Posts Tagged ‘esquerda’

revolução_francesa_esquerda_direitaHoje é meu aniversário.
Eu sou um cara de esquerda.

Fico pensando, quantas pessoas deixarão de me parabenizar por esse motivo. Fico pensando em quantos “amigos” já tive, e já não tenho mais, pelo simples fato de eu ser de esquerda, e por não esconder minhas ideias e ideologias. Fico pensando, inclusive, nos parentes que fizeram parte de minha caminhada, ás vezes me pegaram no colo, e hoje não irão me escrever, nem telefonar, e possivelmente, nem querem me olhar, por eu ser como sou, surpreendentemente (para eles), diferente da maioria dos do meu sangue.

No meio desta reflexão, fico pensando o que algumas pessoas entendem como “ser de esquerda”. Será que pensam realmente que comunistas comem criancinhas? Qual a motivação para discriminar, esnobar, menosprezar, desrespeitar, não tolerar, ou até mesmo, odiar alguém de esquerda? Realmente, isso não faz o menor sentido para mim, mas isso deve se dever, muito provavelmente, pela forma como eu conceituo a afirmação “ser de esquerda”. Vou explicar.

Ser de esquerda não significa: ser marxista, ser socialista, ser comunista, ser rebelde, ser ser ser…… Ser de esquerda significa simplesmente, ser de esquerda. E dentro da ideia de ser de esquerda, há uma infinidade de variantes, possibilidades, flexibilidades, ideologias. Assim como o há dentro do conceito “ser de direita”.

Para entender a complexidade disso, é preciso primeiramente entender de onde originam-se os termos “esquerda e direita”?
Bom, há diferentes levantamentos históricos que apontam para as possíveis origens. Aquele com o qual tive contato e mais me pareceu relevante e profissional é o seguinte: Na França, durante a Revolução Francesa, a Assembleia Nacional se dividia em partidários do Rei de um lado, e apoiadores da revolução do outro. Não é coincidência que os revolucionários estavam à esquerda, e os monarcas à direita.

Desde então, o conceito ideológico de “esquerda” indica uma pessoa que tende a ser contra o status quo, uma pessoa que luta por mais direitos ao povo, uma pessoa que se coloca contra a opressão, uma pessoa que levanta bandeiras iguais ou semelhantes à da Revolução Francesa (Liberdade, Igualdade, Fraternidade).

Por que então definir alguém de esquerda como “socialista”, sendo que o termo tem origem mais antiga que a vida de Karl Marx?

Eu poderia aqui, inclusive, questionar os conhecimentos e preconceitos de quem considera algo “ruim” quando uma outra pessoa se diz admirador das teorias de Karl Marx. Inclusive, outro erro grotesco recorrente, é achar que o regime implantado por Stalin na Rússia, após a morte de Lenin em 1924, com o domínio militar dos arredores daquele país (URSS), ou o sistema vigente na Coréia do Norte, tem sincronia relevante com o trabalho intelectual feito por Marx. A complexidade teórica dos trabalhos de Marx, vai muito além do que qualquer sistema buscou implementar no mundo, e, em muitos aspectos, bem diferente. É o mesmo que criticar Adam Smith pelo fato dos EUA serem o país que mais geram guerras no mundo desde a segunda guerra mundial. Que culpa tem a teoria de Smith (capitalista)? Um simplismo lamentável, que enfraquece e deteriora o debate, gerando, ao invés de agregação de valor, um emburrecimento.

Mas mesmo assim, ser de esquerda, não é ser marxista, necessariamente. Até pode-se dizer, num geral, que ser marxista é ser de esquerda, mas não o contrário. Regra de conjuntos (lembram da matemática? A pertence a B, mas B não pertence a A.)

O conceito “esquerda”, inclusive, é um conceito mutável, variável, de acordo com a cultura, com o “tempo”, com o “espaço” em que se vive.

Por exemplo, há 50 anos no Brasil, eram de esquerda aqueles que lutavam pelos direitos dos mais pobres. Mas poucos de esquerda lutavam pelos direitos civis dos homossexuais. Há 150 anos no Brasil, dificilmente alguém de esquerda estaria lutando pelo fim da escravidão, pois a mentalidade da época, num geral, era atrasada para esse debate, a escravidão era algo completamente normal. Hoje em dia, até gente de direita, num geral, é contra a escravidão (apesar de bem criticarem os aumentos dos direitos trabalhistas e do salário mínimo de seus empregados).

Até mesmo num mesmo “tempo”, a aplicação do conceito “esquerda” pode variar dentro do “espaço”. Em Israel, poderíamos dizer que ativistas que lutam pelo fim do massacre contra a Palestina, e que protestam pelo respeito à vida dos muçulmanos palestinos, são pessoas de esquerda. Ou seja, em Israel, defender os direitos do muçulmanos, e se posicionar a favor dos mesmos, é ser de esquerda.
Já no Afeganistão, ser contra o Talibã, contra todo e qualquer tipo de radicalismo muçulmano, e se posicionar requerendo mais direitos aos católicos e adeptos de outras religiões naquele país, é ser de esquerda.
Portanto, defender muçulmanos pode ser uma ação de esquerda ou não, dependendo do espaço/cultura em questão.

Assim, se quisermos tentar generalizar algo, podemos dizer que ser de esquerda é: defender ideais e atitudes que visem diminuir as injustiças do mundo, que visem trazer direitos, liberdades e responsabilidades iguais a TODOS os seres humanos, independente de sua orientação sexual, cor de pele, religião, cultura, gênero, idade. É lutar por toda e qualquer minoria oprimida dentro de uma cultura naquele “espaço x tempo”. Ser de esquerda é não aceitar barbaridades, sendo elas uma vez identificadas. Ser de esquerda, é, antes de mais nada, sonhar com um mundo cada vez melhor para nós, e para os outros, entendendo limitações de perspectiva de “certo e errado” num determinado “espaço x tempo”.

Dentro destas perspectivas abordadas, penso naqueles que têm qualquer tipo de impressão ou sentimento ruim/negativo contra “pessoas de esquerda”. Há algumas explicações lógicas para esses sentimentos.

1)      Não concordar com as utopias que descrevi acima: Isso implicaria claramente na conclusão de que essa pessoa é desprovida de bondade e amor para com o próximo em seu coração. Portanto, se tem sentimentos ruins contra mim (ou alguém de esquerda), faz sentido, pois somos opostos no coração.

2)      Consideram ingênuos quem possui tais utopias: Bom, mesmo que fossemos ingênuos, seria ingenuidade motivo para dispensarmos más impressões e sentimentos ruins para com a pessoa? Seria, o fato de sonhar “ingenuamente” com um mundo melhor, um motivo para desgostar de alguém? Mesmo que na prática nossas ideologias fossem impraticáveis, não bastaria conhecer os sonhos e o bom coração de alguém para admirar-lhe, ou ao menos, respeitar-lhe?
E…. sabendo que há poucas verdades absolutas no mundo, e que estamos, num geral, buscando evoluir e aprendendo novas verdades, o que seria um erro mais grave: possuir boas e justas ideias, e, mesmo sabendo difícil, tentar buscar formas de aplicar-lhes na vida real; ou dar de ombros e simplesmente viver de acordo com a realidade existente, e aceitando o mal, inclusive, vivendo de parte dele para ganhar sua vida?

3)      Um desconhecimento completo do que o termo esquerda significa: se esse o caso, penso que lendo este meu texto, e possuindo um pinguinho de humildade, já seria suficiente para eliminar o ponto 3 de sua vida.

Mais explicações coerentes não consigo enxergar para explicar tais sentimentos.

Fico feliz por estar aumentando, diariamente, o número de pessoas pelas quais tenho carinho e sou retribuído, mundo a fora. E claro, lamento por aqueles que se foram, deliberadamente, de minha vida, ou aqueles que eu mesmo tive que retirar, por estarem presentes no ponto “1)” descrito acima, pois de pessoas perversas, realmente, eu busco me distanciar.

por Miguelito Formador

figura daqui

Marcha da Família com Deus 1964 x 2013 Ditadura década de 60,70,80 x Cenas do próximo Capítulo

Marcha da Família com Deus 1964 x 2013
Ditadura década de 60,70,80 x Cenas do próximo Capítulo

Nos últimos 20 anos, a América Latina tem sido o sustentáculo do mundo na sobrevivência de políticas de esquerda, protecionistas, de luta pelos interesses da própria nação acima dos interesses estrangeiros/imperialistas.

A Europa vem presenciando sua democracia e os direitos do trabalhador enfraquecendo desde a década de 90. É a falência da social democracia nestes países, onde no cabo-de-guerra (povo X capital), vence novamente o capital.

Os países latino-americanos, quase todos, passaram por ditaduras de direita apoiadas e patrocinadas pelos EUA (até mesmo Cuba teve seu ditador aliado aos EUA, Fulgencio Batista, de 1952 a 1959, quando foi derrubado por Fidel Castro – leia sobre esse processo AQUI), do início da década de 60 até o início da década de 90. Foram 30 anos, aproximadamente, de ditaduras de direita por todos os cantos da América do Sul e Central. Ao término destes períodos de intervenção militar, estes países vieram passando por um acelerado processo de avanço da democracia.

Vencidas as ditaduras, nada mais normal que um processo progressivo de democratização. Sai a ditadura, entram governos parcialmente democráticos, normalmente de centro-direita ou de direita. Políticos conservadores, que se elegem devido à imaturidade democrática da sociedade, e por saberem aproveitar os resquícios do sistema elitista herdado da ditadura e da colonização, que privilegiam aqueles que mais têm.

Porém, na América Latina, grandes mentes surgiram, e souberem se organizar, se uniram para debater ideias e ideais, para trocar experiência e conhecimento. Assim, chegaram a conclusões parecidas em comum. Apoiaram-se mutuamente para chegarem aos Governos, e lutaram, alguns mais, outros menos, para acelerar o processo de democratização destes países, e fazer com que o povo, historicamente excluído e sem voz, pudesse ter mais direitos e ser mais respeitado. Além disso, lutaram pela nossa independência frente às grandes potências, não só no papel, mas na prática, seja na política, na economia, na cultura, militarmente ou diplomaticamente.

Assim vimos nos últimos anos uma ascensão de governos populares em muitos países da América Latina.

No Brasil, o processo ocorreu progressivamente. Sarney (Tancredo) foi eleito de forma indireta. Collor, frente a Sarney, foi um progresso, na minha opinião, e foi o primeiro presidente eleito democraticamente no Brasil, depois da ditadura (vale lembrar que Lula teria vencido, se não fosse a armação que a Globo fez no último debate, fazendo edição do debate antes de transmiti-lo, o que também mostra imaturidade democrática da sociedade).
Depois veio FHC, que frente a Sarney e Collor, está anos-luz à frente no quesito democracia. Mas, aquele PSDB, de origens sociais-democratas, infelizmente, se direcionou ao neoliberalismo e consequentemente, a favor dos interesses imperialistas.

E depois veio o PT, com Lula. Lula concretizou a democracia no Brasil. Um grande avanço, comparado ao que veio antes, o que é normal, seguindo a lógica da evolução progressiva. Claro que, não foi perfeito, até porque perfeição não existe. Mas ainda há/havia MUITO a evoluir, melhorar, tanto na democracia, quanto na vida do cidadão.
Mas antes que isso fosse possível, as forças conservadoras começaram a “reagir”, chegando ao seu auge durante os governos Dilma.

A história se repete, desde a Grécia antiga, e fatos já observados naquela época, acontecem exatamente da mesma forma hoje.
Quando ideais/pensamentos/movimentos “A” avançam, ideais/pensamentos/movimentos “B” começam a crescer proporcionalmente, visando frear “A”. A isso dá-se o nome de “reação”, ou “reacionarismo”. Alguém age, outro alguém reage.

O que ocorre é que, enquanto o povo não tem voz nem direitos, a elite e os pensamentos conservadores ficam hibernando, escondidos. Quando o povo começa a ganhar força, as ideias e atitudes conservadores e opressoras ascendem, e com força bruta, e reagem visando impedir este avanço do progressismo.

Como os governos de esquerda estavam atingindo seus objetivos nas Américas: inclusão social, combate ao imperialismo, evolução da democracia, etc, as forças de direita começaram progressivamente a avançar em paralelo.

Peixes_piloto

Peixes_piloto

Essas forças são principalmente compostas por: EUA e seus principais aliados na Europa (Inglaterra, Alemanha, França), as elites locais (banqueiros, grandes empresários, a mídia privada, e claro, aqueles políticos que representam os interesses destes grupos), e os peixes pilotos (pessoas da classe média, que se acham de elite ou sonham em pertencer a ela, e aí defendem ideias conservadoras, sem perceberem que, na verdade, deveriam defender ideias progressistas, pois eles, classe média, estão muito mais próximos do povo, que da elite).
(Um pouco do ódio desenvolvido pela classe média do Brasil. Mantega recebe gritos e ofensas por médicos no hospital Albert Einstein. Clique AQUI)

Neste movimento, a América Latina está passando por um processo político muito delicado, que lembra os movimentos que se iniciaram na década de 60, e que geraram todos os golpes militares de direita, e afundou a América Latina num período de trevas.
Venezuela e Brasil são países líderes neste processo do avanço da esquerda. E são países riquíssimos em petróleo. Por isso, somos o maior alvo do golpe que se arma. (Venezuela se prepara para reagir contra Golpe e Guerra – Clique AQUI)

Se você é um dos que defende inocentemente o impeachment de Dilma. Se você é um dos que inocentemente acha que o escândalo da Petrobrás trata-se de “mais um esquema de corrupção”, sem perceber o golpe econômico e político que se arma em volta de NOSSO petróleo. Se você é um dos que há anos vem divulgando, espalhando, compartilhando, curtindo, toda e qualquer informação contra o PT, contra Lula, contra Dilma, contra Zé Dirceu, contra Chávez, contra Maduro, contra Fidel Castro, contra Evo Morales, etc. Se você acredita que ser de esquerda é simplesmente ser comunista, e acha que comunista come criancinhas (e não percebe que a esquerda tem um espectro político amplo, incluindo a social democracia, sistema vigente na maioria dos países europeus. E que ser de esquerda significa, basicamente, estar do lado do oprimido).

Se você pertence ou se aproxima destes grupos descritos acima, ou de qualquer outro parecido…. então VOCÊ é cúmplice dos golpes que se armam. VOCÊ joga contra o Brasil e contra os povos latino-americanos (mesmo que não saiba disso). VOCÊ está ajudando o planeta a escrever um novo capítulo de sua história, onde mais uma vez, uma Era de sombras pode estar se aproximando da humanidade, e você, que se acha bem informado ou bem intencionado, é responsável por esse fenômeno.
(Segue um excelente artigo didático sobre as várias facetas do golpe. Clique AQUI)

Sim, eu sei que o sistema educacional e a mídia nos corrompem, nos ludibriam, nos enganam, nos fazem jogar do lado que eles querem que joguemos. Mas no fundo no fundo, nós somos seres pensantes, e só não nos livramos dessas amarras e alienações, pois somos reféns de nossas fraquezas, nossas ambições, nosso orgulho, nossa arrogância, nosso ego. Se fossemos seres humanos melhores, como fingimos ou aspiramos ser, seria muito mais fácil sairmos dessa prisão ideológica, e fazermos desse mundo um lugar melhor para todos.
O culpado portanto é VOCÊ!

E se o pior acontecer, eu lamentarei, por mim e por você.

por Miguelito Formador

figura montagem própria (originais daqui + daqui + daqui + daqui)

Leonardo_BoffUm dos mais conhecidos teólogos do Brasil, Leonardo Boff é um nome atualmente aclamado em todo o mundo. Aos 75 anos, Boff é um intelectual, escritor e professor premiado e respeitado no país, cuja opinião é ouvida por personalidades com o Papa Francisco e os presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Já o acompanho e leio suas ideias há um bom tempo. Dificilmente tenho algo a criticar sobre o que ele diz, normalmente é impecável aos meus olhos. Pensador que possui muita sanidade, honestidade intelectual, sabedoria, bondade, vasto conhecimento, e muito, mas muito senso de justiça.

Nesta entrevista, porém, Boff se supera. Ele consegue, em poucas linhas, tratar laconicamente, mas nem por isso sem eficiência e/ou sem didática, de diversas questões que parecem, aos olhos de muitos, não estarem conectadas, mas na verdade muitas delas se encontram e se influenciam, direta- ou indiretamente, muitas vezes num jogo de “causa e efeito”.

Entre os assuntos tratados por ele estão: pobreza e riqueza, ética social, sistema capitalista selvagem baseado na especulação financeira, política no Brasil, PT e Dilma, candidatos e partidos de oposição, avanços sociais obtidos nos últimos anos e o que ainda falta para o povo. Fala ainda da igreja católica e cristã, passando por Jesus Cristo e chegando ao momento atual da Igreja Católica com o Papa Francisco. Fala do protestantismo e Lutero, critica os religiosos que fazem da religião um grande “negócio”, usando o evangelho para justificar ideias retrógradas, tirar dinheiro dos fiéis e manipular mentes. Tece comentários sobre a situação no Oriente Médio (Israel & Palestina), aborto, violência, crise econômica e social na Zona do Euro, América Latina como esperança para o futuro, e sobre a crise ecológica e econômica mundial.

Sobre essas últimas duas, Boff diz estarem profundamente conectadas, estando o capitalismo fundado na exploração dos povos e da natureza. Ele fala: “Esse sistema não é bom para a humanidade, não é bom para a ecologia e pode levar eventualmente a uma crise ecológica social com consequências inimagináveis, em que milhões de pessoas poderão morrer por falta de acesso à água e à alimentação”.

Para ler a entrevista, clique AQUI.

por Miguelito Filosófico

* figura retirada do perfil de facebook de Leonardo Boff

Marina_SilvaEncontrei num desses consultórios uma revista Veja, que mostrava na capa a “importante” notícia sobre chocolates e em quadros menores o anúncio do especial de 25 anos da Constituição e o título “Eleições 2014 – A escolha de Marina”.

Como uso bastante a máxima “Conheça o teu inimigo” do livro “A Arte da Guerra”, decidi abrir a revista e ler a reportagem.

A revista mostra uma Marina emotiva (sempre aos prantos) e indecisa; talvez para desacreditá-la de uma vez como candidata. Porém, algumas coisas positivas da reportagem e do Roda Viva que vi recentemente com a ex-senadora são passíveis de análise.

Começando pelo subtítulo da matéria: “A hesitação da ex-senadora em definir a candidatura a presidente repete o conflito que marca sua carreira: manter intocáveis os seus princípios ou ceder ao pragmatismo?

Na minha opinião, a posterior (em relação a reportagem) filiação de Marina ao PSB, de Eduardo Campos, mostra uma desistência (ao menos temporária) dos princípios. Ceder, nesse caso foi desistir da brilhante campanha “quase que independente” pelo PV nas últimas eleições presidenciais. Aliar-se a um outro partido/candidato foi algo refutado pela senadora nas últimas eleições que disputou. E não foi por falta de “cantadas”, pois os quase 20 milhões de voto conquistados por Marina atraíam ambos os candidatos do segundo turno.

Essa neutralidade, que chamou a atenção de muitos brasileiros, foi por terra agora.

Daí vêm algumas frases de Marina Silva destacadas na revista, como: “Já somos partido político, sim. Se agora não temos o registro legal, temos o registro moral perante a sociedade brasileira” e “Muitos partidos se institucionalizam para depois ganhar representação social. Nós fizemos exatamente o contrário. Ganhamos representação social no país inteiro e depois buscamos a institucionalização

Aqui quero comentar que embora contra a suruba de partidos no Brasil (ver post anterior aqui), assinei eletronicamente há algum tempo um abaixo-assinado para a criação do Rede Sustentabilidade. Não sei se essa assinatura via internet contou. Sei que assinatura “no papel” não houve (ao menos de minha parte) e achei estranho a aprovação ter falhado justamente no ponto mais “fácil” do processo.

Alguns blogueiros escreveram na época que foi um plano proposital, de clamar a atenção da mídia após estar ausente das eleições de 2012, para depois unir forças ao pré-candidato Eduardo Campos. Não acredito nisso, ou melhor, não quero acreditar nisso.

Pra finalizar, uma frase estranha: “Nem direita, nem esquerda. Estamos à frente

Pra início de conversa, negar a existência da dicotomia direita-esquerda é papo da direita. Que há algum tempo foca nesse discurso para despolitizar e “emburrecer” de argumentos as campanhas, projetos e plataformas de governo.

E, cá pra nós, Marina Silva negar a clara convicção de esquerda, trazida desde a fundação do PT e das origens no Acre defendendo a floresta Amazônica é negar a si mesma! Talvez o discurso tenha mudado para atrair políticos como Heloísa Helena e Walter Feldman, que entrariam no Rede. Mas, creio que mesmo o ex-tucano aceitaria uma clara definição social e radical do partido que seria criado.

Uns podem dizer que as influências e apoios recentes de Marina, como o banco Itaú, disfarçado de “empresa responsável e sustentável” a impeçam de ser o que realmente é (ou foi).

Se por um lado, ela não fugiu de temas como corrupção, reforma política, casamento gay e black blocs durante a entrevista ao Roda Viva; por outro creio que falta nela, pra mim, algo de Plínio, Heloísa, de radicalismo (ou de PSOL) para abarcar de vez os insatisfeitos com os dois (ou três) maiores partidos que governam o país há duas décadas.

por Celsão correto

figura retirada do site oficial de Marina Silva (aqui)

link para vídeo do programa Roda Viva (aqui)

futizqperspEstava passando pelos canais da TV hoje a noite e felizmente cheguei num programa sobre futebol na TV Cultura.

Lá estava Walter Casagrande e, além de futebol, foi apresentado o livro “Futbolistas de Izquierdas” de Quique Peinado, que tem a capa interessantíssima com a cor vermelha e a imagem de Sócrates/Che. O livro contém episódios, clubes e jogadores-personagens  esquerdistas e lutas contra ditaduras.

Um vídeo-trailer sobre as o livro pode ser visto no youtube aqui. Um destaque para a chamada “Democracia Corintiana” da década de 80, na qual participaram o próprio Casagrande e Sócrates.

Este movimento, onde todos no clube decidiam sobre tudo, desde contratações a concentrações e datas das viagens, através de votação simples (sem diferenciação entre diretores, jogadores e funcionários), ultrapassava as fronteiras do futebol com mensagens como “eu quero votar pra presidente” em camisetas e faixas, durante o período final da Ditadura Militar. Além disso, houve participação ativa dos atletas na campanha nacional “Diretas Já!”

Voltando ao programa de TV, Casagrande admitiu ser “esquerda” e “petista”, mas ressaltou estar atualmente mais ligado à pessoas que ao partido, por questões ideológicas.

Puxando outro assunto, que julgo ser relevante, o “doutor” Sócrates insistia em pedir mais politização dos nossos craques; pois, pregava ele, jogadores de futebol no Brasil têm muito espaço na mídia e poderiam usar essa exposição de forma inteligente, ao invés de somente alimentar o consumismo sem limites.

por Celsão correto

P.S.: o livro ainda não está traduzido para outras línguas, mas pela repercussão que vem causando, pode ser que apareça em breve.

P.S.2: ao menos o vídeo-trailer tem trechos em Português 🙂

imagem retirada do site da editora do livro – aqui