Posts Tagged ‘Rio de Janeiro’

Contrariando minha esposa, assisto vez por outra ao programa Fantástico, o “show da vida” ou ainda a “nossa revista semanal”.
O faço sem grandes expectativas. Naquela negação da chegada da segunda-feira e do retorno à rotina estressante da semana.

E não é que nesse domingo fui surpreendido?
Infelizmente, negativamente. O que me surpreendeu foi uma reportagem especial, tomando quase um bloco inteiro, sobre o fuzil-metralhadora AK47.

A notícia trataria supostamente da violência ocorrida na favela da Rocinha, Rio de janeiro, que demandou intervenção militar federal na última semana.
Mas não foram abordados os detalhes do ocorrido. Não se tocou no assunto tráfico de drogas, provável razão principal da briga entre facções rivais. Sequer das implicações sociais da “guerra” instaurada, como cancelamento de aulas, redução do comércio, plausíveis inocentes alvejados por balas perdidas de ambos os lados (e aqui são três os lados: facção A, facção B e polícia/exército)…
A notícia tratou da arma AK47…

Soubemos que o nome vem de “Kalashnikov automática”, fabricada em 1947. Vimos imagens do seu criador, Mikhail Kalashnikov e a sua estátua inaugurada recentemente em Moscou.
Vimos muitas fotos e vídeos do Estado Islâmico, Osama Bin Laden, terroristas em ataque ao Charles Hebdo, treinamentos com crianças árabes. Todas usando a arma.
Fomos “quase” convencidos de que, se russo, é mal. E que a Rússia é a responsável pela violência no Rio de Janeiro.

Somente um telespectador mais atento ouviu que a arma é produzida em diversos países, entre eles Bulgária, Romênia, India e China. Este último maior produtor mundial.
Que os Estados Unidos compram os fuzis de forma legal da China e do Leste Europeu, e são usados como principal entreposto para as Américas e a África.
E que também se fabricam rifles AK47 nos Estados Unidos! (informação aqui).

Num mundo onde o extremismo está cada vez mais presente, é correto aludir ao armamentismo e ao “contra-ataque”?
É saudável mostrar à população todo o poder do crime organizado, cobrando os parlamentares um “endurecimento” sem analisar as causas?

O problema das drogas no Rio de Janeiro, ampliável às armas e ao problema do terrorismo no Mundo, é por si só demasiado complexo e enredado. Não há solução simples e aplicável num curto espaço de tempo, como, por exemplo, um mandato de Prefeito ou Governador.
O que condeno é a abordagem da matéria. De um programa muito assistido, no canal mais assistido do país.
Já perdi as esperanças de discussões filosóficas e aprofundadas. Mas daí a mostrar por dez minutos a arma mais usada… Foi demais!

por Celsão revoltado

Vídeo no Youtube com o “extrato” da matéria pode ser visto aqui

imagem retirada daqui

FestaXPobrezaO Brasil parece estar chocado com a informação de que a escola de samba do Rio de Janeiro, Beija-Flor de Nilópolis, foi patrocinada pelo ditador da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, com a quantia de R$10 milhões.

O que eu não entendo é o seguinte: por que tanto espanto?

Nós, adultos, já passamos da fase de nos eximirmos de culpa com a desculpa de falsa inocência ou desconhecimento dos fatos.

Olhem para aqueles carros alegóricos do Carnaval da Sapucaí. Quanto vocês imaginam que custa o projeto e construção de um carro destes? E as fantasias? (sei que muita gente “compra” a própria fantasia, mas isso não é regra, pois muitas fantasias a própria escola “banca”).

Óbvio que, para construir um desfile com chances de vitória, necessita-se de fortunas. E por mais que os participantes, integrantes, organizadores, façam suas próprias doações, isso está longe de cobrir as despesas. Ou seja, de onde vem o dinheiro? Do céu?

Não gente. O dinheiro vem de patrocínios, muitas vezes, de grandes empresas. E qual a grande diferença de ser patrocinado por um ditador da Guiné, ou pela Coca-Cola, ou McDonalds, ou Nike, ou Apple, ou Samsung, ou Alstom, ou Itaú, ou Burger King, ou Shell, ou Volkswagen, ou Kalashnikov?

A diferença é que, se o dinheiro vem diretamente do ditador, então fica clara a conexão deste dinheiro com a barbárie. Agora, se o dinheiro vem de uma grande empresa de petróleo, armas, indústria alimentícia, vestuário, tecnologia, bancos, é primeiro necessário pesquisarmos (mas a minoria se interessa por pesquisar, ler, se informar) para então percebermos como essas empresas fazem negócios sujos pelo mundo, desde um simples cartel com pagamento de propina a políticos e empresários, até a exploração de trabalho escravo, assassinatos, contaminação química em países de legislações degeneradas ou pouco desenvolvidas.

Mas no fim, é a mesma coisa.

E é ainda mais inocente pensarmos somente no desfile das Escolas de Samba, e esquecermos do resto das alegorias existentes no mundo, que servem para satisfazer nossas ostentações.
No futebol não é diferente, ou então, como é possível comprar jogadores por algumas dezenas de milhões de dólares? Como é possível sustentar um time que paga, em média, 200 mil dólares de salário por jogador por mês!? Já pensaram o que significa ganhar 200 mil dólares por  mês? Existe alguém no mundo que precisa ganhar isso para ser feliz? Qual a parcela de influência disso na desigualdade social e na fome do mundo?
Ou seja, é gente ganhando dinheiro demais, desnecessariamente, e muitas vezes, dinheiro sujo.

Escolas de Samba, futebol, BBB, prêmio do Oscar, prêmio Grammy, basquete na NBA, festa de réveillon da Globo, propagandas distribuídas em novelas globais e em filmes, e “circus” como os programas do Luciano H. e da Regina C.. Até que ponto tais eventos, esportes, programas, ultrapassam o limite de proporcionar diversão e alegria, e invadem a esfera da busca ilimitada por dinheiro, gerando barbáries mundo afora?

Fala-se muito de “Pão e Circo” quando o assunto é política. Mas o verdadeira tática de “dominação” pão e circo, aparece no nosso dia a dia, e ela só existe, pois há demanda/consumo, ou seja, VOCÊ, EU, NÓS, aceitamos, consumimos, e assim, corroboramos.

Se passarmos a ser mais exigentes e seletivos com nossos lazeres, a oferta também começa a melhorar em qualidade.
Novamente, parece que o segredo e solução está somente em um lugar: VOCÊ!

por Miguelito Nervoltado

P.S.: Complementando o texto, segue um excelente video e análise dos fatos pelo Bob Fernandes (aqui) e a declaração do sambista mais famoso da escola sobre o financiamento (aqui)

figura retirada daqui

figura_post_tarifaNem por R$0,50 ou R$0,40. Agora é contra a corrupção!

Ano novinho em folha começando e aumentos nas passagens de ônibus urbano no Rio e em São Paulo em vigor. No Rio foram quarenta centavos a partir de sábado, dia três, e em São Paulo são cinqüenta de acréscimo desde terça-feira.

Diferentemente das piadas de “agora sou a favor pois facilitou o troco”, acredito (e espero) que as manifestações voltem a ocorrer.
Não pela utópica e impraticável tarifa zero numa cidade como São Paulo, mas pela falta de transparência no setor de transportes.
O Movimento Passe Livre (MPL) já marcou a primeira grande manifestação em São Paulo, que deve ocorrer nesta sexta-feira, dia 09/01/2015.

Pra quem não sabe, o MPL pediu à prefeitura a planilha dos gastos com as empresas prestadoras do serviço de transporte coletivo na capital (que são poucas, e já no comando há muito tempo). Houve até uma CPI na câmara municipal que visava investigar o sistema atual de licitação e prestação de serviços, mas ninguém logrou abrir a “caixa de Pandora” dos custos (ou lucros) das empresas.
Mais absurdo que não rever contratos é continuar pagando empresas prestadoras por cidadão transportado. Notoriamente há sucateamento dos ônibus, num círculo vicioso inevitável, pois busca-se uma maior ocupação (leia-se lotação), o que leva ao abandono do transporte público por aqueles que têm alternative, e a consequente redução do número de veículos por conta da baixa ocupação…
Notícia aqui sobre a conclusão da CPI municipal e aqui sobre uma discussão interessante do modelo de concessão municipal, no site do MPL.
Aliás, o excelente artigo no site do MPL defende que transportar passageiros tem custo fixo, ou quase fixo, e usa exemplos de empresas aéreas (cujo custo do voo não muda com poltronas vazias), corridas de táxi (que tem um preço pela distância e trajeto e independe do número de pessoas transportadas), entre outros.

Independente dessa teoria, todo estudante de economia ou administração sabe, desde o início do curso, que o preço se forma a partir do custo colocando o lucro ou margem; ou de um valor de venda mínimo para que a operação seja viável economicamente. Em nosso caso, valor do contrato da prefeitura com a empresa prestadora criaria esse valor mínimo, ou máximo “pagável” do ponto de vista da prefeitura.

Então bastaria que esse contrato fosse fiscalizado e revisto rigorosamente num momento como esse, de discussão sobre aumento de tarifa, para que se ratificasse o aumento proposto ou servisse de base para negá-lo.
Sem o detalhamento de quanto se paga e como são feitos os cálculos pelas empresas prestadoras, impossível corroborar com o aumento!
E pior ainda… não consigo imaginar como a prefeitura fiscaliza os trajetos, número de ônibus nas ruas (ou por trajeto), dimensionamento para horários de pico e finais de semana…

Ora, pra mim, o “buraco é mais embaixo”!
Há um esquema de corrupção que complica e maqueia propositalmente a tarifa de ônibus e metrô na capital. Contratos não renovados seguem vigentes, uma única família possui mais da metade da frota paulistana. Nem mesmo o mais romântico dos pensadores diria se tratar de preguiça dos governantes ou despreparo da secretaria…

por Celsão revoltado

figura: montagem de figuras extraídas aqui e aqui com fundo do portal UOL.

IMG_20140529_073355Era uma vez um país, que tinha um produto chamado retaw.
Era um produto muito importante para o funcionamento das coisas, mas a ele não se dava a devida importância. Era abundante e barato. Com ele era possível se alimentar, gerar energia, limpar a si mesmo e a outras coisas.
Todos tinham acesso ao retaw, era tranqüilo e confortável contar com ele ao longo de todos os dias. As cidades cresciam em torno de suas fontes e se expandiam em regiões onde o retaw abundava.
Algumas cresceram bastante e, estabelecendo influência local, transferiam o retaw presente nas cidades circundantes através de dutos, tornando-se mais atrativas e fazendo com que outras pessoas viessem morar nelas, crescendo ainda mais. Surgiram muitas cidades-metrópole, dentre elas A e B.

Porém, a medida que o tempo passava, a cidade A, maior do país, passou a consumir muito mais retaw do que conseguia retirar das suas reservas e seu entorno. E, uma vez que o retaw não podia ser produzida através de indústrias, começou a enfrentar um problema com sua população.
Campanhas sobre a importância do recurso e sua conservação começaram a ser feitas, mas a população não se atentava a elas, desperdiçar retaw era tão natural quanto respirar ou caminhar. Nunca havia faltado e seguia custando tão pouco que só poderia serem mentirosas as campanhas e alertas da mídia. “Eles querem o retaw só pra eles”, pensavam muitos.

Daí a cidade A passou a buscar o retaw em rincões mais e mais distantes para suprir as necessidades dos seus habitantes, ignorando os apelos das associações de defesa do retaw e o crescimento das cidades nestes rincões. A situação só fez piorar…

Com as reservas de retaw muito abaixo do normal, os governantes decidem por bonificar usuários que reduzissem seu consumo. Pouco efeito surtiu, já que consumir retaw é bom e desperdiça-lo já é parte do costume, da “cultura” local.

Eis que o governo da cidade A tem outra ideia: desviar o retaw que abastece a cidade B. Também uma metrópole local, mas com menor população e, por conseguinte, menor consumo. Isso afetará muito pouco a cidade B, pensam os arautos da ideia. E, ademais, não há como convencer as pessoas da iminente escassez do retaw em todo o país!

Obviamente, a cidade B foi contra o roubo descarado de retaw e um problema político virou conflito social e acabou em guerra e separação territorial.
Agora, o retaw custa muito caro, a energia não é gerada mais a partir dele, desenvolveram-se substitutos artificiais para limpar as coisas e, até para consumo próprio, os cidadãos se vêm obrigados a racionar retaw

por Celsão irônico

P.S.: pra quem não “ligou os pontos”, substitua a cidade A por São Paulo, B por Rio de Janeiro e troque “retaw” por água. As consequências e a figura são liberdades poéticas de minha parte.
P.S.2: pra quem não acreditou e/ou quiser ler algo a respeito, seguem três links (1, 2 e 3).

figura – montagem de arquivo pessoal

rio212505_270x167Creio que essa seja uma pergunta que muitos se fazem, dia após dia. Principalmente depois de todos os manifestos ocorridos em Junho, de todo o levante popular observado em vários pontos do Brasil e exterior, de todas as tentativas da mídia em desvalorizar, depois explicar e finalmente supervalorizar o ocorrido.

Parece realmente que “a adrenalina baixou” e que os poucos movimentos organizados diminuiram sua agenda de manifestos depois da vitória dos vinte centavos e da PEC 37 (exceção feita aos cariocas que pedem a saída do governador Sérgio Cabral e suas insistentes incursões à casa do mesmo no Leblon).

Porém, só parece! A tal “onda” de protestos, segue ativa, e pra surpresa da maioria, ainda no foco da grande mídia. (Que a meu ver teme que ocorra o mesmo fenômeno observado em Junho sem a devida cobertura imparcial e valorização). Atualmente, em quase todos os jornais da TV e portais da internet há um espaço (restrito, é verdade), para as manifestações ocorridas no país.

Mas, nos últimos dias foram noticiadas desde interdição a rodovias, quer seja por agricultores contra feiras clandestinas em Brasília, quer seja por moradores de Cubatão contra um incêndio (aqui), passando por índios reclamando de demarcação de terras (aqui) e chegando ao tema transporte público, bem explorado em Junho, de uma simples interdição de um terminal em Curitiba (aqui) à volta do MPL (Movimento Passe Livre) de São Paulo às ruas em apoio aos metroviários contra o escândalo das obras superfaturadas de trens e metrôs em São Paulo (aqui).

(Fizemos um post também sobre esse caso – acesso aqui.)

O que mudou nas manifestações é, primeiramente, o número de cidadãos envolvidos.

Sobre isso não há conclusão fácil: se por um lado o número diminuto de pessoas traz foco em uma causa e/ou reivindicação, por outro pode não atingir e “motivar” a mudança por aqueles que a podem executar (lê-se o governo, normalmente).

Uma segunda observação desses protestos “pós-despertar” é o invariável desfecho violento. Não somente pela participação da polícia, mas também pelos atos de vandalismo deflagrados pelos manifestantes em si. Bancos e instituições têm sido alvo de encapuzados que, além de depredar o patrimônio público, corroboram para uma contra-ação igualmente violenta das guardas metropolitanas e militar.

(inclusive ocorreu também em São Paulo um ato contra a própria PM, aparentemente sem violência, segundo a Folha)

Antes de concluir, vale “tirar o chapéu” para os cariocas. Não aqueles que têm saqueado lojas de departamento, mas aos que continuam seguindo o governador Cabral, pedindo sua saída (veja aqui) e aos que estiveram na Câmara acompanhando a CPI dos ônibus, recém instaurada. Um protesto silencioso, com mordaças pelos dez manifestantes que lá estão há mais de uma semana é um “tapa de luva de pelica” naqueles que badernam pura e simplesmente (detalhes da seção/vídeo da reportagem)

Aliás, creio que dificilmente o governo de São Paulo escapará de uma CPI para apurar o já batizado de “trensalão”, mesmo negando envolvimento e processando as empresas envolvidas.

Concluo, de opinião pessoal, romântica e crua, que o despertar trouxe benesses, se não a de seguir mobilizando a massa, a de fazer acreditar na mudança aos que se indignam.

O lado revoltado e revolucionário crê que a mídia só tem dado voz a todos os protestos para criar uma banalização dos atos em si e adormecer na classe média essa idéia que teima em dizer que “manifestar-se é bom”!

por Celsão correto

figura retirada daqui

figura_01

O nosso trem-bala ou, como vem sendo chamado, TAV (trem de alta velocidade), era sonho de muitos políticos caricatos, mas começou a tomar “corpo” depois que fomos escolhidos como país-sede de dois dos principais eventos esportivos do Globo: Copa do Mundo de Futebol e Olimpíadas.

Havia tempo suficiente (estávamos em 2007) e os powerpoints mostravam que os investimentos eram rentáveis para a iniciativa privada, ou mesmo um modelo diferenciado PPP (parceria-público-privada), em que há isenção de impostos por um período determinado e subsídios para viabilizar o negócio.

Pois bem…

Já estamos com a Copa “às portas” e diversos atrasos contabilizados nos aeroportos, estádios e demais obras de infraestrutura, incluindo aqui uma primeira licitação do TAV em Julho de 2011. E agora o governo avalia, com certa insistência, o leilão do TAV, marcado para meados de Setembro.

Até mesmo a provável ausência do grupo espanhol Renfe, um dos interessados no TAV brasileiro, devido ao acidente ocorrido há alguns dias na Espanha já está sendo “contornada”. Nos documentos exigidos, a inexistência de acidentes com vítimas fatais nos últimos cinco anos não os desqualifica, conforme análise prévia do ministro César Borges (aqui); que argumenta que o acidente ocorreu numa malha considerada de baixa velocidade… Há um certo receio de que “sobre” no leilão apenas o grupo francês, envolvido no escândalo recente de propinas (post aqui)

Me parece que o governo busca no projeto “a vitrine” que anseia e está disposto a gastar muitas fichas nesse objetivo. O que não usaria dinheiro público no início, agora contará com a participação de BNDES e Correios, conforme noticiou o Estadão.

 

Não menos importante para o país, mas menos visível aos olhos, a linha férrea chamada de Fiol (Ferrovia de Integração Oeste-Leste), que interligaria a cidade de Barreiras, no oeste baiano a um porto em Ilhéus, no litoral, possui menos de 20% das obras concluídas, principalmente devido à falta de trilhos, após a data prevista de sua inauguração (detalhes aqui)

Anunciada como obra do PAC em 2010, a ferrovia escoaria a produção de grãos não só da região, mas também do Centro-Oeste. A nova previsão do governo é entregar o trecho entre Ilhéus e Caetité até o final de 2014 e entre Caetité e Barreiras em 2015. Há um projeto de extensão planejado (ainda sem data de entrega) visando interligar a Fiol à Ferrovia Norte-Sul, no Tocantins. Outro exemplo das muitas obras paradas ou atrasadas do PAC e PAC 2.

 

Voltando ao TAV, o que mais me incomoda é a ausência de planejamento dos investimentos necessários, nem ao menos o custo total do projeto é conhecido. Estimado em R$30 bilhões não só representaria o maior investimento em infraestrutura do país, como também poderia ser usado em ambos estados em problemas mais urgentes! O presidente da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos) estima que este valor resolveria os problemas urgentes do transporte público no Rio e em São Paulo (aqui).

E vocês, o que acham do trem de alta velocidade entre São Paulo e Rio?

 

por Celsão correto

figura: montagem