Posts Tagged ‘retorno’

E la vamos nos #1Este site que agora leem, que muito prezo (prezamos, pois digo também em nome do Miguel e de alguns amigos e leitores cativos) estava digamos “abandonado”.

Foi parecido com aquele sentimento descrito no post “Letargia”, de agosto de 2017, (link aqui). O período pós-eleição não tem sido produtivo para mim.
Não é uma desistência, mas uma preguiça (admito sem orgulho de mim mesmo).
Conversando com amigos recentemente, Miguel incluído, é um modo de evitar o “eu te disse” se vierem críticas de eleitores do Bolsonaro à ações do próprio. Uma maneira [minha] de evitar o embate e a guerra depois de tanto “sangue virtual” derramado.

Mas… um primo prega que só se muda algo participando ativamente desse algo. E só se muda alguém de dentro para fora.
Não que anseie mudar opiniões ou gerar mais arrependimento nos votantes do atual presidente. Sei que houveram muitos que tinham boas razões para evitar Haddad e PT. Sei que muitos, também com inúmeras razões plausíveis, evitaram o Bonossauro (permitam-me o trocadilho) e fizeram campanha contra o mesmo.

Pois bem… Preguiça assumida.
Ideias não deixaram de surgir. Seguem povoando minha mente e gerando inquietude.
Assuntos, muito menos, surgem a todo momento e seguem incomodando, revoltando, tirando a paz.
Tem de seguir assim! Ou deixaremos de acreditar no Mundo e na humanidade…

Adiei a “volta”, pois não queria voltar criticando o governo.
Mas o marco de 100 dias, apesar de simples soma “redonda”, gerou dois artigos interessantes, daqueles “de fazer pensar”, do Josías de Souza (aqui) e do Reinaldo Azevedo (aqui). Ambos valem a leitura.

Para os mais radicais, de ambos os lados, tenho a dizer que não podemos ainda comprar armas no Makro ou Walmart; não houve perseguição aberta às minorias; nem as mudanças temerosas na direção de um Estado totalitário… E que sigamos assim!
As más notícias estão nos assuntos secundários: balbúrdias, trapalhadas, twittadas e presepadas dos filhos, da equipe de governo e do próprio presidente. Tirando o foco de assuntos que já poderiam ter sido encaminhados, para dizer o mínimo.

Como ufanista que sou, esperava de um governo militar e igualmente patriota…
– a valorização do Nacional (produção, indústria, povo e [por quê não?] forças armadas) e não a valorização de potências econômicas e militares estrangeiras
– o foco na educação e no conhecimento como base para um progresso contínuo e a longo prazo, diferente de negociatas nas nomeações do MEC
– esperava trabalho incessante e compulsivo, com foco e planejamento; não lives em redes sociais e twitts nocivos e danosos. Disfarçando a falta de articulação política.

A lista seguiria, mas, deixemos para outros posts.
Bem vindos de volta a esse espaço “E… lá vamos nós!”

por Celsão “ele mesmo”.

figura recebida como meme via WhatsApp. Origem desconhecida…