Posts Tagged ‘Michel Temer’

img_20161204_161853917Tinha de tudo…

Tinha muito “Fora Temer”, bordão já conhecido dos que frequentam a Avenida Paulista como espaço de lazer aos domingos.
A diferença é que haviam uns textos um tanto “ameaçadores” em distribuição: “Temer, você é o próximo!”, pregavam.

Tinha “Veta Temer” também.
E aqui tive alguma dificuldade para interpretar se a pessoa é a favor do presidente peemedebista ou se tem somente uma vã esperança de que este tome a reação popular e o problema causado pelas votações realizadas durante a semana passada na “calada da noite”, como problema da Nação Brasileira e vete todos os pontos alterados nas dez medidas anti-corrupção.
A manobra foi suja e indigna, mas não creio que o presidente vetaria a sua totalidade. No máximo distorcerá algum item para que fique ainda mais oblíqua a interpretação do texto final…
(É verdade. Não tenho esperança alguma em Michel Temer)

img-20161205-wa0001_Tinha “Fora Renan” e “Fora Maia”.
Mas poucos pareciam estar na manifestação para afastar os presidentes corruptos do Senado e da Câmara Federais. Os verdadeiros artífices do processo de alteração e votação das medidas contra a corrupção.
Renan, agora réu, aparecia mais. Havia inclusive um boneco dele, ao lado de um dos carros de som.
Tomando o que fizeram: durante a madrugada, sem aviso e com pouco alarde, na noite pós acidente aéreo da Chapecoense (post nosso aqui), em que todos estavam “concentrados” e consternados com o ocorrido, foi incabivelmente errado.
O mínimo a pedir, numa manifestação justa, é o afastamento (ou renúncia, melhor ainda), de Renan e Maia.

Mas as faixas mostravam mesmo era o apoio irrestrito à Lava Jato. Meu Deus, como tinha citação da Lava Jato.
E, como não poderia deixar de ser, vinculado, ligado à Lava Jato está o “Herói Nacional” Sérgio Moro. Tinha Sérgio Moro de Super-Herói, em estampas de múltiplas camisetas, em faixas… Arrisco a dizer que tinha mais Sérgio Moro, que Polícia Federal, Ministério Público e Lava Jato juntos…
Sou contra o endeusamento do juiz. Seus métodos são passíveis de discussão, visto que não são unanimidade sequer na classe jurídica (post nosso aqui).
Mas acho equivocada a determinação, ou a “abertura” criada pela lei de abuso de autoridade. O caminho, pra mim, é julgar cada ato dos juízes isoladamente. E punir em caso de real abuso.
Cercear juízes, Polícia Federal e Ministério Público, praticamente impedindo-os de julgar políticos, proferir sentenças e REALMENTE investigar os crimes cometidos por estes, é tolher a justiça. Ou, ao menos, direcionar os seus efeitos…
As reclamações sobre esse ponto, ou sobre essa alteração são justas. Só não precisava parar aí, ou focar demasiadamente aqui.

Tinha gente de verde a amarelo e gente de preto.
Tinha gente criticando os de preto e nos “alertando” sobre a real intenção desses. Diziam que eram a favor do PT e da Dilma, sem sequer perguntar minha opinião.
Mas o texto desses de preto, pedia a prisão do Lula e citava o governo PMDB como continuação do “desastre PT”.
Aquele velho problema de quem critica sem sequer ler a mensagem passada, sem pensar ou entender, sem pesquisar que o principal partido articulador da votação às pressas e “na miúda” foi o PSDB, queridinho do estado de São Paulo. (aqui notícia do Estadão a respeito)
Enfim… dá pra deduzir que tinha muita gente sem saber contra o quê protestar.

Tinha carro de som e artista falando.
Tinha presença de movimentos “apartidários”.

Tinha conhecido, encontrado por acaso, me perguntando que cartaz eu carregava.
E a esses, respondi refazendo a mesma pergunta.

Tinham cartazes pedindo intervenção militar. Alguns pediam isso e usavam o “já”, para dar intensidade.
Tinham cartazes pedindo o fim dos privilégios, pedindo o fim dos partidos, pedindo anarquia…

E tinha gente que só passeava. Ouvia boa música, aproveitava o domingo.
Coisas de paulista na Paulista…

Aliás, tal criação do petista Haddad (que propôs fechar a avenida mais famosa da cidade aos domingos para o lazer), fez-me lembrar que outra petista, Dilma, foi quem anunciou o tal “pacote” de medidas anticorrupção em Março do ano passado (aqui em nosso arquivo, e aqui citando uma fonte da mídia).
Pacote de medidas, destroçado e distorcido agora.
Coisas de Legislativo Brasileiro…

por Celsão correto

figuras de arquivo próprio

post_geddelMais uma de Temer e de seus nomeados Ministros.

Depois de Romero Jucá, afastado com uma semana de mandato, após vazamento de uma gravação feita via grampo telefônico, revelando bastidores do impeachment e de intenções de barrar a Lava Jato (post nosso aqui), agora é o secretário de governo e articulação, Geddel Vieira Lima que está na mira da Comissão de Ética da Presidência da República, devido a um escândalo de intervenção no Ministério da Cultura, que causou o pedido de demissão do então Ministro da pasta, Marcelo Calero.
Pra quem nada leu a respeito, seguem notícias aqui e aqui. E um resumo de quem é Geddel, conhecido dos escândalos em nível federal, aqui.
E pra quem não lembra do nosso post descrevendo os ministros nomeados por Temer em Maio, aqui, copio o trecho relacionado a Geddel:

Secretaria de governo – articulação: Geddel Vieira Lima (PMDB/BA); acusado de receber dinheiro de empreiteiras. Citado na operação Lava Jato, é suspeito usar sua influência para atender a interesses da construtora OAS na Caixa Econômica Federal, banco do qual foi vice-presidente de Pessoa Jurídica

Pra começar a expor minha opinião pirata, devo-me o eco de repetir que a tolerância à falta de ética deve ser zero!
E que tráfico de influência, em favorecimento próprio ou de outrem, é corrupção!
Sobretudo quando pede-se algo “fora da lei”, como atuar pressionando um órgão público (Iphan) para garantir a liberação de uma obra embargada, em terreno tombado pelo patrimônio público e cultural!
E… se os citados na denúncia de Calero à Polícia Federal: entre eles o próprio Geddel Vieira Lima e o presidente Michel Temer não negam que falaram com o ex-Ministro sobre o empreendimento, assumindo que ‘possui interesse privado na liberação da obra’ e que ‘esses conflitos e pressões políticas são normais, encaminhe o caso para a AGU dando uma desculpa’, respectivamente; o que será que eles disseram e fizeram, além de REALMENTE pressionar Marcelo Calero a fazer vistas grossas e agir de modo imoral?

Sem medo de perjurar, arrisco-me a dizer que o presidente Michel Temer, amigo de Geddel, agiu sim de forma anti-ética pedindo a intervenção do ex-Ministro, ao menos para que alegasse qualquer problema e passasse para a Advocacia da União o imbróglio. (aqui)
E uma prova forte dessa afirmação é a convocação do porta-voz da presidência para dar esclarecimentos à imprensa. Duvido que o assunto tomaria tais proporções se a denúncia de Marcelo Calero (divulgada em entrevista e colhida como depoimento), cuja reputação ilibada foi defendida por Temer inclusive, não procedesse.

E não me surpreende o fato da base aliada do governo (PMDB, PP, Solidariedade), do atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do multi-citado em inquéritos, e presidente do Senado, Renan Calheiros, saírem em defesa do Ministro Geddel.
São “farinha do mesmo saco”, se defendem até o limite da honra, principalmente quando dependem uns dos outros para aprovar temas polêmicos: como o projeto de criminalização do abuso de autoridade, a anistia ao crime de caixa dois, a repatriação de valores evadidos ilegalmente (de relatoria, imparcialíssima, de Romero Jucá), entre outros.

É na articulação com o governo que se buscam defensores para emendas suspeitas, mudanças em textos e em relatórios, subterfúgios (i)legais. E são as casas do Legislativo que podem bloquear o alcance da Lava Jato e de outras operações; ou ao menos amenizar os efeitos na classe política.
Tampouco me surpreenderá, num futuro próximo, uma alteração da PEC do limite de gastos, aumentando os salários dos nobres servidores políticos além do limite a impor para os próximos vinte anos…

É triste. Mas a corrupção e a falta de ética estão cada dia mais presentes, descaradas e aceitas.
Sugeri que todos os ministros de Temer citados em investigações fossem afastados. Agora são muitos os comentaristas que pedem a renúncia de Geddel. Mas tudo parece que vai acabar, infelizmente, em na “Grande Pizza” citada aqui mesmo.

por Celsão revoltado

figura retirada daqui

P.S.: Recomendo um vídeo sobre o caso, gravado do comentário matinal do Boechat, que analisa outras decisões “inúteis” do Conselho de Ética da Presidência da República (aqui)

P.S.2: Não menos importante, recentemente, Jucá se tornou novamente réu, agora da operação Zelotes, em seu sétimo inquérito / acusação (aqui)

Post_9mesesNove meses. Reta final.
Dessa vez não é um bebê que vem ao mundo, mas uma presidente eleita que deve ser permanentemente afastada, sofrerá o quase certo impeachment.

Hoje pensei em exercitar a memória e me perguntar o que aconteceu no período.

Primeiro o processo foi iniciado pelo então (e provavelmente futuro) presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, exercendo o poder a ele concedido.
O senhor Cunha não precisa de apresentações. Procrastina o próprio processo de cassação há um bom tempo e articulou sabiamente até aqui para que o mesmo acabe em pizza.
Se alguém não mais acompanha, o atual presidente, Rodrigo Maia, marcou para 12 de Setembro a seção de votação do processo de cassação de Cunha. A data é propositalmente uma segunda-feira, historicamente sem grande movimento na casa, e o mais próximo possível da data das eleições municipais deste ano. Sem quórum, sem cassação.
Sem contar que ocorrerá depois da definição sobre Dilma, aumentando as chances do perdão ao peemedebista.
Além disso, não esqueçamos, que o pedido de impeachment de Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal é de Setembro de 2015! Mais precisamente, 01/09/2015. E só foi aceito pelo ilustríssimo Eduardo Cunha em Dezembro (!) após a bancada do PT votar a favor da cassação de Cunha no Conselho de Ética.
Ou seja, tudo começou por birra e pelo fato de deputados do PT buscarem algo de ética no legislativo!
(referências aqui sobre o pedido de impeachment e aqui sobre o início do processo)

Depois vieram as reuniões e promessas da oposição (não querendo simplificar nem classificar aqui como direita).
Foi um período de discussões ácidas e acusações mútuas em redes sociais. Julgamentos. Dicotomia. Ou se era coxinha, ou petralha. Um lado precisava ser escolhido, como o sexo com que se nasce…
Foi o período também que as palavras golpe e democracia foram usadas pelos “dois lados” com interpretações e maquinações diversas.
Destaco que o lado coxinha, “apelou” de modo confuso e unilateral para o fim da corrupção, para a retomada do crescimento, da confiança dos empresários, do fim da crise.
O lado petralha acusava a oposição de fazer (e haver feito) o mesmo “crime”, das tais pedaladas fiscais.
Escrevemos sobre isso algumas vezes, destaco uma interpretação de americanos que estudam o Brasil e os chamados “golpes suaves”, aqui.

E, complementando, o período também foi de Lava Jato. De furor, de heroísmo do poder Judiciário, que vivia uma ganância por aparecer. Uma “ambição de vitrine” no ícone Sérgio Moro.
Este personagem dantesco, vivia um período de absolutismo. Deteu, coagiu, forçou delações premiadas. Aqui, o interessante foram as críticas de juristas e juízes aos seus métodos. E a comparação à uma operação semelhante ocorrida na Itália.
Naquele país, o juiz que condenou políticos e empresários, entrou para a política.
Aqui, o nosso herói deixava escapar sorrisos ao ser aclamado nas ruas e ao receber convites para filiações partidárias.
Os crimes também foram relativizados. Uma escuta clandestina pôde valer para um, mas não para outro. Uma acusação em delação, idem. A mídia execrou quem ela quis, apoiando a oposição e direcionando o brasileiro mediano a aceitar os caminhos que estavam em curso…
Um exemplo do que ocorreu, quando Jucá assume em gravação que participou da manipulação para o impeachment, pode ser lido aqui. Um exemplo dos contrapontos jurídicos do herói Moro pode ser lido aqui.

Temer assume.
Glória a Deus nas alturas! Nesse caso quase que literalmente, pois nosso interino se declarou católico e simpatizante dos evangélicos nas redes sociais. Além disso, fez aparecer que sua esposa, apesar de muito mais nova que ele, era “bela, recatada e do lar”. Segundo uma tal revista, apoiadora de todo o movimento (aqui).
A imagem estava em plena construção.

Ministros nomeados. Patética demonstração de rabo preso e desconstrução do passado recente.
Se toda a mudança é positiva, não é tudo o que se precisa mudar…
Muitos condenados na lista, nenhuma minoria: negro, mulher. Cortes de pastas em setores “pouco importantes”, como a Cultura (totalmente desinteressante quando se quer manipular) e a reforma agrária (afinal, quem quer terra é pobre aproveitador. Um pobre correto busca outro trabalho!)
A confusão se instaura quando muitas das decisões são revogadas e ministros afastados (como o próprio Jucá, citado em link acima). Nós publicamos a nossa análise do ministério, vindo de outra fonte, aqui.

E agora estamos aqui.
A Operação Lava-Jato, ícone para muitos do “combate à corrupção” caminha a passos de tartaruga. Como que se já tivesse cumprido a função pré-determinada…
A tal redução de gastos virou chacota. Um dos maiores aumentos de salários do STF e poder judiciário está em curso. Aumento, lembremos, vetado por Dilma no ano passado e adiado por Meirelles no momento da posse (para não correr o risco de causar problemas e revoltas no princípio da “retomada”).
Tal aumento, certamente desencadeará outros tantos. Pois os outros poderes terão prerrogativas de equiparação.
E o rombo, que seria de R$139 bilhões, pode passar facilmente dos 200!
E, ao meu ver, isso não preocupa o presidente interino, nem a sua equipe. Parodiando Ciro Gomes: “Cobrar austeridade de Temer é esperar maracujá em pé de maçã” (aqui)

Ainda espero a mágica do fim da corrupção, do fim da crise, do crescimento industrial, do Brasil rico!
Pois a mágica do Brasil igualitário, essa está cada dia mais distante…
Enquanto esperamos, vemos coisas como o plano de demissões voluntárias da Embraer. Numa economia em plena recuperação…

por Celsão revoltado

figura: composição entre figuras retiradas daqui e daqui

 

Dilma_Cabisbaixa
Privar o Palácio Alvorada de comida (comida para Dilma).
Restringir os voos de Dilma.
Proibir a TV pública de usar a palavra Presidenta.

Para qualquer pessoa com um mínimo de sanidade mental e honestidade intelectual, SÓ isso já é suficiente para entender que o Brasil está vivendo um golpe de Estado, com características presentes em qualquer ditadura da história.

E olha que nem mencionei o processo de impeachment, que ocorreu sem legalidade constitucional, pois faltaram os princípios geradores de Impeachment. Nem mencionei as conversas de Jucá, Sarney, Calheiros, etc, onde confessam tirar a Dilma para se livrarem da Lava-Jato, tampouco mencionei que, também nessas conversas gravadas, o Ministro da Transparência (órgão máximo anti-corrupção), Fabiano Silveira, dá dicas a Renan Calheiros de como driblar a Lava-Jato.

Não mencionei que a Transparência Internacional, maior organização do mundo no combate à corrupção, rompeu relações com o Brasil e o governo Temer, após o escândalo envolvendo o Ministro Fabiano Silveira. (Aqui)

Olha que não mencionei que documentos do Wikileaks e de Snowden (NSA) revelam SEM CHANCE DE REFUTAÇÃO, que Michel Temer serviu de informante para inteligência americana CONTRA os interesses nacionais do Brasil, o que configura o crime mais grave contra a soberania da nação.

Nem mencionei que, entre os ministros de Temer, não há 1 negro nem 1 mulher, e que mais de 70% dos ministros sofrem atualmente processos judiciais por corrupção e outros crimes até mais graves (esse corpo do Governo JAMAIS venceria uma eleição, e só é possível assim, tirando um presidente eleito democraticamente pelo voto, e se apoderando do Estado sem a menor legitimidade do povo)…..

Não mencionei que TODOS os ministérios extintos pelo Governo Temer, são ministérios que servem aos já poucos direitos de minorias, e/ou que servem à cultura e educação do povo. E que os cortes públicos que estão ocorrendo, todos eles, somente impactam o bolso e as vidas do povo pobre, já tão sofrido…. enquanto isso, servidores do judiciário e cargos políticos como os parlamentares, têm “gordo” aumento salarial aprovado pela Câmara em MEIO Á CRISE e a CORTES DE GASTOS PÚBLICOS.

Nem mencionei que José Serra, Ministro das Relações Exteriores, já anuncia medidas claras para abrir a exploração de nosso Petróleo para o capital estrangeiro, e já “abana o rabo” para a privatização total ou parcial da Petrobrás (os recursos advindos do Petróleo representa”va”m o nosso sonho de um país realmente melhor, e emancipado.

Eu nem mencionei….. Ah, nem mencionei um monte de coisa.

Mesmo que você não acredite, com toda essa boa/má-fé sua, que não houve golpe de Estado, pelo menos, o mínimo que você deveria aceitar e entender, é que o maior golpe está sendo dado contra o POVO brasileiro e em nossa soberania enquanto Nação.

* Assistam ao vídeo, de apenas 3 minutos, inspirador deste texto. Comentários de política com Bob Fernandes (Aqui)

por Miguelito Formador

figura daqui

Jucá_grampo
E não é que nem bem o “corpo esfriou” e o atual governo já mostrou as suas verdades…

Grampo telefônico ao Senador Romero Jucá (PMDB-RR), hoje Ministro do Planejamento de Temer, traz revelações “interessantes” sobre as intenções do impeachment e os bastidores da Lava-Jato (trecho da conversa na figura ao lado/acima).
Inclusive, na conversa gravada, o senador afastado havia mencionado que o impeachment de Dilma serviria para frear as investigações da Lava-Jato, a qual envolve todos os grandes partidos brasileiros.

No diálogo telefônico entre Jucá e o presidente da Transpetro, Sérgio Machado, alguns dos nomes em destaque foram: Eduardo Cunha, Michel Temer, Renan Calheiros, Aécio Neves.
Sérgio Machado, antes do PSDB e hoje filiado ao PMDB, diz que “o primeiro a ser comido vai ser o Aécio [referindo-se a Aécio Neves]”, e que “O Aécio não tem condição, a gente sabe disso, porra. Quem que não sabe? Quem não conhece o esquema do Aécio? Eu, que participei de campanha do PSDB…” (AQUI)

Surpresa?
A minha foi ver explicita- e declaradamente a revelação.
Para os que nos acompanham, para pessoas com discernimento, para outros “esquerdopatas”, o fato implícito da “Operação Fode PT”, a caça à corrupção, era pura maquiagem.
E, infelizmente, o bloqueio à operação Lava-Jato uma vez condenados os políticos petistas e aliados, era uma questão de tempo.

CapturarDiscuti com alguns amigos e colegas nas últimas semanas, expondo o prejuízo que previa, após o afastamento de Dilma: o surgimento de uma “Grande Pizza”, que ofuscaria a corrupção e os desmandos, latente em todos os partidos e instituições.
A “Pizza” serviria como panos quentes aos aliados da oposição a Dilma.
E como “tapa na cara” aos que foram a favor do impeachment usando o argumento de moralização.

Já haviam sinais implícitos, como o próprio corpo ministerial de Temer, divulgado por nós aqui.
Argumentos que os “isentões” ou desinformados poderiam refutar. “Coincidências”, ” teoria da conspiração”, diriam outros.
Mas foi tão explícito e grotesco, que Jucá já foi afastado, ou melhor, “pediu licença”. (aqui)

Também os militares são citados na conversa. Jucá diz: “Estou conversando com os generais, comandantes militares. Está tudo tranquilo, os caras dizem que vão garantir. Estão monitorando o MST, não sei o quê, para não perturbar.
Ou seja, setores das forças militares, compactuantes com o Golpe, estariam de olho no MST, caso estes decidissem criar resistência e protestar/lutar pela democracia e a favor da Presidente Dilma. Salvando as devidas proporções, ler isso dá um Déjà-Vu de 1964. (AQUI)

Outro fato esdrúxulo da conversa telefônica revelada entre Romero Jucá e Sérgio Machado, é o envolvimento do nosso STF (Supremo Tribunal Federal), o órgão máximo da justiça do Brasil; que no frigir dos ovos não parece ser tão imparcial assim, como alguns insistem em acreditar. (eu mesmo faço minha mea culpa – Celsão)
Jucá fala claramente que um dos únicos Ministros com os quais ele não tem ligação é o Teori Zavascki (AQUI). E que seria preciso encontrar alguém que tenha ligação com este… Caso de cadeia! Obstrução da justiça (ou tentativa de). Algo semelhante ocorreu para que prendessem o agora ex-Senador Delcídio.
Fato que, aliás, desencadeou todo este “esquema”, ou como disseram os próprios envolvidos, “Acordo Nacional”, a ser fechado com Michel Temer, com o Supremo, com todo mundo…

O que acontece daqui para frente?
Teremos uma investigação imparcial de todos os envolvidos? Principalmente aqueles já citados anteriormente em delações da Lava-Jato? Apenas Jucá será deposto e condenado (talvez preso), tornando-se ele próprio o “boi de piranha” necessário ao processo? Teremos realmente a “Grande Pizza” quanto à corrupção e à operação Lava-Jato?

Façam suas apostas.

Por Miguelito Formador e Celsão Correto

figura retirada da Mídia Ninja no Facebook

P.S.: Essa noite acompanhei o Jornal Nacional, curioso pela reação de William Bonner. Ele não estava na apresentação do programa, que obviamente não contou com narrações apaixonadas do conteúdo vazado DESSE áudio. O caso foi narrado sem emoção, que surgiu na reportagem sobre a crise de abastecimento na Venezuela, por exemplo…

ministros-temer-642x263Perdão pelo trocadilho.
Mas é quase inevitável usar o sobrenome de nosso presidente interino e o verbo sinônimo desse sobrenome.

Por que deveríamos temer os Ministros de Temer?
Talvez só o fato de não considerar mulheres e negros na formação desse primeiro escalão, já seja um sinal ruim. Visto que a maioria da população é de negros e de mulheres. Explicações e coincidências existem; mas, ao analisar a “ficha” desses Ministros, percebe-se que não foi um mero acaso…

Como “esquerdopata” assumido, temo pela corrente de Estado Mínimo, pelas privatizações e por todo o jogo de interesses que tende a ser danoso para a maioria.
Compartilhamos abaixo a ficha corrida dos ministros escolhidos. Temos de tudo “o que não presta”, como diriam os mais velhos: investigados na Lava Jato, desmatadores profissionais, conselheiros de grandes empresas e criminosos (ops…), melhor dizendo, outros que são investigados por crimes como fraude em licitações e improbidade administrativa.
Para que cada qual tire as suas conclusões…

por Celsão irônico e Miguelito Nervoltado

______________________________________________________________________________

Michel Temer começou seu governo dando posse aos seus ministros. Ele conta com pessoas vindas de 11 diferentes partidos.

Dos 23 primeiros indicados, sete são investigados pela Lava Jato. Na internet, esse fato aliado ao de que não há uma única mulher ou negro como parte do primeiro escalão surgiu a piada: “não havia negros ou mulheres precisando de foro privilegiado”. O que acusaram Dilma de tentar fazer com Lula, Temer fez com sete novos ministros.

Entre os golpistas tem general das Forças Armadas, latifundiário, acusado de envolvimento com o crime organizado, acusados dos mais diversos crimes, desde improbidade administrativa, lavagem de dinheiro  até fraude em licitações etc.

Veja aqui a lista:

– Justiça e Direitos Humanos: Alexandre de Morais; secretário de segurança do governo de São Paulo de Geraldo Alckmin (PSDB). Segundo denúncias é ex-advogado do PCC e sofre diversos processos em SP. Foi o responsável pela dura repressão contra manifestações em São Paulo, desde as grandes mobilizações contra o aumento da passagem, de secundaristas, professores e outros. Para ele, “movimentos de esquerda devem ser combatidos”.

– Agricultura: Blairo Maggi (PR/MT); hoje do PP-MT, deixou o PR para poder assumir a pasta. É investigado por lavagem de dinheiro na Operação Ararath; é o maior produtor de soja no país e conhecido como sendo um dos maiores desmatadores de terra do País.

Cidades: Bruno Araújo (PSDB/PE); recebeu dinheiro de empresas investigadas na Lava Jato. Teve o nome citado na lista de pagamentos feitos pela Odebrecht, referente às campanhas eleitorais de 2010 e 2012.

Trabalho: Ronaldo Nogueira de Oliveira (PTB-RS); indicado de Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, que negociou o cargo com Temer.

Casa Civil: Eliseu Padilha (PMDB/RS); indiciado por crime em licitações e formação de quadrilha.

– Secretaria de governo – Articulação: Geddel Vieira Lima (PMDB/BA); acusado de receber dinheiro de empreiteiras. Citado na operação Lava Jato, é suspeito usar sua influência para atender a interesses da construtora OAS na Caixa Econômica Federal, banco do qual foi vice-presidente de Pessoa Jurídica.

– Fazenda: Henrique Meirelles (PMDB, ex-PSDB/GO); acusado por sonegação de impostos filiou-se antes da indicação. Foi presidente do BankBoston e esteve à frente do banco Original, do grupo JBS. Presidiu o Conselho da J&F Investimentos e era membro do Conselho do Lloyd’s de Londres e do Conselho de Administração da Azul Linhas Aéreas.

– Relações exteriores: José Serra (PSDB/SP); não é necessário maiores apresentações. O tucano foi prefeito da cidade de São Paulo e governador do estado. Tem 17 processos na justiça eleitoral, 3 processos por improbidade administrativa etc. Virou motivo de piada quando deu entrevista ao jornalista Boris Casoy e se referiu ao Brasil como Estados Unidos do Brasil, e não República Federativa do Brasil.

– Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações: Gilberto Kassab (ex-Maluf, ex-Serra e ex-Dilma), fundador do PSDpara combater o PMDB. Ex-prefeito de São Paulo, denunciado por improbidade administrativa quando, como secretário de Planejamento do ex-prefeito Celso Pitta seu patrimônio aumentou 316% acima da inflação; seu mandato de prefeito foi cassado em 2010 por suspeita de recebimento de doações ilegais na campanha de 2008; também foi denunciado por contratar, como prefeito de São Paulo, uma empresa para inspeção de veículos poluidores, a Controlar. Inexplicavelmente, reverteu todas as acusações na Justiça paulista.

– Assessor especial da Presidência: Sandro Mabel (PMDB/GO); investigado por fraude no pagamento de auxílio-creche e vale transporte. É autor do famigerado Projeto de Lei 4330 de 2004, que prevê acaba com a legislação trabalhista e nome de uma suposta regulamentação da terceirização.

– Educação: Mendonça Filho (DEM/PE); é um dos líderes do movimento pró-impeachment. É acusado de receber 100 milhões da Camargo Correia de acordo com a operação Castelo de Areia. Seu partido o DEM é o autor de ação que questionou na justiça as cotas raciais nas universidades públicas do País.

Defesa: Newton Cardozo Jr. (PMDB/MG); teve seus bens e de seu pai bloqueados pela PF por emissão de notas fiscais falsas.

Desenvolvimento Social: Osmar Terra (PMDB/RS); cometeu irregularidades nas gestões de Terra na Secretaria de Saúde em uma prefeitura e o condenou a pagamento de multa

Esportes: Leonardo Picciani (PMDB/RJ); investigado por crime eleitoral, era considerado aliado de Dilma, pois não seguiu a orientação do partido e votou contra o impeachment na Câmara dos Deputados.

– Planejamento Desenvolvimento e Gestão: Romero Jucá (PMDB/RR); investigado por receber propina e desvios de dinheiro na Lava Jato.  é alvo de dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF). A suspeita é de recebimento de propina de contratos do setor elétrico disfarçada de doação eleitoral a seu filho, que disputou o cargo de vice-governador de Roraima em 2014. Jucá também é investigado no principal inquérito da Lava Jato no STF, que apura formação de quadrilha no esquema de desvios da Petrobras. Esteve à frente da saída do partido do governo Dilma.

– Defesa: Raul Jungmann (PPS-PE); deputado federal e ex- ministro de FHC, foi investigado por fraude em licitação, peculato e corrupção em contratos de publicidade entre 1998 e 2001, período em que era ministro.

– Casa Civil: Eliseu Padilha (PMDB-RS); em 2015 livrou-se de um inquérito por peculato (desvio de recurso por funcionário público) graças a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Era investigado pela contratação de uma funcionária fantasma em seu gabinete na Câmara.

Fiscalização, Transparência e Controle (antiga Controladoria Geral da União-CGU): Fabiano Augusto Martins Silveira; foi conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) no biênio 2011-2013.

Advocacia Geral da União-AGU: Fábio Osório Medina; ex-promotor de Justiça do Rio Grande do Sul. Chegou a ser convidado, por senadores da oposição ao governo Dilma, a falar na comissão especial do impeachment no Senado.

Minas e Energia: Fernando Coelho Filho (PSB-PE): votou a favor do impeachment na Câmara e é filho do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), que votou a favor abertura do processo de impeachment no Senado.

Integração Nacional: Helder Barbalho (PMDB-PA); ex-prefeito de Ananindeua (PA), é acusado de improbidade administrativa por envolvimento em esquema de desvio de cerca de R$ 2,78 milhões do Sistema Único de Saúde (SUS) utilizando contratos irregulares com empresas “fantasmas” entre 2005 e 2012.

Meio Ambiente: Sarney Filho (PV-MA); volta à pasta que ocupou entre 1999 e 2002, no governo de Fernando Henrique Cardoso. Foi um dos investigados pelo Ministério Público por usar sua cota de passagens áreas para voar ao exterior com a mulher e o filho.

Turismo: Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN); citado na Lava Jato, passa a ter foro privilegiado com o cargo.

Transportes, Portos e Aviação civil: Maurício Quintella (PR-AL); foi investigado e condenado em 2014 por envolvimento em um esquema de desvio de dinheiro da merenda escolar no seu Estado quando era secretário da Educação entre 2003 e 2005. Ele recorre da decisão.

– Indústria e Comércio: Marcos Pereira (PRB); bispo licenciado da Igreja Universal chegou a ser cotado para o ministério da Ciência e Tecnologia o que gerou péssima repercussão para Temer. Ele já foi vice-presidente da TV Record, que pertence à Universal.

Desenvolvimento Social e Agrário: Osmar Terra (PMDB-RS); para se ter uma ideia da sua posição a favor da repressão contra drogas e tráfico, é radicalmente contra a proposta de descriminalização da maconha e a favor da internação compulsória de dependentes químicos em determinadas circunstâncias.

Saúde: Ricardo Barros (PP-PR); relator do Orçamento 2016, o deputado Ricardo Barros defendeu corte de R$ 10 bilhões no Bolsa Família. Um inquérito no STF investiga orientação para direcionar licitação de publicidade da prefeitura de Maringá, no valor de R$ 7,5 milhões.

– Gabinete de Segurança Institucional: General Sérgio Etchegoyen; pasta que Temer decidiu recriar o GSI, como o antigo SNI da ditaruda militar, pretende “reestruturar o sistema de inteligência do país”. “É filho do general Leo Guedes Etchegoyen, morto em 2003, um dos 377 agentes do Estado listados pela Comissão da Verdade como responsáveis por crimes na ditadura. Sérgio Etchegoyen foi um dos primeiros integrantes do Alto Comando do Exército a criticar o trabalho da Comissão após a divulgação do relatório, chamando-a de ‘leviana’”.

________________________________________________________________________________

P.S.: texto e figura retirados deste link.