folha (aqui), onde alguns organizadores do movimento mostram a cara e expõe seus argumentos. Achei interessantíssimo, mesmo para os que discordam dos argumentos de “todos terem Ferrari é impossível”, “isso vai virar uma Venezuela”, etc.
Recomendo também, um vídeo em que o analista político Bob Fernandes critica a Marcha (aqui). Bem mais enfático e direto, ele “pega pesado” com a galera que se reunirá no próximo sábado.

por Celsão revoltado

figura retirada do Jornal GGN – aqui

Lixo_GloboTóxico

Lixo_GloboTóxico

No dia 31.08.2013 o jornal O Globo emitiu uma nota confessando ter apoiado o golpe de 64 e a ditadura militar. Nesta nota, ainda dizem ter sido este apoio, um erro. Para ler, clique AQUI.
“””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””
Que as Organizações Globo apoiaram o Golpe de 64 e todo o período da ditadura militar, não é novidade para nenhuma mente de esquerda. Existe farta documentação, artigos, livros, documentários, depoimentos de políticos colossais, e muito mais, que fazem disso um fato conhecido há décadas.  Então, se já era conhecido, o que muda?

Bom, muda que aqueles mais posicionados à direita, de mentes menos rebeldes, mais acomodados e mais passivos, assim como a maior parte da classe média, agora não poderá mais argumentar que isso é tudo “intriga da oposição”, que isso é agitação dos comunistas, que não existem provas. Agora, não há mais desculpas. O tempo onde os reacionários se negavam a acreditar nas inúmeras provas de que a mídia brasileira é extremamente corrompida, e pior, é golpista, acabou. Agora 100% do povo brasileiro sabe que, mais uma vez, os intelectuais de esquerda estavam certos, tentando revelar verdades ao povo brasileiro, verdades essas que sempre são ocultadas de bom gosto pela elite conservadora, escravagista, das capitanias hereditárias, dos senhores de engenho, que perduram até hoje em nossa sociedade.

Porém, apesar do “pequeno” impacto positivo deste editorial, devemos destacar suas características, sua forma, forma essa que acompanha este Jornal desde sempre. Estou falando da falta de humildade e da constante auto-bajulação.
Sim, o Jornal lança uma nota de confissão de erro, mas essa confissão dura algumas poucas linhas. Daí para frente, é uma chuva de auto-elogios e tentativas desenfreadas de “justificar-se”. Ora, sabemos que pedidos de desculpas sinceros, não podem vir acompanhados de mil e uma “desculpinhas”. Justificar-se, é diferente de pedir perdão. Justificar é uma forma de explicar que você não teve culpa, pois houve fatores externos que lhe impossibilitaram de agir de forma diferente.

Além dos confetes atirados a si mesmos, ainda há, como sempre, dosagens de hipocrisia e ludíbrio. Vejamos os seguintes pontos:
1) A nota diz que Roberto Marinho sempre esteve ao lado da legalidade. É legal apoiar um golpe ditatorial e mentir para toda a Nação? Ainda continua sendo legal fazer fortunas devido a este apoio (a nota de arrependimento vai fazer a Globo perder toda a grana que ganhou com as facilidades de 21 anos de Período Militar?)? E os 600 milhões de reais que a Rede Globo sonegou, também é legal? E a servidora da PF que misteriosamente ROUBOU este processo de sonegação da Globo, mas acabou aparecendo nos vídeos das câmeras de segurança da PF? Tudo isso é legal? Isso só para mencionar alguns episódios, pois casos de ilegalidade, falta de ética e respeito com a população, temos às centenas, e alguns deles já foram mencionados em posts deste blog.
2) A nota diz que Roberto Marinho defendia seus funcionários comunistas. Será que a Globo tinha algum funcionário comunista de verdade? Essa é a primeira pergunta. E se tinha, será que ele era possibilitado de expor 100% de suas opiniões e ideias? E mesmo que isso tudo seja satisfeito, o que acho difícil, então quer dizer que, ao defender sua meia dúzia de funcionários comunistas, isso paga sua culpa por ter colaborado para que outros milhares de comunistas tenham sido presos, torturados e mortos?
3) Ainda na nota, é mencionado o fato de que havia um segundo movimento com intenções de realizar um golpe. Esse movimento era o movimento de esquerda, comunista, liderado por Jango. Ora bolas, mas Jango era o Presidente da República, por que haveria ele de querer dar um golpe de Estado? E se havia intenção de algum tipo de Golpe por Jango, por que então este sequer resistiu ao golpe militar da direita? Quando anunciado o golpe, Jango saiu do Brasil se refugiando em Montevidéu, capital do Uruguai. Ou seja, falar de intenções de golpe de Jango é quase um delírio, uma tentativa desesperada de conseguir justificar um erro. É confessar ter mentido, justificando com outra mentira. Isso é Lamentável!

Em tempo: Aqui desvio do assunto para lembrar que Jango foi incentivado por várias pessoas próximas em seu governo a resistir ao golpe, inclusive por Leonel Brizola, porém Jango optou pelo não derramamento de sangue, se refugiando. Esse é o homem que tacou medo na Globo?… sei!
Em tempo 2: Vale lembrar os seguintes dados do IBOPE da época:
a) 69% dos entrevistados avaliavam o governo Jango como ótimo (15%), bom (30%) e regular (24%). Apenas 15% o consideravam ruim ou péssimo, fazendo eco
dos jornais.
b) 49,8% cogitavam votar em Jango, caso ele se candidatasse à reeleição, em 1965 (seu mandato expirava em janeiro de 1966); 41,8% rejeitavam essa opção.
c) 59% apoiavam as medidas anunciadas pelo Presidente na famosa sexta-feira, 13 de março.” (Trecho retirado do artigo da Carta Maior sobre o editorial da Globo. Para acessá-lo, clique AQUI. <<LEITURA INDISPENSÁVEL>>)

No artigo da Carta Maior, ainda é dito o seguinte:
O que existe é sim uma história de campanhas e perseguições movidas pelas Organizações Globo contra projetos, direitos, governos, lideranças e partidos, promovidos até hoje. Não se trata de um editorial isolado, como tenta edulcorar a nota deste sábado. Ou terá sido coincidência que, em 24 de agosto de 1954, consternado com a notícia do suicídio de Vargas, o povo carioca perseguiu e escorraçou porta-vozes da oposição virulenta ao Presidente; cercou e depredou a sede da rádio Globo, que saiu do ar?
“”””””””””””””””””””
“Aquela que em 54 matou Getúlio.
Em 1964, negou à sociedade a competência para decidir o seu destino.
Em 2002 fez terrorismo contra Lula.
Em 2005 tentou derrubá-lo e impedir a sua reeleição em 2006.
E assim se sucede desde 2010, contra Dilma.

E eu acrescento mais uma: Em 1989 fez de Fernando Collor vitorioso, frente a Lula. E quando já não mais era interessante seu governo, jogou o povo contra o mesmo, quando da ocorrência do Impeachment  em 1992.

O editorial de O Globo ainda menciona outros jornais também envolvidos no Golpe de 64, entre eles estão a Folha de São Paulo e o Estado de São Paulo. Que novidade……
A Revista Veja não foi mencionada, pois foi fundada em 1968, senão, estaria na lista certamente, afinal, segue a mesma linha ideológica desses outros três, para não dizer pior.

A confissão da Globo também deixa bem mais clara a proximidade de relacionamento da mídia brasileira com os governos norte-americanos. Existem diversos documentos revelados pelo Wikileaks, entre eles notas e comunicados da embaixada americana no Brasil, que provam como os EUA estavam diretamente ligados ao golpe de 64 e com a permanência da ditadura. Estes documentos também mostram como todos estavam conectados, EUA, governo militar, Grande Mídia brasileira, numa relação de compadres, comadres e afilhados. (Mais sobre a nota de O Globo e sobre a conexão entre EUA e mídia brasileira, assim como sua oposição a partidos que priorizam o povo, AQUI)

Eles (Organizações Globo) não são bobos. Eles sabem que aqueles que os criticam e fazem oposição à sua hegemonia, continuarão a fazer. Porém também sabem que com essa nota, uma boa parcela da população vai cair neste papinho, e vai condecorar as organizações Globo pela humildade de ter se arrependido. Como diz o ditado: Eles não são amadores para “dar ponto sem nó”. Se o fossem, não estariam aí, dominando o mercado midiático a mais de 50 anos.

por Miguelito Formador

Figura aqui