Posts Tagged ‘senso crítico’

18jun2015---comitiva-formada-por-senadores-de-oposicao-no-brasil-foi-cercada-por-manifestantes-em-caracas-capital-da-venezuela-quando-estava-a-caminho-do-presidio-para-visitar-leopoldo-lopez-preso-por-1434669132064_300x300– E não é que deu certo mesmo essa viagem pra Venezuela, com avião da FAB? – pergunta o colega do DEM
– Eu te falei Senador. Era só colocar pressão e falar em “luta pela democracia” que a liberação viria bem rápido. Ironizou um dos tucanos a bordo
– Mas aposto que uma parte da mídia vai questionar o valor dessa nossa brincadeira! – profetizou o senador do PMDB

– Como está a nossa agenda? Teremos tempo para compras?
– Começaremos com fotos para a imprensa diretamente do aeroporto com esposas de presos políticos, de lá seguiremos para um presídio e fecharemos protocolando uma moção em nome do Brasil no Senado deles, pedindo a libertação dos políticos de oposição.
– Em nome do Brasil? Eles engoliram essa? Todos sabem que a Dilma, o PT e o restante da base aliada, contando também com parte do meu partido foram contra essa viagem e são contra esse tipo de intervenção em países independentes.
– Nós temos é que exercer nossa liderança regional, deixarmos de ser “bunda-moles” e ganhar uns pontinhos com os EUA!
– Acha mesmo que isso será notícia por lá?
– Receberemos certamente os parabéns do Obama e da Merkel. Acho até que devemos marcar a próxima “comitiva” para a Grécia. Austeridade é bom e eu gosto!

No aeroporto…
– Viu que fácil? Pousamos sem problemas. Ninguém nesse submundo barraria senadores do Brasil em visita oficial!
– Mas e se a população for contra nós?- Você não assiste o jornal, colega, não lê os jornais? A população daqui está acuada há anos; clama por um golpe de Estado que os liberte, precisa de uma intervenção americana e o mais breve possível! E isso sem o apoio da imprensa, que foi duramente caçada pelo governo, só no boca a boca. Ações e apoio populares invejáveis para a nossa direita brasileira.
– Sei não. Teve gente que divulgou que as eleições foram justas…

– Que beleza! As viúvas, digo, as esposas já estão nos aguardando. Vai ser bem rápido e poderemos talvez até nos encontrar com empresários ou banqueiros locais.
– Mas… aqui não é tudo estatal?
– Ah é…
– Os batedores também já estão aqui. Estamos blindados!

Já no ônibus
– Que absurdo de trânsito. Parece São Paulo! Vou atualizar meu twitter. Quem sabe o nome daqui?
– Caracas!
– Verdade… a capital da Venezuela é Caracas. Beleza. Deixa comigo!
– E esse movimento aí na frente, o que é?
– Parece uma manifestação. Deve ser de uma minoria, contratada pelo PT
– Eles estão armados? Tem enxadas ou foices? Morro de medo desses radicais.
– É bom olhar mesmo.
– Ai meu Deus, por que é que eu embarquei nessa loucura! E olha que eu faço parte da coalisão… Meu partido apoia o Governo
– Tarde demais, Senador.
– Tarde demais uma ova. Se cercarem o ônibus eu desço e declaro apoio incondicional ao governo deles, à esquerda brasileira. Conto o que é o meu partido e toda a história recente do PMDB
– Se eles te deixarem falar…

– Olha, estão se aproximando
– Motorista, desvia, déssssvia. – carregou no sotaque nordestino um dos tripulantes.
– Amigo, esta es la ruta principal hacia Caracas. No conosco a ninguna vía llamada Diez!
– Sabem quem somos! E estão batendo no veículo!
– Por que eu topei essa loucura, meu Deus, por quê?
– Calma que tudo se resolve. Vamos ligar pro Itamaraty!
– Eles têm bandeiras vermelhas.
– Liga pro Eduardo Cunha e pede pra ele chamar a imprensa!
– Mas a Globo está aqui no ônibus conosco, esqueceu?
– Só que o equipamento ficou no bagageiro. Vocês disseram que não havia perigo, que tudo estava sob controle. – esbravejou o repórter angustiado
– Filma com o celular. Se atirarem pedras é bom termos provas.
– Será que seremos presos?
– Ou linchados?
– Eu falei que o povo estava do lado do Maduro. São tontos. Iguais aos brasileiros. Ficam do lado de quem faz mal a eles. Povo burro!
– Calma. Vamos pedir para conversar com o líder deles e informar que estamos voltando. Esqueçamos a visita aos presos.
– Mas isso vai pegar muito mal. Viemos até aqui, em avião do governo, para voltar?
– A gente fala em boicote, faz carta pra ONU, reclamação oficial, exige retratação do governo daqui, força a presidente a falar com eles e obter um pedido formal de desculpas…
– Isso. Exagera no ocorrido, no nosso sofrimento, na missão de paz e “bota a boca no trombone” lá no Brasil.
– Se der certo, voltamos aqui na semana que vem e ainda seremos escoltados pelos Federais!
Eu não volto pra cá nem pra receber prêmio. Vocês estão é malucos.

por Celsão irônico

figura retirada daqui

P.S.: Este post não reflete a realidade, nem a nossa opinião. É uma obra de ficção com o intuito único de divertir (ou seja, não me processem!). Nós costumamos citar bastante a Venezuela em nossos posts; mas, para algo mais diretos sobre nossa opinião sobre a perseguição à Venezuela, clique aqui e aqui

P.S. 2: aqui uma opinião forte do Hugo Chávez sobre o Senado do Brasil

P.S. 3: copio abaixo (para finalizar) uma pesquisa divertida do site conversa afiada, sobre os reais objetivos do Senador Aécio Neves nessa excursão à Venezuela

O que Aécio foi fazer na Venezuela?

  • tentar vencer a eleição lá
  • se o Maduro sair, é ele que assume
  • procurar terreno para construir aeroporto
  • queria ir para o Rio, mas errou o voo
  • já que não deu no Brasil, vai tentar o impeachment lá

coerencia-e-coesaoO texto a seguir foi escrito pelo amigo e leitor Ênio Mendes, perfil de Facebook AQUI.

Projeto para se tornar coerente:

1- Em qualquer assunto científico, aceitar sem falsa rebeldia a obviedade do fato à partir de comprovação segura e credibilizada, tornando-a impreterivelmente verossímil.

2- Diante dos fatos, aceitar “o não saber” sem invejar, sem sentir-se menosprezado por “quem sabe”… Quem sabe “sofreu” a dor do descobrimento e desfruta merecidamente a estabilidade da verdade possível. Quem não sabe “sofre” a constante dor da negação deste “sofrer libertador”, o que é muito pior.

3- Mesmo que os fatos esfreguem na cara alguma “porção-sombra de si”, que antes não se imaginava existir, não permitir que o choque faça manter-se endurecido, pelo susto do vazio de saber que “não se alcança!” Aceitar que apesar dos fatos ainda “não se alcança” evita manipulações doentias do ego. Iluminar a sombra.

4- Ter coragem de não estar em cima do muro. Quem não tem lado não se responsabiliza pelo fracasso, mas não toma parte também do acerto que glorifica! Imparcialidade e neutralidade é na maioria das vezes sinônimo de covardia e fraqueza!

5- Quando alguém argumentar algo baseando-se em religião, lembrar que Jesus repugnava qualquer tipo de neutralidade, se posicionando sempre, colocando-se sempre de um lado. Isto custou historicamente sua morte, mas deu-o o sentido da vida!

*******************************************************************

Aproveitando o excelente texto do amigo Ênio Mendes, creio que valha a pena adicionar algumas palavras sobre o método e postura deste blog.

Desde o início deste projeto, nosso intuito primitivo e essencial é o de difundir conhecimento/informação, e às vezes expor nossa opinião, que nem de longe é a mais “enquadrada” em padrões.

Esta “opinião” porém, surge geralmente à partir de estudos, busca de dados, leituras de fontes selecionadas rigorosamente, lógica, racionalidade, senso crítico e humildade para revisão e reflexão, visando sempre dar preferência a informações que tenham sido geradas usando métodos científicos de pesquisa, aumentando assim a confiabilidade das mesmas.
Outros desdobramentos que advém do intuito inicial e também são importantes passam pelo crescimento próprio com as leituras e textos e a geração de uma “entropia positiva do pensar”, baseada no compartilhamento desses textos.

Claro que, vez ou outra, nós dois sócios deste blog discordamos um do outro em nuances. No entanto, temos um lado político bem definido, onde nosso lado direito é canhoto.

Porém, mesmo tendo como princípio a coerência, ética, embasamento e honestidade intelectual durante a formulação de nossos escritos, sabemos que não teremos sempre o mesmo comportamento de todos nossos caros leitores. Mesmo assim,  não pretendemos fazer moderação ideológica nos comentários, abrindo espaço para discussões e opiniões diferentes, e sempre carregando a esperança de que apareçam comentários ricos e/ou críticas construtivas embasadas cientificamente, gerando engrandecimento através da troca de ideias.

Pra quem não conhece ou não lembra mais, segue link para a “ideia do blog

por Celsão correto e Miguelito Formador.

figura retirada daqui

opiniãoUm dos princípios dos estudos que tangem a economia é a chamada Lei da Oferta e da Procura, ou Oferta x Demanda. Esse princípio nos diz que, se há oferta demasiada de um produto X no mercado, o preço deste produto tende a cair. Inversamente proporcional, se há procura demasiada, o preço de X tende a subir.
Dando um exemplo prático: se a maioria dos agricultores de uma cidade começam a plantar milho verde, em um certo momento, não haverá consumidores suficientes para todo o milho produzido e assim este produto começa a “sobrar”. Tentando “eliminar” o excedente, os agricultores começam a reduzir seus preços, visando estimular a venda. Assim, a oferta muito alta, causou a redução do preço.

Pois bem, hoje, felizmente, vivemos em “relativas democracias” na maior parte do planeta, o que garante, à boa parte dos cidadãos, liberdade de expressão. Além disso, a globalização somada ao boom da internet com seus blogs e redes sociais, deu ao indivíduo ainda maiores possibilidades de expressar-se. Temos blogs, vlogs, revistas informais e formais online, youtube, e-mail, redes sociais e muito mais, onde várias milhões de pessoas se expressam diariamente.

Assim configuramos um cenário onde muitas pessoas se expressam simultaneamente, emitindo suas mais diversas opiniões para todos os cantos, gerando uma oferta muito grande deste “produto”. Intelectuais, alienados, tolos, ignorantes, humildes, manipulados, esclarecidos, direitistas, esquerdistas, reacionários, progressistas, conservadores, liberais, todos emitindo informações, uma parte delas metodológicas e científicas, e a maioria que não passam de meras opiniões.

Essa é a “Era das opiniões“. Segundo o filósofo grego Parmênides (530 a.C. – 460a.C.) a opinião (dóxa), é aquilo onde não há nenhuma certeza, mas sim só dúvidas. Assim, as análises baseadas em opiniões são bem distintas das ideias baseadas na observação metódica dos fatos.

A maior parte da sociedade, em muitas circunstâncias, não é capaz de identificar o que é ciência e estudos metódicos, e acabam os colocando na mesma caixinha das “opiniões”. Como na Lei da Oferta e Procura, o produto “opinião”, por ser muito ofertado, acaba perdendo seu valor. Assim, informações de qualidade, números oficiais, estatísticas sérias, estudos acadêmicos, comentários de jornalistas embasados e éticos, são dispersados no meio de um montante de baboseiras, e perdem seu valor. Intelectuais, sábios, cientistas, especialistas e esclarecidos, acabam sendo ignorados pela “massa” de consumo (demanda/procura).

Opiniao_Rachel_SheherazadeIsso é obviamente colaborado pelo fato de termos na maior parte do mundo sistemas educacionais precários, que pouco ou nada estimulam o indivíduo a questionar com senso crítico e objetividade a informação que lhe é oferecida. Assim, ao se deparar com tanta oferta de conteúdo, este indivíduo se perde, não sabendo mais separar o que é bom do que é ruim.
Aliás, falando de “bom e ruim”, penso ser interessante lembrar de uma passagem do documentário Why Beauty Matters do filósofo Roger Scruton:
Em nossa cultura democrática, as pessoas frequentemente pensam ser desrespeitoso julgar o gosto ou a opinião de outros. Alguns se sentem até ofendidos com a sugestão de que existe “gosto bom” e “gosto ruim”… (Leia nosso artigo baseado neste documentário clicando AQUI)

Pois bem, eu concordo com Scruton, há sim muitas questões na vida onde é possível distinguir o ruim, do bom. Assim como há verdades e mentiras, certo e errado, feio e bonito.
É claro que nem sempre existe certo e errado, ou feio e bonito, e há muitas questões que são subjetivas, ou até mesmo tão complexas que é possível haver diversos caminhos plausíveis. Mas temos que analisar cada situação, cada tema, individualmente, para sabermos onde é possível definir verdades e certezas, e onde não é.
Usar o argumento clichê de que “não existem verdades, tudo na vida é relativo”, é um sinal de pobreza intelectual e argumentativa, onde busca-se generalizar tudo, negando a ciência e valores ético-morais. Isso é ruim para o debate, atrasando o avanço intelectual das sociedades. Com essas generalizações vem a negação à ciência. (AQUI uma sugestão de um excelente artigo sobre opiniões e sobre valores de ética-social)

Nesta mesma linha, sabendo-se da desvalorização que as opiniões sofreram nos dias de hoje, estando inclusas aqui informações de cunho metodológico e com propriedade; e sabendo-se que existe um senso comum que afirma não existir “certo ou errado”, chegamos a uma máxima dos tempos modernos: “Respeite minha opinião, pois não existe opinião certa ou errada”. Ou, “todo mundo tem direito de emitir opinião”.
Quem nunca ouviu alguma dessas frases numa discussão no facebook, ou num debate caloroso na mesa do boteco, ou nos comentários de leitores de revistas, ou nos comentários abaixo de algum vídeo no youtube? Aposto que todos, e diversas vezes.
TeletubbiesConheça o método Teletubbies de emitir opinião, clicando AQUI

A questão aqui não é ter o direito ou não de emitir opinião. Todos temos o direito de emitir opinião sim, por mais preconceituosa, alienada, manipulada, desinformada que ela seja.
“Eu discordo do que você diz, mas vou defender até a morte seu direito de o continuar dizendo“…

A questão é alertar a sociedade, desenvolver um pensamento coletivo crítico no sentido de que, liberdade vem atrelada a responsabilidades. Se a sociedade, o governo, as leis lhe dão liberdade para agir ou falar como bem entender, isso significa que você, à partir deste momento, tem que conhecer os seus limites, os limites do próximo, e ter noção de cidadania e coletividade. Senão alguém vai precisar intervir, contra você, para garantir a liberdade e os direitos dos outros. Afinal, você tem liberdade sim, mas o que acontece quando ela invade a liberdade de outra pessoa? Quem tem mais direito à liberdade?

Portanto, você pode emitir frases racistas, mas tem que ter consciência do dano que você pode estar causando a outrem ao agir assim, e tem que ter conhecimento de suas responsabilidades civis. Você pode sim inventar mentiras sobre alguma pessoa, mas tem que ter consciência que poderá ter que arcar com danos causados a ela. Isso se aplica também aos “curtir e compartilhar” de qualquer tipo de informação que lhe salta aos olhos no facebook. Ao compartilhar um boato ou mentira, difamando e denegrindo a imagem de alguém, além de ser anti-ético, ainda pode lhe gerar processo judicial. Clique AQUI para ler sobre isso.

E aí tem gente que sem nunca ter estudado ou lido nada a respeito de algum assunto, e sem ter qualquer base de conhecimento, se acha no direito de refutar estudos científicos, baseados pura e simplesmente em suas “opiniões”. Muitas vezes, numa inversão de valores, afirmam que a ciência é manipulável e por isso não deve ser acreditada. Regridem séculos na história da evolução do conhecimento humano e afirmam confiar pura e simplesmente em suas observações individuais/sensoriais (empirismo). Desmerecer ou denegrir o método científico (AQUI), baseado em pura opinião, ou mesmo que utilizando-se vagamente de métodos empíricos, é algo extremamente raso, ultrapassado e de prepotência soberba, beirando o abismo do absurdo e da insanidade.
Quem emite opiniões dessa forma, pode e deve exigir sim o direito de fazê-lo, mas pedir respeito às mesmas já é demais.

por Miguelito Formador
figura daqui e daqui

VaiTerCopaSimEm tempo: Enquanto eu escrevia esse post, já estando bem no final, saiu o pronunciamento da presidente Dilma sobre a Copa. Este pronunciamento converge com muito do que eu escrevi aqui, e veio até em boa hora para embasar ainda mais alguns de meus dados e argumentos. Clique AQUI para assisti-lo na íntegra.

“”””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””””

Amanhã, dia 12.06.2014, uma quinta-feira, começa a Copa do Mundo de futebol. O maior evento esportivo do mundo, já há décadas. Futebol  está entre as maiores paixões de várias sociedades espalhadas pelo planeta, mas em nenhum lugar ele é tão idolatrado como no Brasil.

Em 2007 o povo brasileiro torceu para que o Brasil  ganhasse como sede deste torneio, e vibrou ao ver esse sonho se tornar realidade quando fomos escolhidos. Lembro-me que a euforia era geral. Mas, o tempo passou, chegou 2013, onde uma onda de manifestações espalhou-se pelo Brasil. Tudo começou com os 20 centavos, que era um movimento extremamente legítimo, embasado e com um propósito bem claro. Aos poucos foi se abrindo o leque, e de repente, protestava-se contra tudo. Protestos legítimos se misturavam com protestos oportunistas. A mídia, que inicialmente criticou duramente os primeiros protestos que ainda lutavam por melhoria nos transportes públicos, passou a apoiar muitos dos novos protestos, “coincidentemente”, aqueles com predominância de críticas ao Governo Federal, muitas vezes direcionados à Presidente da República.

Até mesmo o MPL (Movimento Passe Livre) que havia iniciado os protestos dos 20 centavos, declarou estar se retirando oficialmente das manifestações, pois essas haviam tomado rumos contrários às causas pelas quais eles lutavam. As manifestações haviam sido “sequestrados” por grupos oportunistas, defendendo causas conservadoras e com intuito principal de desestabilizar o Governo. Clique AQUI ou AQUI para ler sobre a nota do MPL na ocasião.

No embalo do caos das manifestações, entre os grupos conservadores e/ou oportunistas, começaram a surgir as pautas criticando a Copa do Mundo, os atrasos das obras, os preços elevados das mesmas, e coisas do tipo. E eis que de repente surge o slogan: “Não vai ter Copa”. Pronto, aí começou um movimento que nunca mais parou. Um movimento conservador, sem muita lógica inicialmente, e que foi tomando corpo, criando novas argumentações e conquistando adeptos, principalmente entre os conservadores e entre a Classe Média, mas também entre alguns progressistas e entre as camadas mais pobres.

Acho que posso parar minha introdução histórica, pois penso que daqui para frente todos saibam o desfecho deste movimento, pois ele está aí até hoje a todos vapor. Posso, portanto, começar a fazer meus simples questionamentos e análises objetivas sobre o assunto.

Bom, até 2013 ninguém protestava ou reclamava contra a Copa. A Copa não era um assunto que incomodava o brasileiro, que gerava revolta, indignação, como é o caso da educação, saúde, corrupção, transporte público, etc. Estes problemas já estão no “pacote” de reclamação dos brasileiros há décadas, para não dizer séculos, e com total razão. Mas a Copa, nunca foi. Todos continuavam felizes e vibrantes esperando a Copa nos trazer alegria. Como que, de repente, a Copa vira uma das principais causas de revolta? O brasileiro do nada acordou para este tema? O povo percebeu repentinamente que a Copa era um mal negócio e estava levando a nação para o buraco?

Bom…. eu não sou tao inocente assim. Para mim está claro que a pauta “Não vai ter Copa” foi uma questão de oportunismo, e como sempre, o povo brasileiro foi, num geral, manipulado. Pelo Governo? Lógico que não, pois protestos contra a Copa é algo ruim para o Governo/Executivo/PT. Manipulado por quem então? Ora bolas, por aqueles que sempre nos manipularam durante 500 anos, a elite conservadora, os partidos de direita e simpatizantes, e os porta-vozes destes dois grupos, a Grande Mídia.

Alguns dirão: Ora, mas para a mídia é ruim se a Copa for um fiasco, afinal, a mídia lucrará bastante neste período. Hei de concordar com essa lógica. Porém, aqui não se trata de uma equação com uma única variável, mas sim com uma complexidade de variáveis.
Precisamos primeiro lembrar que para uma boa parcela da elite, e para quase toda a classe média (estou a  falar da classe média tradicional, em seu sentido amplo sociológico, o que vai muito além de poder aquisitivo), o PT representa um mau governo.
Para uma pequena parcela da elite (principalmente o sistema financeiro e o agronegócio), para uma ainda menor parcela da classe média, e para a maioria dos pobres e da “nova classe média” o PT representa um governo histórico, além de Jango, o único governo realmente com bandeiras sociais e de esquerda que tivemos na história.
Tá certo que, enquanto Governo, o PT é muito mais centro-esquerda que esquerda, mas já é um grande avanço se comparado aos 500 anos de direita elitista em nossa história.

Assim, voltemos à elite, mídia e Copa do Mundo. Num geral, para a elite e para a classe média tradicional, o PT tem que sair urgentemente do poder. A Grande Mídia brasileira está  concentrada na mão de 6 famílias. Essas 6 famílias possuem quase 80% do escopo midiático do Brasil. Dessas 6 famílias, 2 delas estão entre as 15 famílias mais ricas do Brasil. A família Marinho lidera o topo das famílias mais ricas do Brasil, segundo o ranking da Forbes. Clique AQUI
A mídia vive de patrocínio. No caso da Grande Mídia, eles são patrocinados, principalmente por grandes empresas, ou seja, a elite. Desta forma, aquela possuirá obrigatoriamente editoriais que não prejudiquem os interesses desta elite patrocinadora. Isso é  bem óbvio. Imaginem se um jornal X vai escrever algo bombástico que prejudique a imagem de seu principal patrocinador, correndo o risco do patrocinador retirar a publicidade.

Não é teoria da conspiração, é algo 100% lógico e assumido por qualquer especialista que estuda o mercado da mídia. A mídia tenderá a proteger quem lhes garante a sobrevivência, os patrocinadores. A elite empresarial representa no mínimo 80% de todo o patrocínio da Grande Mídia. Esta mesma elite está, num geral, contra o Governo, por este ser de centro-esquerda, e eles (a elite) gostarem de centro-direita ou direita. Assim, a Mídia, para ser coerente com quem lhes banca, bate no PT mais do que fazia com outros governos. E as provas sobre isso temos aos montes.

Com relação à Copa, a Grande Mídia parece ter adotado uma estratégia interessante. Apoiar as manifestações contra a mesma, elaborar editoriais negativos, mostrar pessimismo, e estimular a ideia de que o brasileiro não quer mais o evento. No caso, eles estão fazendo sangrar. Sangram a Copa, sangram o Governo, sangram a presidente Dilma, sangram o PT. Mas não matam….. pois matar seria péssimo! A Copa tem que ocorrer, e bem. Mas antes disso ocorrer, eles fazem sangrar para enfraquecer o Governo, gerar o caos, o ódio na sociedade. Mas na hora H, vão mudar um pouco o rumo do editorial, fazê-lo mais positivo quanto à Copa, fazer fortunas em cima do evento.
Ou seja, o resultado final para eles é: muito lucro na Copa, e um Governo enfraquecido. Mesmo que eles corram o risco da Copa não correr tao bem assim…. mas ela irá ocorrer, e eles terão mesmo assim muito lucro. Mas o Governo sairia extramente enfraquecido. Portanto, eles sacrificariam seus cavalos, para conquistar a rainha.

Agora que você já sabe da postura da mídia, e já se perguntou quando e porque os protestos contra a Copa surgiram, talvez esteja percebendo que seu ódio contra a Copa e contra o Governo, pode sim ter algum embasamento, mas ele é também resultado de um senso comum, de um objeto de manipulação de massas, feitos por muitos daqueles que oprimem as sociedades. Se você já está fazendo essas reflexões, ótimo, pois vou continuar.

Vou atacar agora as críticas mais ouvidas com relação à Copa, pontualmente:

  1. O Brasil não precisa de Copa, mas de educação e saúde
    O que uma coisa tem a ver com outra? Os investimentos com saúde e educação não foram alterados devido à Copa. O dinheiro da Copa saiu uma parte de capital privado, e a parte de investimento público saiu principalmente da verba destinada a infraestrutura e de empréstimos do BNDES. Investimentos com infraestrutura existiriam, com Copa ou sem Copa. O que o evento fez foi canalizar uma parte destes recursos de infraestrutura e acelerar vários projetos que já estavam em andamento, e criar outros novos, o que é muito bom, no ponto de vista urbano.
  2. Muitas obras não ficarão prontas, e muitas outras com atraso
    Verdade. Mas, só porque ficarão prontas  com atraso, significa que não são mais válidas? Quer dizer que, se for para fazer algo com atraso, é melhor sequer fazer? Não entendo essa lógica…. Ex.: Imaginem que queremos investir 500 milhões em educação até 2016. Agora, se só formos atingir os 500 milhões em 2017, então nem precisa investir, melhor não investir nada em educação! É por aí?
    A maioria das obras ficarão prontas. Algumas sem atraso, algumas com atraso, mais a maioria será feita. E se ficará pronta em 2014 ou 2015 ou 2016, o resultado será sempre o mesmo: obras prontas para melhoria na mobilidade pública. Esse é o raciocínio final que deve ser feito. Vejam AQUI o vídeo com o comentário do jornalista Bob Fernandes
  3. Os gastos da Copa são muito elevados
    Bom, os gastos públicos com o evento estão estimados em R$ 26 bilhões. Destes, somente 8 bilhões são para estádios. Os outros R$19 são para infraestrutura, turismo, segurança pública, entre outros, ou seja, excelente. Já os 8 bi gastos com estádios, bem, não dá para fazer Copa sem estádio, convenhamos. No mais, a maioria das reformas e construções foram exigência da FIFA. E além disso, sabemos que ao menos 10, destes 12 estádios, serão sim muito bem utilizados após a Copa. Afinal, futebol além de um amor, é grande negócio no Brasil.
    O PIB do Brasil é de R$ 5 trilhões de reais. Portanto, 8 bilhões de reais representam aproximadamente 0,16% do PIB de 1 ano no Brasil. Mas estes R$ 8 bi foram investidos no decorrer de 4 anos. Portanto, podemos dizer que, no período, o Brasil gastou algo em torno de 0,04% do seu PIB em estádios. Só de 2010 a 2013 o Governo investiu R$1,7 trilhões em saúde e educação, ou seja, 212 vezes o valor dos estádios, ou mais de 65 vezes mais que a soma de todos investimentos diretos com a Copa. Mais sobre essas comparações de valores AQUI e AQUI (e no pronunciamento da Presidente, que possui os valores ainda mais confiáveis)
  4. Precisávamos de 12 sedes?
    Concordo que não. E a FIFA sugeriu 8 sedes. Porém, 18 estados brasileiros pediram para sediar a Copa. Com muita negociação e diplomacia com governadores e prefeitos, o Governo Federal teve que ceder a 12 destes estados.
    Portanto, se você acha um absurdo 12 sedes, ou se acha absurdo alguns estádios em cidades que nem têm tradição de futebol, pois reclame com os governadores, parlamentares, prefeitos, vereadores daquelas cidades. Concentrar as reclamações no Governo Federal, é errado, pois foge do cerne do problema.
  5. A FIFA manda e desmanda nas regiões dos estádios e cidades sede
    Sim, e isso é um absurdo. Mas essa é a FIFA, uma grande corporação e cheia de poder de fogo. Tampouco é culpa do Governo ou da presidente o fato de a FIFA ser assim. Eles foram assim na África do Sul, na Alemanha, nos EUA, no Japão e Coreia do Sul, e em todos os lugares. Se quer reclamar da FIFA, então deixe claro no seu cartaz e na sua fala, que você está protestando contra a empresa FIFA. Não misture as coisas, aproveitando para atacar o Governo hipocritamente por coisas que eles mal podem interferir. Inclusive, indico este vídeo (AQUI), num programa de TV inglês, que mostra de uma forma divertida, a triste realidade de como funciona a FIFA e algumas de suas atrocidades mundo a fora.
  6. Temos os estádios mais caros da história
    Balela. Nas últimas copas do mundo, tivemos 2 estádios mais caros que o nosso estádio mais caro, que é o Mané Garrincha. Obviamente, para avaliar o valor do custo de um estádio, temos que considerar o custo financeiro X tamanho/capacidade do mesmo, pois não dá para se comparar um estádio de capacidade para 10 mil torcedores, com um de capacidade para 80 mil.
    Portanto, ao analisarmos custo do estádio/número de assentos, vemos que não há nada de anormal nos custos de nossos estádios, em comparação com os custos de estádios em Copas em outros países. Cliquem AQUI e vejam a lista dos 25 estádios mais caros da história das Copas. 
  7. A Copa está trazendo prejuízo, devido à ineficiência das obras e da corrupção
    Uma afirmativa abismal! Segundos estudos da FGV e da Ernst & Young, além dos investimentos de R$ 19 bi em infraestrutura, que retornam diretamente para a sociedade como qualidade de vida, a Copa e seu legado futuro ocasionarão um giro de aproximadamente R$ 112 bilhões para nossa economia. Ou seja, mesmo com ineficiência e desvios de corrupção, o retorno de investimento é de 5 vezes o valor do capital investido. Não há como discutir que a Copa é um investimento excelente para a economia. Leia mais clicando AQUI e AQUI
  8. Não sou contra a Copa do Mundo, sou contra a Copa no Brasil
    Esse é o campeão dos argumentos sem sentido e hipócritas. É tão insano que parece até um diálogo com Homer Simpson. Todos os protestos sempre foram a Copa no Brasil, e não contra a Copa em si, isso é óbvio! É tipo falar assim: Eu não torço para que a Dilma, ou Aécio, ou Eduardo Campos não se elejam presidente, eu torço para que eles não se elejam presidente no Brasil…..   Oi?
    Óbvio que estamos discutindo sobre a Copa no Brasil, usar esse argumento é mostrar que você ou é muito desonesto ou você tá mais perdido que goiaba na bananeira.
  9. Muitas comunidades estão sendo removidas sem o devido ressarcimento dos danos
    Aqui concordo em gênero, número e grau. É um absurdo o tratamento que está sendo dado a algumas comunidades indígenas e a comunidades carentes nas redondezas dos estádios. Para estas causas específicas, onde também se incluem os protestos dos Sem Teto, eu sou a favor de protestos sim, contra FIFA, contra a presidente, contra o Congresso, contra o Judiciário, contra governadores, contra prefeitos. Os protestos são válidos e legítimos.
    Mas aqui também há exageros e sensacionalismo por parte da mídia e de outros oportunistas. Dizem por aí que 150 mil famílias foram desalojadas. Segundo dados do Governo, o número oficial é de 6.652 famílias. Outra informação distorcida seria que as famílias estariam sendo deslocadas para construção de estádios. Segundo o Governo, essas famílias foram removidas para a realização de obras de mobilidade urbana, como por exemplo, transporte público coletivo. E todas elas receberam moradias do programa Minha Casa, Minha vida. Clique AQUI para ler a nota de 10 verdades sobre a Copa emitida pelo PT.
    Agora, novamente repito, concentrar críticas infundadas quanto aos desalojamentos na presidente, é novamente um erro.

Se é para protestarmos, por que não aproveitamos a Copa para protestarmos contra a riqueza das 15 famílias mais ricas do Brasil, que juntas acumulam uma fortuna de R$ 270 bilhões de reais, 10 vezes mais que os gastos com a Copa. Somente a família Marinho possui R$ 64 bi, mais que o dobro dos gastos com a Copa, e quase 3 vezes do que é gasto anualmente com o Bolsa Família. Protestemos pela implementação do Imposto sobre Grandes Fortunas, portanto!
Ou então, por que não protestamos contra a sonegação de impostos feita pela sociedade civil brasileira. Só em 2013 já foram sonegados 222 bilhões em impostos. Daria para fazermos 10 Copas com o dinheiro que o povo deixa de pagar ao Governo, o que é de direito deste, por lei, para poder investir na melhoria do país. Se quiser acompanhar diariamente quanto o povo brasileiro sonega de impostos, acesse o Sonegômetro.

E sabe o que dói? Além dos protestos descabeçados contra a Copa, é ver essa mesma galera protestando contra o Bolsa Família, como se fosse uma dinheirama, e pior, mal aplicada. Enquanto os ricos brasileiros deitam e rolam em fortunas muito maiores que o valor total gasto com o Bolsa Família, e o brasileiro sonega até 20 vezes mais que o valor gasto no Programa.

No mais, deveríamos estar celebrando a oportunidade de sediarmos a Copa, que celebra o futebol, nossa paixão. Se há críticas a serem feitas no processo, que sejam feitas, mas da forma devida e com consciência, sabendo cobrar dos responsáveis.
A Copa já está e continuará girando nossa economia, aquecendo nosso comércio, elevando nosso PIB. Mais dinheiro para os cofres públicos, mais dinheiro para ser investido em infraestrutura, saúde, educação, segurança, e todo o resto. Além disso, a Copa é uma grande oportunidade para quebrarmos certos estereótipos que os estrangeiros têm quando ao Brasil, como sendo um país de florestas, praias onde as mulheres andam nuas, mulheres bundudas, carnaval, samba, criminalidade e futebol. Podemos mostrar que alguns destes estereótipos são falsos, e que também temos muito mais que isso.

É uma oportunidade de exibirmos nossas belezas para o mundo, o que despertará ainda mais o interesse pelo turismo no Brasil, além de alavancar negócios e investimentos estrangeiros no nosso território.

Boicotar a Copa, destruir a mesma através de caos, não fará com que nossos problemas sejam reparados. Pelo contrário, só aumentarão os mesmos. Frustrará os turistas, e espantará o interesse estrangeiro. Perderemos investimentos, o que pode dar uma porrada na economia, que pode parar de crescer, ou desacelerar, gerando regressos sociais, desemprego, redução de direitos trabalhistas e muito mais.
Os estrangeiros tampouco irão nos ajudar por verem que estamos protestando contra nosso Governo. Eles não se importam com nossos problemas. Não adianta achar que a Copa é uma oportunidade de mostrar para o mundo nossas mazelas, afinal, você acha que eles farão o que? Nos ajudar, enviando uma tropa do exército vermelho? Gerar o caos com o Brasil cheio de turistas, é como ter discussão familiar com a casa cheia de visitas. Você e sua família passam vergonha, perdem a confiança da visita, e por fim, não resolveram o problema que estava sendo discutido. Inteligente, né? Não, não é! É de uma imbecilidade sem fim!

Quebrar a Copa, antes de mais nada, não é ser contra o Governo, nem é lutar contra os problemas, ser contra a Copa é ser contra o Brasil !

* Leia também um ARTIGO bem interessante que mostra que outros países que sediaram a Copa também tinham motivos de sobra para protestarem, mas não o fizeram. E mostra também que nós brasileiros achamos que somos os únicos que temos problemas, no nosso velho complexo de vira-latas, e quando resolvemos protestar, protestamos de forma errada, protegendo os opressores e atacando os oprimidos.

** AQUI algumas suspeitas de suborno e negociações ilícitas da Rede Globo com a FIFA pelos direitos de transmissão da Copa.

*** E AQUI a entrevista do empresário Abílio Diniz, presidente BRF, maior empresa de alimentos do Brasil, fala do pessimismo empresarial para com o país, da oposição e ataques à Dilma, e sua opinião sobre o legado da Copa.

por Miguelito Formador

figura daqui

voto-nulo1Eleições se avizinhando… E, mesmo com a Copa “no meio”, aquele discurso de voto nulo que tanto me incomoda, volta à tona.
Porém, infelizmente, noto esta manifestação pior agora que antes… Seres esclarecidos e instruídos pregam não haver diferença entre políticos e partidos; e assumem a posição de não participar da democracia.

Não serei demagogo em pregar a importância do ato relembrando ditaduras, crimes hediondos e contagens confusas mundo afora. Mas gostaria de lembrar um texto que paira em minha mente desde a infância. É a descrição do analfabeto político de Bertold Brecht.

O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.
(Brecht foi um pensador e dramaturgo alemão da primeira metade do século passado – wikipedia).

Ou seja, é simples…
Se as pessoas que são capazes (ou se julgam capazes) de operar mudanças não votam, os outros votam e o círculo vicioso se perpetua.
Como escreveu um amigo numa discussão solitária com outros tantos que pregavam a ineficiência do voto no Brasil: “dizer que não há diferença entre as pessoas que elegemos é a forma mais simples de sair pela tangente e deixar que os outros decidam por você”.

Outro ponto a discutir e refletir, o chamado “voto de protesto” em artistas e celebridades…
É triste, mas o sistema brasileiro privilegia o partido que consegue um grande número de votos e transforma o quociente eleitoral recebido pelo partido em inúmeras vagas nas Câmaras e Congresso. Ou seja, um deputado eleito com votação recorde, certamente levará consigo outros que sequer receberam votos dos familiares.

Aconteceu com o Enéas Carneiro (lembram-se dele?); fundador do PRONA, que depois de concorrer a algumas eleições para presidente, lançou-se candidato à Câmara dos Deputados. Votação gigantesca. Com mais de 1,5 milhão de votos, Enéas “carregou” outros sete deputados do PRONA consigo. Que, logo após, mudaram de partido e abnegaram o próprio tutor e as próprias convicções do partido que os elegeu…

Assumo que “caí neste golpe”. Porém não como forma de protesto. Julguei que o Dr. Enéas se cercaria de pessoas com os mesmos ideais e objetivos, e que a mini-bancada seria uma opção barulhenta e incorruptível no mar das falcatruas e conchavos.
Me enganei! Creio inclusive que o próprio Enéas também foi ludibriado pelos que o cercavam; mas havia ali uma boa intenção.

Minha proposta aos leitores instruídos e capazes é simples: votem!
Analisem, critiquem, citem nomes aos amigos; perguntem aos políticos sobre temas que vos interessa, ou simplesmente sobre temas complicados a eles, como fidelização partidária, política de coalizão entre o governo e partidos de maioria no Congresso, gasto inapropriado de verbas públicas ou de gabinete, redução destas verbas.

Uma pergunta que fiz certa vez, foi: “o senhor aceitaria o cargo de deputado caso seguisse com o mesmo salário que recebe hoje?”

Só essa pergunta pode render frutos interessantes…

por Celsão correto

figura retirada daqui, onde há um post bem parecido com esse, de 2012

P.S.: em tempo, recebi um texto de um blog, criticando a posição do cantor Ney Matogrosso sobre o tema. A posição foi tomada numa entrevista à Folha (aqui), participaram também Zélia Duncan e João Bosco. Pra quem quiser ler a crítica do blog, segue.

P.S.2: além de defender o voto, e o voto útil, defendo também, como muitos, uma reforma política de base e o chamado voto distrital, que impediria um candidato da região “x” de ser eleito com votos de outras regiões. Mas não acho que estamos preparados para voto não-obrigatório, por mais que soe bem pregar isso ultimamente.

Pirâmide_SocialQue vivemos em mundo injusto, cruel, desumano, desigual, bárbaro, quase todos nós humanos concordamos. Porém, ao propormos soluções para que estes problemas sejam amenizados e tenhamos um lugar melhor para se viver no futuro, as divergências começam a aparecer.
Há aqueles que acreditam na caridade como forma de solucionar os problemas do mundo (já escrevi sobre isso AQUI). Há aqueles que acreditam no poder da oração. Há aqueles que acreditam na meditação. Há aqueles que acreditam numa mudança de comportamento, buscando uma forma mais bucólica e natural de vida. Há quem não acredite em soluções e que estejamos fadados ao desaparecimento, extinção.

Eu acredito que a única ferramenta capaz de causar mudanças no Status Quo, enfraquecendo o sistema vigente onde poucos tanto têm e muitos nada têm, é a educação crítica em paralelo com ações governamentais progressistas em prol das minorias.

O mundo caminha cada vez mais para uma manipulação em massa das sociedades, uma vez que é interesse da elite que os sistemas educacionais se degenerem em qualidade para que os alunos se tornem especialistas em determinadas áreas, mas sejam completamente alienados e acríticos com relação ao mundo como um todo. Assim, as escolas a cada dia mais, formam ótimos especialistas, mas péssimos seres humanos.

Em paralelo a isso, a mídia convencional desempenha cada vez mais um papel de geração de medo, ódio e sentimento de caos, o que impulsiona e estimula o consumo desenfreado, tão lucrativo para as grandes empresas e bancos, mas nada sustentável para a sociedade e para o meio ambiente. Sabe-se ainda que a mídia deslumbra e ludibria as sociedades com seus programas sensacionalistas e pobres em conteúdo, o que gera seres humanos incapazes de raciocinar, e hipnotizados com as telinhas.

Essa mesma mídia é tendenciosa e parcial, pois assim como qualquer empresa, defende os interesses daqueles que lhes pagam, no caso, seus anunciantes e patrocinadores, que são as grandes empresas, o capital privado, também conhecido como elite. Assim, a mídia raramente é pró-sociedade, pois ela é pró-capital privado, o que significa em outras palavras, pró-elite.

Essa combinação, sistema educacional degenerado + mídia manipuladora, gera uma sociedade perdida, que não tem sequer consciência que não são donos de seus próprios destinos, nem de suas próprias vontades.

Por isso, tenho plena convicção que se queremos um dia viver num mundo melhor, precisamos lutar pela educação crítica da sociedade, com forte foco em ética, moral, consciência política e consciência social, pois além de tudo, de uma sociedade consciente, florescerão também políticos conscientes que usarão o Estado cada vez mais em prol de gerar equilíbrio, justiça e igualdade em todos os níveis e patamares da sociedade.

Obs.: Por falar em ter sonhos e utopias, aproveito para indicar um excelente e sensato texto do religioso e filósofo Leonardo Boff, que muito tem a ver com o que acabo de escrever. Clique AQUI

por Miguelito Formador

figura retirada do perfil do facebook

CaridadePretendo aqui tratar, de uma forma um tanto quanto dura, da caridade. Sei que a abordagem utilizada por mim é polêmica, desagradará a muitos, e estarei vulnerável para levar “pedradas”, mas o que se há de fazer? Certos assuntos geram dor, por tocarem nas nossas maiores fraquezas e disfarces.

Fazer caridade, doações, tirar férias para ir para África, Américas ou Ásia trabalhando em projetos sociais, e coisas do gênero, são ações bonitas e mostram ética e moral elevadas normalmente, mas de pouco adiantam para fazer do mundo um lugar realmente mais justo e mais igualitário.
Aproveito aqui para indicar um excelente artigo que sugere que boa parte das doações da Inglaterra, assim como do Mundo, para a África e países “subdesenvolvidos” num geral, acabam sendo redirecionadas não ao povo carente, mas sim às grandes corporações que atuam nestes países, principalmente as indústrias do agronegócio. Acesso o curto, porém excelente artigo clicando AQUI

O único caminho para realmente causar transformações duradouras no mundo é mudando nossa postura. Refletir sobre o nosso consumo, sobre nosso estilo de vida, nossas casas, o que nosso trabalho traz para o mundo. Refletir sobre a educação que damos aos nossos filhos e pessoas em nossa área de influência.
Temos que sair da zona de conforto intelectual(pois nos é ensinado que a vida é assim mesmo, o ser humano é mal de natureza, e algumas pessoas tem mais sorte, outras menos… e assim nos tornamos passivos, coniventes, “cúmplices” das desgraças e barbáries do mundo).
Nesta mesma linha de raciocínio gostaria de indicar-lhes um excelente vídeo, de somente 20 minutos, que faz uma explicação didática de como funciona nosso sistema vigente, tendo como base de sustento o consumo desenfreado, e como o mesmo é insustentável e catastrófico a médio e longo prazo. Clique AQUI

Temos que nos tornarmos mais críticos, questionadores. Entendermos de uma vez por toda que fomos educados para sermos alienados e manipulados, e assim sermos máquinas perfeitas de consumo e incapazes de criticar o sistema e mudar nossas posturas, seja pela alienação, seja pela nossa falta de tempo (o que também gera alienação), afinal, o sistema, nossos trabalhos, nos consomem por inteiro.

Temos que entender a seriedade do problema da degeneração do sistema educacional e da mídia. E tendo nosso interesse despertado para a crítica e por nos informarmos melhor, agiremos “politicamente” de forma ativa, direta- ou indiretamente, lutando para que ações políticas sejam tomadas visando melhorar a qualidade e os rumos da educação, visando reformar os valores das pessoas desde criança, e em paralelo outras ações devem ser tomadas garantindo mais direitos e mais justiça não para sua família, nem para o seu bairro, não para sua cidade, nem para seu país, mas para o Mundo como um todo, para todas as pessoas do Planeta.

A caridade sozinha, sem uma crítica político-social pesada em paralelo, é como tentar frear um rio com o próprio corpo. É como tentar apagar o incêndio de uma mata utilizando-se de copos de água. A intenção é boa, mas o impacto é pequeno.
Para resultados concretos, eficazes e duradouros, a única solução é a mudança de comportamento e atitudes, lutar por uma educação que seja ferramenta para gerar senso crítico e que ensine o ser humano a viver bem e de forma justa, ética e honesta; e lutar por interferência política em prol daqueles que mais necessitam de suporte e apoio.
Tudo que fugir muito disso, é mera tentativa de frear o rio. É bonito e nobre, mas pouco eficiente.

Se você pratica caridade, do fundo de meu coração, eu bato palmas para você. Continue, pois o resultado certamente é positivo. Mas busque em paralelo desenvolver este lado crítico em você, busque entender e levar a sério o poder de mudança que a política possui, seja ativo no processo de mudanças duradouras. Mas continue praticando a caridade, pois ela conforta, mesmo que provisoriamente, as dores do próximo, além de trazer a nós mesmos conforto espiritual.

por Miguelito Formador

figura daqui

 

hoaxÉ lamentável, mas terei novamente que voltar ao tema farsas, ou mais especificamente, farsas de internet, também conhecidas como “hoax”.

É certo que invenções, mentiras, textos e vídeos maliciosos e desonestos estão aí aos montes. E se alguém for se incomodar com cada um das dezenas/centenas destes que surgem diariamente, estará fadado a enlouquecer. Portanto, já sabendo desta realidade, eu simplesmente ignoro a maioria daqueles com os quais me deparo, até porque de tanto já ter sido incomodado com tais hoax e, justamente por isso, já ter estudado bastante sobre o assunto, na maioria das vezes, basta eu bater o olho numa farsa e já a identifico como tal, e assim eu poupo meu tempo e energia.

Por e-mail venho recebendo bem menos hoax. Penso que isso tenha sido o resultado da minha luta travada durante muito tempo com alguns amigos que insistem em acreditar na maioria delas, pois lhes agrada ao ego e as suas convicções pessoais. Ou estes amigos aprenderam nestas discussões comigo a serem mais críticos e pararam de acreditar em tudo que viam na internet, ou então eles passaram a não me enviar mais tais e-mails, sabendo que “o chato do Miguel” certamente irá criticar com suas teorias da conspiração…. enfim, se for o segundo caso, nada posso fazer, pois tem gente que nao “pega” nem no “tranco”.

Pelo facebook a história não é muito diferente. Com o tempo eu fui “filtrando” muitos contatos. Entre os principais motivos de filtro está a falta de senso crítico, tendendo à imbecilidade crônica mesmo. Por exemplo: uma pessoa posta algo assumido pelo próprio autor como sátira/brincadeira. Mas aquele que o está a compartilhar está acreditando que aquilo seja verdade. Daí eu, com toda a educação e diplomacia que me foi “dada”, abordo a pessoa, muitas vezes por mensagem privada, às vezes no próprio post, e sugiro que ele olhe o perfil do próprio autor do texto, onde aquele diz que este se trata de uma piada, e que as informações são fictícias, e por isso, não deve ser levado a sério.
Após fazer essa sugestão, sou tratado como arrogante, metido, sabichão, ignorante, conspirador e até como “alienado”, pelo “amigo” que compartilhou o texto. Tento explicar mais uma vez que não é nada disso, e que só enviei o link onde o próprio autor diz que as pessoas não devem acreditar no texto, pois trata-se de uma história inventada, algo humorístico. Os insultos e grosserias continuam em minha direção, agora apoiados pelos amigos deste meu “amigo”, os quais estão ali dentro do post exaltando as “verdades” do texto em tom voraz.
Só me resta ativar o botão “filtro de imbecilidade”, para que eu nunca mais veja nada que essa pessoa escreva ou compartilhe. Afinal, essa não pega nem no tranco.

Mesmo já tendo filtrado algumas dezenas de pessoas por este motivo, ainda continuo a ver, aqui e acolá, besteiras insanas a serem compartilhadas e ovacionadas. Só não tenho mais a mesma energia de debater sobre coisas óbvias. Então, quando me manifesto, o faço de maneira lacônica, se colar colou, senão, azar, me dou por vencido e nado para longe para não me afogar na rasura destas pessoas médias.

Bom, mas quero aqui mencionar duas farsas/hoax que merecem minha preciosa atenção, pela popularidade que ganharam, e também por terem conquistado a simpatia e credibilidade de amigos e entes dos mais queridos.

Angela Merkel ataca Dilma Roussef e tece críticas ao seu Governo
merkeldilma620388Trata-se de um suposto depoimento de Angela Merkel, Chanceler alemã, onde ela haveria tecido duras críticas ao Governo brasileiro, mais diretamente à Presidente Dilma Roussef.
A tradução que circulou pela internet no Brasil, com aplausos e vibrações eufóricas de uma boa parcela de brasileiros (principalmente da classe média) segue abaixo:
Diante da arrogância da Dilma, a Chefe de Estado alemã, Angela Merkel, deu
entrevista à TV alemã ontem à noite na qual mandou um recadinho:
– Essa senhora vem à Alemanha nos dizer o que temos de fazer? Ora, a
Alemanha vai bem obrigada apesar de tudo. Mas vou aproveitar para dar um
conselho a ela… antes de vir aqui reclamar das nossas políticas
econômicas, por que ela não diminui os gastos do governo dela e também os
juros que são exorbitantes no Brasil? Se eu posso emprestar dinheiro a juros
baixos e o meu povo pode ganhar juros absurdos lá no país dela, não vou ser
eu que direi ao meu povo que não faça isso.
Ela que torne a especulação no país dela menos atraente.

Para acessar a reportagem original em alemão, onde se encontra o que realmente foi dito por Dilma e Merkel, clique aqui.

Tudo isto que está aí acima e que supostamente foi dito pela Chanceler alemã, é um conjunto de invenções, criações. E nem estou a falar de sentido adulterado, mas sim de invenções deliberadas. Merkel em nenhum momento fez críticas à presidente brasileira, nem falou de juros, muito menos disse que estes são absurdos no Brasil (até porque, se ela assim dissesse, mostraria uma profunda ignorância histórico-política, pois o Brasil tem no governo Dilma os juros mais baixos depois de décadas, chegando a ser tão baixos que foram atacados pela mídia e pela elite, principalmente os banqueiros – que são os donos não só do Brasil, mas do Mundo).
Resumidamente, Dilma teceu diplomaticamente críticas a algumas medidas da Alemanha e da Zona do Euro, e Merkel concordou com algumas destas críticas e observações feitas por Dilma, mas ressaltou que essas medidas são provisórias, de emergência, e que em breve outras posturas serão tomadas. Não há críticas ao Brasil, e não há atrito entre as duas presidentes. Tudo extremamente técnico, diplomático e respeitoso por ambos os lados.

Gente, mas não precisa saber falar alemão para saber que essa tradução cheira à mentira, certo? Será que a Chanceler (presidente) de uma das 3 nações mais importantes do Mundo, iria se referir à presidente de uma outra nação tão importante, chamando a mesma de “esta senhora”??? Será que ela falaria em público “vou dar um conselho a ela”??? Poxa, não precisa ter doutorado em política, nem ser um gênio da diplomacia, nem ter o senso crítico mais apurado do Universo, para perceber que esta tradução é uma picaretagem.

Outra coisa que já resolveria o problema neste caso, seria, pegar o texto original em alemão, colocar em algum tradutor, tipo o Google, Babylon, etc, e ver o resultado que ele dá. Claro que a tradução fica uma porcaria, mas já consegue-se pegar uma ideia do que está contido no texto original.
Por fim, se você não quer jogar no Google, por preguiça, ou porque não confia na tradução do mesmo. Se você não tem nenhum amigo alemão ou que fale alemão, e possa te dizer o que está presente no texto original. Então só lhe resta uma posição coerente e sensata: ignorar o texto em português, pois você não faz a menor ideia se o mesmo está te fazendo de palhaço, mentindo na cara dura, inventando coisas! A não ser que ele venha em alguma fonte segura de informação, de algum jornalista respeitado, daí a história muda. Mas se o texto está sendo replicado no facebook, ou em blogs de procedência “x”, poxa, não dá para acreditar né?

O Governo, a sociedade, Lula e Dilma, e o Brasil como um todo são detonados pela Francefootball, uma revista francesa de futebol e esportes, ao que se diz, uma das revistas mais respeitadas do Mundo
revista_france_footballPara acessar o texto em português com o suposto resumo do que está contido nesta edição da revista francesa, clique aqui.

Primeiramente fui marcado neste texto por um amigo do facebook. Ao me marcar, ele já se adiantou: “Miguel, sei que você dirá que há sensacionalismo e alguns dados não são totalmente verdadeiros, mas gostei e concordo com a ideia geral do texto”.
E eu me pergunto: Tem tanta revista, tanto blog, tanto jornal, tantos intelectuais por aí escrevendo sobre tudo que se possa imaginar; será que é necessário compartilhar e disseminar um texto de procedência desconhecida, contendo informações sabidamente falsas e maliciosas, só porque a “ideia geral” nos agrada? Sei lá se eu sou um ET, ou se a cabeça da galera tá do avesso. Quem compartilha tais coisas, está disseminando mentiras e colaborando para a “idiotização” da sociedade! Será que essa é uma atitude ética, civilizada e cidadã, especialmente quando for feita com consciência?

Não aguentei ler tudo, pois estava me dando ânsia realizar aquela leitura sabendo que estava jogando meu tempo fora, tamanho o descaramento das mentiras ali contidas.
Porém, passados alguns dias, precisei dar maior atenção ao texto, pois isso me foi requisitado por mais duas pessoas da minha família. Enquanto isso, o texto bombava no facebook, por e-mail e em blogs imundos.

Gastei algo em torno de 2 horas vasculhando a internet. Procurei esta capa e esta reportagem em francês (original) no site da revista, mas não achei. E aqui já começa a PRIMEIRA coisa extremamente estranha, que já basta para vermos a falta de seriedade. O texto fornece um link (…A revista pode ser acessada no site: www.francefootball.com mas apenas…), mas não fala se é o site do Brasil, da França, ou sei lá de onde. Clicando no HIPER-LINK do site contido no texto, ele não nos direciona para o site da revista, mas sim para o link desta matéria no FACEBOOK. Ou seja, ao invés de colocarem no hiperlink o site da revista, colocaram o link do facebook de quem criou este texto. Percebem a falcatrua? E esse é só o começo.

Digitando www.francefootball.com no browser da internet, este te direciona para http://www.francefootball.FR, pois é de domínio francês.

Entrei no site francês da revista e procurei por esta capa. Procurei pelos títulos e pedaços do texto que estão contidos na capa, não achei nada. Procurei por Brésil (Brasil em francês) e aí achei várias reportagens… abri todas as últimas dos últimos 2 meses, e nenhuma parece ter qualquer relação com o texto acima. (aqui mais um problema. O texto diz “a capa desta semana da revista francefootball….” Qual semana? Cadê a data do texto? Por que não colocar: “a capa desta semana, ex.: 28.01.2014, da revista bla bla bla, traz uma reportagem….?” Percebem que as informações são omitidas propositalmente para ficar mais difícil o rastreamento?

Portanto, trata-se de um texto fake/falso, que foi criado não por um pé-rapado qualquer, mas sim por uma equipe que sabe o que faz, e escreve um texto que parece, aos olhos de  pessoas “médias”, um texto profissional e sério, cheio de links de referência, supostamente embasando os dados. Porém, eles sabem que essas pessoas médias, não irão abrir todos os links, nem checar as informações. Pois se o fizessem, e tivessem um pouquinho de senso crítico, já começariam a ver diversas coisas estranhas.
Quem criou este texto, o fez de forma criminosa, sabendo que cativaria o seu público alvo, que é raso e gosta de sensacionalismo, imediatismo, críticas e soluções simples para os mais complexos problemas.

Misturaram verdades com inverdades, realidades com distorções, e usando de sensacionalismo extremo, buscam apontar culpados (o governo atual e o descaso público) de forma bem simplória. Ou seja, cada acusação que eles fazem, ou está repleta de mentiras, ou é parcialmente verdadeira, porém omite todos os 500 anos de história do Brasil, omite diversas influências políticas/sociais/econômicas/geográficas, omite dados e estatísticas, omite curvas de evolução, e simplificam problemas seculares como um erro político de 1 ano atrás. A má fé predomina neste texto, e isso não é casualidade, isso é proposital, pois quem o fez tem um objetivo bem claro.

Como exemplo concreto, abordarei uma passagem do texto, a qual já ilustra tudo que estou querendo dizer. Segue:
Para os taxistas não há cursos de inglês financiados pelo governo, mas para as prostitutas sim. Parece piada, mas é verdade: (vide:www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/01/1211528-prostitutas-de-bh-tem-aulas-gratis-de-ingles-para-se-preparar-para-a-copa.shtml)

Esse boato surgiu há quase 2 anos. À princípio, uma revista holandesa teria vazado essa informação que o governo brasileiro estava pagando curso de inglês para prostitutas, preparando-nas para a Copa. Isso virou uma febre no Facebook e nas correntes de e-mail.
Naquela época postei um texto aqui no blog tratando exatamente deste tema. Clique AQUI.

Resumindo o que escrevi na época: a reportagem da Holanda falava da associação das prostitutas de Belo Horizonte, a qual estava pagando cursos de formação para as prostitutas, entre os quais, inglês era a prioridade. É a associação delas, que é organizada pelas próprias trabalhadoras, para representar os seus próprios interesses. Não tem governo Federal, nem estadual, nem prefeitura, nem vereador envolvido. Nem empresários, nem sociedade. São elas, tirando vontade e dinheiro de seu próprio caixa. E é só Belo Horizonte, não é Brasil…..
Pelo amor de Deus né?

Mas sabe o que é pior? Nem é necessário saber dessa história toda que contei, nem abrir meu blog, nem saber falar alemão/holandês. Basta abrir o link da Folha.uol, que está aí acima, o qual foi fornecido pelo próprio texto e ler o que ali está escrito. O texto ali presente não menciona governo, mas sim a associação das prostitutas. Ali está explicado direitinho, que elas buscam até voluntários para dar aulas. GOVERNO ou POLÍTICA, ou qualquer palavra que vincule este fato ao Governo, não estão presentes no texto. Ou seja, a versão em português da edição da Francefootball, diz que prostitutas estão recebendo cursos de inglês pagos pelo Governo, e para embasar isso, fornecem um link da Folha.uol cujo o texto não fala nada disso. Para quê continuar lendo um texto destes? Se o autor age com tanta má fé assim, e pior, de forma ridícula, chamando “nós” leitores de idiotas e analfabetos funcionais. Será que vale à pena continuar lendo o texto, com a esperança de que coisas boas estão por vir? Para mim está claro: Não!

Ao invés de dar mais exemplos de mentiras e canalhices contidas nesta tradução da Francefootball, deixo aqui um link do próprio site da UOL que desmascara o texto. Não deixem de lê-lo, pois eles apontam inúmeras mentiras e afirmações maliciosas contidas nesta hoax. Clique AQUI.

Para encerrar, deixo também a dica de mais dois outros textos meus postados neste blog.
1) Trato de farsas e da burrice da oposição brasileira. AQUI 
2) A farsa do Nióbio, tema que já circula há anos na internet. AQUI

por Miguelito Nervoltado

figura 1 daqui
figura 2 daqui

Pensador ou marionete?

Pensador ou marionete?

Beethoven disse que Deus se comunica com o homem através da música.
O intelectual, filósofo, pesquisador e escritor, Roger Scruton disse que de todas as artes, a música é, certamente, a que mais lhe comove e encanta.

Mas e quando um artista, como que num momento de transe, vê sua alma repleta de inspiração, e com muita criatividade, talento, senso crítico, cria uma música, que além de música, é uma junção de outras artes, e ainda com um forte e delicioso toque crítico sobre uma realidade do mundo?
Muitos dizem que hoje em dia não se faz música e outras artes no Brasil, como se fazia em outros períodos, como no período da ditadura militar. Acusam a falta de ter “contra o quê lutar” como sendo o motivo da falta de inspiração na arte moderna brasileira. Isso faz todo o sentido! Mas será que estamos mesmo com carência de arte? Penso que não. Basta buscarmos no lado B, no mercado alternativo, que veremos muita coisa fantástica, tanto música, como pinturas, poesias e qualquer outro tipo de arte. Acho que o principal problema do momento, é que a arte de verdade, não se populariza hoje em dia, como se popularizava antigamente.
Mas porque isso acontece?

Bom, eu tenho minhas suposições:
Cada vez mais o mercado capitalista mostra suas garras. A cada ano que se passa, o dinheiro tem mais valor, e grandes empresas ampliam sua hegemonia/monopólios. No mercado da “arte” é a mesma coisa. O que vende mais, Michel Teló ou Cordel do Fogo Encantado (para quem não conhece, procurem essa fantástica banda no youtube)? Daí existe uma combinação de gravadoras querendo vender, com mídia querendo audiência e bestificar os espectadores, somado a um imenso grupo de cidadãos menos politizados e menos críticos (resultado da péssima educação tanto das escolas como a familiar + a influência da mídia alienadora), e bingo, temos uma falta de mercado para a arte de verdade, e cada vez um maior mercado para Michel Teló’s, Sertanejos Universitários, Funk carioca, Britney Spears, Restart.

Assim como a boa música tem pouco espaço nesse mercado moderno, também o têm a boa poesia, o bom jornalismo, a boa crônica, a boa informação, a filosofia crítica, a antropologia e sociologia com real utilidade pública, as boas pinturas, o bom artesanato, o bom teatro, a boa comédia, o bom cinema…… (*)

Esperemos que a internet se popularize cada vez mais, e que os artistas e profissionais de qualidade, que não têm espaço nos meios convencionais, possam atingir uma parcela maior da população através da internet. Também esperemos que os cidadãos se conscientizem cada vez mais de sua alienação, e percebam que não só a internet, mas qualquer meio de comunicação e informação têm, tanto porcarias quanto materiais de ótima qualidade.

Basta tentarmos sermos críticos e sensatos, termos interesse, e então filtrarmos tudo que não presta, e passarmos a valorizar tudo o que mostra ser feito com arte, com criatividade, com conhecimento, e com boa intenção, tendo como prioridade transparecer o interior da alma do autor e ainda de lambuja, se possível, trazer algo de útil para a população, seja um bom sentimento, seja a conscientização sobre algo importante.
Tem que estar claro para todos nós cidadãos que, o consumo determina o mercado. Consumamos qualidade, e a qualidade se popularizará! Nós temos a força e poder nas mãos, basta querermos ser pessoas mais conscientes, seletivas, profundas e críticas.

Aproveitem e cliquem (aqui) para terem contato com uma obra de arte do mundo musical, e que está escondida, como muitas outras, sem espaço para adentrar no “mercado de massa”.

(*) Sei que definir “bom” e “ruim” é um assunto complexo e muitas vezes, subjetivo. Por isso aproveito para indicar duas leituras nossas: 
1) Afinal, o que significa o termo “Cultura”? Clique AQUI
2) Será que é errado julgar algo como “bom” ou “ruim”, “verdade” ou “mentira”, “bonito” ou “feio”, “certo” ou “errado”? Clique AQUI

por Miguelito Formador